WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Técnica de produção de café transgênico é patenteada pela Embrapa

Variedade transgênica é resistente à broca, principal praga do cafeeiro

 

As alterações genéticas podem melhorar as características do café. Foto: reprodução.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) patenteou uma técnica para desenvolver o uso de variedades geneticamente modificadas no cultivo do café. A nova tecnologia permite que um novo gene se manifeste apenas no endosperma, que é a região responsável pela nutrição da planta. Assim, é possível alterar características específicas, como sabor, aroma e textura.

Na nova técnica, o gene chamado de promotor define onde e quando as características desejadas se manifestarão na planta. Os promotores poderão ser selecionados e catalogados para ficarem à disposição dos órgãos de pesquisa brasileiros. A pesquisadora Juliana Dantas, coordenadora dos estudos, explica que a técnica pode gerar resultados imediatos no desenvolvimento de novas variedades transgênicas.

A estratégia é bastante interessante, por exemplo, se o gene selecionado for usado para criar uma planta resistente a uma praga, como a broca, que é a principal doença do cafeeiro. O besouro perfura o fruto e se instala exatamente no grão de café, onde se reproduz e compromete toda a produção. Com o uso da nova técnica, apenas a proteína do grão seria resistente ao inseto, permitindo que populações de outros insetos que se alimentam da folha e trazem benefícios à planta não sejam atingidas.

Segundo os pesquisadores da Embrapa, o banco com todas as informações sobre os genes promotores deve ser disponibilizado totalmente para consulta em um prazo máximo de cinco anos. Eles esperam que a técnica agilize a geração de novas variedades transgênicas de café, resistentes a pragas, com sabor e aroma acentuados e mais produtivas. As informações serão disponibilizadas em separado por todo o país para atender às demandas de cada região, gerando benefícios, sociais, econômicos, ambientais e de biossegurança.

A técnica é fruto de pesquisas realizadas pelos pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e financiada pelo Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). A patente foi depositada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), com o nome “Composições e métodos para modificar a expressão de genes de interesse”.

 

Por: Maria Clara Corsino.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!