Criação de marrequinhos

A marreca não choca os seus ovos, portanto, os ovos devem ser incubados artificialmente

A fase inicial dos marrequinhos vai do 1º dia até, aproximadamente, o 21ºdia de vida. Foto: reprodução

A criação de marrecos pode ser realizada em três fases: fase inicial (que vai do 1º dia até, aproximadamente, o 21ºdia); fase de crescimento (do 21º até o 40º dia) e a fase final ou a fase de engorda (do 40º dia até o momento do abate). O abate normalmente é feito entre o 49ºe 50º dia, quando o animal apresenta em torno de 2,8 kg. Uma modalidade de engorda bastante praticada pelos produtores de marreco é por meio de consórcio, que pode ser feito marreco-arrozeira-peixe, marreco-peixe ou simplesmente marreco-arrozeira.

Reprodutores

 

Ração

 

Os reprodutores são importados de países como a Hungria e a Inglaterra, pois, no Brasil, não existe material genético de qualidade. Os cuidados iniciais com as aves que se destinarão à reprodução são os mesmos com as aves para engorda. Entre o 50º dia e o início da produção, a ração a ser utilizada deve conter 86,58 % de matéria seca, 8,94 % de proteína digestível, 6,61 % de fibra, 3,12 % de gordura, 2.450 kcal de energia metabolizável, 0,58 % de cálcio e 0,62 % de fósforo.

 

A ração fornecida deverá ser, de preferência, peletizada, já que estas aves têm dificuldade de apreender ração do tipo farelada e, consequentemente, ocorrem maiores perdas e permanência de um maior tempo no processo de ingestão de ração, além da situação desconfortável que a ração farelada determina ao ficar aderida às papilas laterais internas ao bico da ave.

 

Iluminação

 

O programa de iluminação deverá ser obedecido, o que estabelece um lote de estação e fora de estação, ou seja, o primeiro, quando o período coincide com o período de luminosidade decrescente, e o segundo, quando este mesmo período coincide com o período de luminosidade natural crescente.

 

Isto significa que, no primeiro caso, não há necessidade de qualquer programa de iluminação artificial, no período de recria (apenas luz natural), mas, no segundo caso, é necessário fornecer 14,30 horas de luz, por dia, a partir da 10ª semana até a 18ª semana. A partir desta data, independente do período de nascimento, deverá ser fornecido incremento luminoso até o plantel receber um total de 17-18 horas de luz por dia para que a produção seja máxima.

 

A iluminação artificial deve prover, no mínimo, 22 lúmens, ao nível das aves, para que o mecanismo hormonal relacionado à produção de ovos possa ser ativado. As matrizes apresentam maturidade sexual em torno de 26 semanas (seis meses), com cerca de 3,1 kg.

 

A necessidade de machos está em torno de um macho para cada quatro fêmeas. Foto: reprodução 

Acasalamento

 

A necessidade de machos está em torno de um macho para cada quatro fêmeas. Próximo ao início de produção, o plantel deverá ser transferido para o galpão de produção, sendo este provido de ninhos (um para cada quatro fêmeas) situados ao nível do solo. Qualquer altura acima do piso tornaria difícil o acesso da fêmea ao ninho.

 

Externo ao galpão de produção, como área do referido galpão, é necessário existir uma canaleta d’água, pois o acasalamento ocorre quase na totalidade dentro da água, facilitando a procriação.

 

Produção de ovos

 

Cada fêmea produz cerca de 220 ovos por ano, com um peso médio de 80 a 90 gramas. Os ovos devem ser colocados em recipientes adequados para tal, com o objetivo de minimizar as perdas, principalmente, no que se refere a ovos quebrados e/ou trincados. Estes deverão ser desinfetados após a coleta. De 220 ovos produzidos, por ave, originam-se 172 marrequinhos. O rendimento médio da eclosão é de 72 %.

 

Descarte da aves improdutivas

 

"Após o plantel ter chegado à idade de 40 semanas, é necessário efetuar o descarte de aves improdutivas. Para tanto, é avaliada, individualmente, a abertura entre os ísquios das fêmeas, sendo consideradas improdutivas as que apresentarem abertura óssea inferior a três dedos", afirma o professor Dálcio Ricardo de Andrade, do curso Criação de Marrecos, elaborado pelo CPT - Centro de Produções Técnicas.

Da mesma forma, é conveniente que seja feita a retirada de machos com aspecto irregular (tamanho, apresentação e comportamento), considerando que estes estejam deixando a desejar como reprodutor. Tanto as aves improdutivas, como os machos com aspecto irregular, deverão ser retirados do plantel e vendidos para o consumo.

 

Incubação

 

A marreca não choca os seus ovos, portanto, os ovos devem ser incubados artificialmente. O ovo incubável deve ser estocado a uma temperatura não superior a 23ºC, pois temperaturas acima deste limite possibilitam a retomada do desenvolvimento embrionário, o que é prejudicial, pois determina a mortalidade embrionária. A estocagem não deve ser superior a sete dias.

 

O cuidado com o ovo incubável deve ser rigoroso, pois, no momento de postura, este ovo fecundado apresenta no seu interior um embrião com 256 células. Este, sensível à variação de temperatura, a batidas, a movimentos bruscos e ao tempo de estocagem.

