WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Uva gera emprego e renda no sertão

Fruta é destinada à produção de vinho no Vale do São Francisco

 

Projeto de irrigação favorece o plantio de uva no sertão nordestino. Foto: Nordeste Rural.

A imensidão dos parreirais nas terras férteis do sertão pernambucano desmistificam duas coisas: a primeira é que no sertão não dá para plantar nada e a segunda é que uva boa só nasce no Sul do país. Os mais de dez mil hectares de terras irrigadas plantadas com uva no Vale do São Francisco é um dos setores mais lucrativos e prósperos do Nordeste, com receita de aproximadamente US$ 10 milhões por ano.

Elas abastecem 6 vinícolas da região, responsáveis por 20% da produção de vinhos finos do Brasil. A safra gerou, em 2011, 6 milhões de litros e este ano são esperados cerca de 7,2 milhões, um aumento de 20% na produção. Os números são bastante animadores e a expectativa da Associação dos Exportadores do Vale do São Francisco é otimista. A previsão deles é de um aumento progressivo até 15 milhões de litros até 2015.

O segredo para se produzir uvas de qualidade no sertão vem do resultado de muitas pesquisas. Por sinal, a pesquisadora Teresinha Costa Albuquerque da Embrapa Semi-Árido reconhece que não existem vinhos com as qualidades do pernambucano em nenhum outro lugar nos trópicos. Segundo ela, o vinho possui características especiais, que o fez ganhar o mercado nacional de vinhos jovens e também torná-lo competitivo no mercado internacional.

A especialista explica que o Vale do São Francisco possui diferentes momentos climáticos que permitem a colheita duas vezes ao ano e a safra com uvas de variedades diversas que geram vinhos com características próprias. Isto faz com que a bebida da região seja muito diferente das de outros lugares do mundo. No entanto, ela destaca a importância de muitos estudos que possibilitaram a superação de algumas barreiras, como o clima seco e o excesso de calor.

A irrigação foi um dos aspectos mais importantes. A abundância de água do São Francisco foi aproveitada, mas somente tecnologias adequadas puderam viabilizar a produção de uva no sertão pernambucano. Doutor em irrigação, Rubens de Oliveira, professor do Curso Irrigação em Frutíferas, desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, destaca que as tecnologias usadas podem transformar lugares áridos em terras altamente produtivas, garantindo qualidade e rentabilidade aos fruticultores.

Por: Maria Clara Corsino.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!