WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Ácaro-vermelho é a segunda pior praga no cultivo de café

Conhecida em vários países do mundo, chega a causar perdas de até 75% de produtividade

Para se alimentar,  os ácaros perfuram as células da parte superior das folhas e absorvem parte do conteúdo celular.

O ácaro-vermelho é uma praga que causa amarelamento e necrose nas folhas e frutos das culturas as  quais ataca. Ela já é conhecida em vários países do mundo e chega a causar perdas de até 75% de produtividade.

Detectada em julho de 2009, no município de Boa Vista, capital do estado de Roraima, se espalhou para outros municípios da região e a preocupação, agora, é que ultrapasse as fronteiras e ataque plantações de outros estados do país.

Até agora, sabe-se que a principal fonte de disseminação é o transporte de mudas via deslocamento rodoviário, então, estão sendo feitas fiscalizações em veículos para evitar o transporte de plantas contaminadas. A praga pode infestar várias frutas, vegetais e plantas ornamentais, como a azaléia, romanzeiro, camélia, pitanga, banana, coco, entre outros. Para o cultivo de café, essa é considerada a segunda pior praga. No Brasil, a primeira referência ao ácaro-vermelho atacando cafeeiro foi no estado de São Paulo, em 1950, juntamente com o ácaro da mancha-anular.

Para se alimentar,  os ácaros perfuram as células da parte superior das folhas e absorvem parte do conteúdo celular. Em consequência, as folhas perdem o brilho natural, e tornam-se bronzeadas, dando um péssimo aspecto às plantas.

O professor Dr. Paulo Rebelles Reis, especialista em entomologia e acarologia, explica no curso Pragas do Cafeeiro, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, que “a população do ácaro-vermelho aumenta como resultado de uma estiagem e, ao contrário, sua população praticamente desaparece no período chuvoso. Assim, chuvas pesadas paralisam seu ataque e propiciam às plantas condições de vegetação e recuperação, não sendo necessária nenhuma medida de controle químico”.

Quando o controle químico for necessário, deve ser realizado com a pulverização de acaricidas  específicos, de preferência seletivos aos seus inimigos naturais ou enxofre, visando as plantas das reboleiras atacadas e com sintomas, e também aquelas ao seu redor.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!