WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Black Friday 30%OFF nos cursos online 15% OFF nos cursos em livro+DVD + 5% OFF extra no cartão de crédito

Educação infantil - como formar empreendedores

O professor deve estimular a escola a transformar em ação o que já acontece em todo o mundo desenvolvido: inserir o empreendedorismo nos currículos escolares e extraescolares e tomá-lo como elemento essencial na formação das crianças

Pesquisas indicam que as famílias de empreendedores têm maior chance de gerar novos empreendedores. Foto: reprodução.

Apesar de popularizado por meio da importação do inglês, o empreendedorismo vem de entrepreneur, palavra francesa que era usada no século XII para designar aquele que incentivava brigas. Atualmente ser empreendedor é ter um diferencial, uma carta na manga em relação às poucas oportunidades que o mercado de trabalho oferece. Para o Empreendedorismo, o personagem central é o ser humano, e seu objetivo é preparar os jovens para serem empregados e formar empresários, pessoas capazes de transformar sonhos em realidade e desempenhar o papel de motor da economia, própria e do país.

Em outras palavras, “o empreendedor é alguém capaz de identificar, agarrar e aproveitar oportunidades, buscando e gerenciando recursos para transformar a oportunidade em negócio de sucesso”, afirma a professora Michelle Gomes Lélis, do curso Educação Infantil – Educação Financeira e Empreendedorismo, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

Os futuros empreendedores

Uma das dificuldades na formação de Empreendedores é convencer as pessoas de que as características empreendedoras de alguém podem ser adquiridas e desenvolvidas por meio de um aprendizado especial. O fundamental é preparar as pessoas para aprender a agir e pensar por conta própria, com criatividade, liderança e visão de futuro, para inovar e ocupar o seu espaço no mercado, transformando esse ato também em prazer e emoção.

Existem famílias mais empreendedoras do que outras, assim como cidades, regiões, países. Na verdade, aprende-se a ser empreendedor pela convivência com outros empreendedores, em um clima em que ser dono do próprio nariz, ter um negócio é considerado algo muito positivo. Pesquisas indicam que as famílias de empreendedores têm maior chance de gerar novos empreendedores e que os empreendedores de sucesso quase sempre têm um modelo, alguém a quem admiram e imitam.

Como formar empreendedores?

Nós, professores, precisamos estimular as escolas a transformarem em ação o que já acontece em todo o mundo desenvolvido: inserir o empreendedorismo nos currículos escolares e extraescolares e tomá-lo como elemento essencial na formação do capital humano. Ser ou não ser empreendedor não deve ser uma questão de simples liberdade de escolha, de um jeito de ser. O perfil do empreendedor deve ser considerado como um jeito de ser adequado ao meio incerto e desafiador dos problemas da atualidade.

Se o empreendedor é aquele que provoca mudanças por meio da inovação, que gera ou aproveita oportunidades e que cria valor tanto para si próprio como para a sociedade e, se sua personalidade tem um papel decisivo na configuração da cultura, dos valores e do comportamento social em qualquer organização, então a questão talvez não passe pelo “ser ou não ser”, mas pelo “como” e “para quê” formaremos empreendedores.

Empreendedorismo e educação

A introdução da cultura empreendedora no ensino é o primeiro passo na busca de um objetivo maior: a formação de uma cultura em que professores e crianças tenham como prioridade valores como geração e distribuição de riquezas, independência, inovação, criatividade, autossustentação, liberdade e desenvolvimento econômico, ou seja, a formação de uma “incubadora social”.

A educação empreendedora utiliza a educação financeira como instrumento para efetivação de seus objetivos, visando sempre ao potencial daqueles que se envolvem, fazendo as escolas se interessarem por formar pessoas capazes de criar suas próprias oportunidades, ao invés de formar empregados para um mercado de trabalho onde há cada vez menos vagas.

A educação empreendedora e ética, por meio da educação financeira, deve começar nos primeiros anos de vida, visto que é uma forma de ver o mundo e com ele estabelecer relações e, por dizer respeito à cultura, que tem o poder de induzir ou de inibir a capacidade empreendedora.

Professor e alunos empreendedores

Tanto professores quanto alunos têm como utilizar o Empreendedorismo a seu favor. Os professores devem trabalhar seu conceito, refletir sobre as características que o empreendedor deve ter e levar seu novo aprendizado à esfera escolar, de forma a contribuir para a educação. Entretanto, é também papel do educador instigar seus alunos a tomarem seus sonhos como núcleo para construir seu projeto de vida. A missão do professor é mostrar que a vida não é uma sequência momentânea de prazer. A vida é resultado de ações que estamos realizando no presente.

A educação empreendedora convida você, professor, para a missão de animador, inventor de recursos e aprendiz dos vários sonhos que irão surgir em sua classe, pois, afinal, os sonhos são personalíssimos. Fica claro, então, que a origem e a essência do empreendedorismo estão na emoção do indivíduo, na energia que o leva a transformar-se e a transformar sua vida.

O empreendedor é alguém capaz de identificar, agarrar e aproveitar oportunidades, buscando e gerenciando recursos para transformar a oportunidade em negócio de sucesso. Foto: reprodução.

Principais características do empreendedor:

- Tem um “modelo”, uma pessoa que o influencia;
- Tem iniciativa, autonomia, autoconfiança, otimismo, necessidade de realização;
- Trabalha sozinho;
- Tem perseverança e tenacidade;
- Fracasso é considerado um resultado como outro qualquer, ele aprende com os resultados negativos, com os próprios erros;
- Tem grande energia, é um trabalhador incansável;
- Sabe fixar metas e alcançá-las, luta contra padrões impostos, diferencia-se. Tem a capacidade de ocupar um espaço não ocupado por outros no mercado e descobrir nichos;
- Tem forte intuição, o que importa não é o que se sabe, mas o que se faz;
- Tem sempre alto comprometimento, crê no que faz;
- Cria situações para obter feedback sobre o seu comportamento e sabe utilizar tais informações para o seu aprimoramento;
- Sabe buscar, utilizar e controlar recursos;
- É um sonhador realista;
- É líder, cria um sistema próprio de relações com empregados. É comparado a um “líder de banda”, que dá liberdade a todos os músicos, extraindo deles o que têm de melhor, mas conseguindo transformar o conjunto em algo harmônico, seguindo uma partitura, um tema, um objetivo;
- É orientado para resultados, para o futuro, para o longo prazo;
- Aceita o dinheiro como uma das medidas de seu desempenho;
- Tece “redes de relações” (contatos, amizades) moderadas, mas utilizadas intensamente como suporte para alcançar os seus objetivos;
- A rede de relações internas (com sócios, colaboradores) é mais importante que as externas;
- Conhece muito bem o ramo em que atua;
- Cultiva a imaginação e aprende a definir visões;
- Traduz seus pensamentos em ações;
- Define o que deve aprender (a partir do não definido) para realizar as suas visões. É proativo diante daquilo que deve saber: primeiramente define o que quer, aonde quer chegar, depois busca o conhecimento que lhe permitirá atingir o objetivo. Preocupa-se em aprender a aprender, porque sabe que no seu dia a dia será submetido a situações que exigem a constante apreensão de conhecimentos que não estão nos livros. O empreendedor é um fixador de metas;
- Cria um todo próprio de aprendizagem, aprende a partir do que faz;
- Emoção e afeto são determinantes para explicar o seu interesse, aprende indefinidamente;
- Tem alto grau de “internalidade”, o que significa a capacidade de influenciar as pessoas com as quais lida e a crença de que pode mudar algo no mundo;
- Não é um aventureiro, assume riscos moderados. Gosta do risco, mas faz tudo para minimizá-lo;
- É inovador e criativo;
- Tem alta tolerância à ambiguidade e à incerteza e é hábil em definir a partir do indefinido;
- Mantém um alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidades de negócios.

Confira mais informações, acessando os cursos da área Educação Infantil.

Por Andréa Oliveira.

Faça já o Download Grátis
Faça já o Download Grátis LDB Completa e Atualizada

Basta preencher os campos abaixo para receber o material por e-mail:

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Hélio Eustaquio Gomes Junior

31 de mar de 2016

Boa noite! Conteúdo explicativo e interessante. Foi útil para mim estou pesquisando a respeito e agregou valor ao meu conhecimento. Obrigado!

Resposta do Portal Cursos CPT

1 de abr de 2016

Olá Hélio,

Ficamos muito felizes que tenha gostado do nosso conteúdo. Constantamente publicamos novos conteúdo que também podem ser de seu interesse.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!