 

Quando incubados, as máquinas de incubação fornecem calor necessário, bem como ventilação, umidade e viragem (esta ocorre de hora em hora) para evitar a aderência do embrião à lateral da casca.

 

Os ovos de marreca necessitam de resfriamento durante o período de incubação. Para isto, retiram-se os carrinhos com as bandejas de ovos do interior da incubadora e deixa-os a uma temperatura ambiente de, aproximadamente, 30ºC. Este processo inicia-se na segunda semana e vai até o 22º dia. No 23º dia, estes ovos são transferidos para o nascedouro. Sua eclosão ocorre após 28 dias e 8 horas de incubação.

 

Para facilitar o processo de eclosão, é aconselhável pulverizar os ovos com água a 37-38ºC a partir do início do processo de eclosão (quando o embrião começa a bicar a casca).

 

Para uma incubação eficiente, são necessárias algumas observações no material a ser utilizado como:

 

- Qualidade do plantel reprodutor (relação macho/fêmea, estado nutricional, qualidade da casca e sanidade das matrizes) ;

- Qualidade do equipamento de incubação (para impedir uma temperatura desfavorável e proporcionar uma ventilação correta para o desenvolvimento embrionário);

- A temperatura ótima está em torno de 37,5 ºC, sendo permitida uma pequena oscilação para, mais ou menos, 0,2ºC.

Confira mais informações, acessando os cursos da área Avicultura.

 

Por Andréa Oliveira

Cursos Relacionados

Curso Criação de Frango e Galinha Caipira Curso Criação de Frango e Galinha Caipira

Com Prof. Dr. Luiz Albino

R$ 475,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,58 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Criação de Marrecos Curso Criação de Marrecos

Com Prof. Dr. Dálcio de Andrade

R$ 365,00 à vista ou em até 12x de R$ 30,42 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Produção de Frango de Corte em Alta Densidade Curso Produção de Frango de Corte em Alta Densidade

Com Prof.ª Ilda Tinôco

R$ 468,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Galinhas Poedeiras Cria e Recria Curso Galinhas Poedeiras Cria e Recria

Com Prof. Dr. Júlio Puppa

R$ 475,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,58 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Galinhas Poedeiras - Produção e Comercialização de Ovos Curso Galinhas Poedeiras - Produção e Comercialização de Ovos

Com Prof. Dr. Júlio Puppa

R$ 475,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,58 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Como Montar e Operar um  Pequeno Abatedouro de Frangos Curso Como Montar e Operar um Pequeno Abatedouro de Frangos

Com Prof. Dr. Luiz Albino

R$ 468,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

luciano s araujo

28 de ago de 2017

Gostei. Como reproduzir e como criar?

Resposta do Portal Cursos CPT

28 de ago de 2017

Olá, Luciano.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Nossas consultoras entrarão em contato com mais informações sobre o Curso Criação de Marrecos.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

julio cesar

8 de ago de 2017

eu tenho uma marreca chocando ja tres semana

Resposta do Portal Cursos CPT

8 de ago de 2017

Olá, Julio. 

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

luciano s araujo

10 de jan de 2013

Gostei. Como reproduzir e como criar?

Resposta do Portal Cursos CPT

11 de jan de 2013

Olá, Luciano! 

Ficamos felizes por sua visita e comentário em nosso site.

A criação de marrecos é simples e rentável, e pode ser desenvolvida em locais pequenos e em qualquer região do país.

Em relação a sua criação existem duas maneiras de se realizar.

A criação natural, durante os 8 primeiros dias, os marrequinhos ficam com a choca, bem abrigados do frio e da chuva, em um lugar protegido. Depois disso, até o 15º dia, saem quando o tempo está bom. Passando este período, eles gozam de toda a liberdade.

Já na criação artificial, o manejo dos marrequinhos é um tanto diferente do método natural ou doméstico. Os marrequinhos depois da 24h ou 36h que devem passar em jejum, são levados à criadeira, onde recebem a primeira refeição.

A criadeira é um cômodo de paredes bem fechadas, sem frestas, dentro do qual se instala fonte adequada de calor, do tipo das que usam para criação de pintos. A ventilação pode ser feita por meio de janelas de vidro, cuja abertura se regula de acordo com as necessidads. 

Quanto a alimentação, após as seis semanas estão prontos para receber ração de engorda, que pode ser formada por arroz cozido, batatas cozidas e fubá, tudo misturado com leite desnatado.

Para reprodução, a necessidade de machos está em torno de um macho para cada quatro fêmeas, sendo que, próximo ao início de produção, o plantel deverá ser transferido para o galpão de produção, sendo este provido de ninhos (um para cada quatro fêmeas) situado ao nível do solo, sendo que qualquer altura acima do piso tornaria difícil o acesso da fêmea ao mesmo.

Externo ao galpão de produção, como área do referido galpão, é necessário existir uma canaleta d'água, pois o acasalamento ocorre quase na totalidade dentro da água, facilitando a mesma. 

Para mais informações o CPT – Centro de Produções Técnicas possui o curso Criação de Marrecos.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Avicultura

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade