WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Energia sustentável tem oferta ampliada com sebo bovino

Bagaço de cana, dejetos de suínos e aves, e os resíduos de origem silvícola e agrícola são outras matérias-primas para produção de biocombustíveis

O que consolidou a gordura do boi como uma das principais matérias-primas foi sua viabilidade econômica.

O que consolidou a gordura do boi como uma das principais matérias-primas foi sua viabilidade econômica.

O uso do sebo bovino na produção de biodiesel favorece o Decreto  nº 7.404, que regulamenta a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Aumentar a oferta de energia no país com o aproveitamento de biomassa, matéria orgânica de animais e vegetais, é uma das ações previstas no mesmo. No ano de 2010, a gordura bovina correspondeu a cerca  de 15% do biocombustível fabricado no Brasil.

O coordenador-geral de Agroenergia do Ministério da Agricultura, Denilson Ferreira, ressalta que   “além de ser baseada nos critérios de sustentabilidade, a energia gerada por meio da biomassa pode garantir renda para os agricultores, já que o nosso país tem potencial para produção de energia a partir de resíduos gerados pelas atividades agrícola, pecuária e silvícola”.

Além da produção do combustível, a utilização da matéria orgânica contribui na redução da emissão de gases que provocam o efeito estufa. Outras matérias-primas são o bagaço da cana, correspondendo a 13% da energia gerada; dejetos de suínos e aves, para geração de biogás; e resíduos de origem silvícola e agrícola, como a casca de arroz.

O que consolidou a gordura do boi como uma das principais matérias-primas foi sua viabilidade econômica. O sebo é mais barato do que o óleo de soja. Pesquisas da Universidade Federal do Rio de Janeiro indicam que são retirados 20 quilos de sebo de cada boi abatido. O Brasil é um dos maiores exportadores de carne e detém o maior rebanho de gado de corte do mundo, com cerca de 200 milhões de cabeças.

De acordo com o professor Dr. Paulo Anselmo Ziani Suarez, no curso Produção de Biodiesel na Fazenda, elaborado e desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas,  “o custo do biodiesel depende do custo da matéria-prima principal. Por isso, o uso de matérias-primas alternativas, são tão vantajosas financeiramente”.

No caso do bagaço da cana, seu aproveitamento foi baseado nos critérios de sustentabilidade e  aumento de competitividade do segmento, que pode suprir a necessidade energética das usinas e vender o excedente para empresas de distribuição de energia.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!