WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cana-de-Açúcar é modificada geneticamente na busca por mais etanol

O desafio mundial é procurar culturas que reduzam a emissão de gases causadores do efeito estufa

 

É importante lembrar do desequilíbrio ambiental gerado por várias culturas destinadas à produção de biocombustíveis.

 

Pesquisadores brasileiros estudam meios para gerar um novo tipo de cana. A ideia é que a planta tenha mais fibra e menos sacarose, o que propiciará a produção de etanol celulósico. O desafio biotecnológico ainda não está no campo, mas já é conhecido como “cana-energia”.

O processo consiste na modificação genética da cana-de-açúcar até que se consiga otimizar a sacarose para a produção de biomassa (matéria orgânica vegetal). Os cientistas dizem que será necessário reprogramar a maneira como o vegetal distribui os carboidratos que produz via fotossíntese.  Depois de ser sugado da atmosfera e fixado quimicamente na forma de carboidratos, esse carbono, proveniente do CO2, pode seguir dois caminhos: síntese de sacarose ou síntese de celulose.

Pesquisadora do projeto, Glaúcia Souza explica que anteriormente as variedades selecionadas para o cultivo eram aquelas que direcionavam a maior parte do carbono para a síntese de sacarose. Agora, com o etanol celulósico despontando no horizonte, a prioridade é outra. "Antes, quando aparecia uma cana parruda, com muita fibra e pouco açúcar, a gente jogava fora. Hoje, são justamente essas variedades que procuramos", completa a pesquisadora que coordena o Programa de Bioenergia da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Para Patrícia Tristão, tutora do Portal de Informações do CPT – Centro de Produções  Técnicas, “o importante é lembrar do desequilíbrio ambiental gerado por várias culturas destinadas à produção de biocombustíveis. O prêmio Nobel de Química, em 2007, foi dado ao alemão Paul Crutzen por concluir que a cultura da cana-de-açúcar era, até aquele momento, a única que não agrava o aquecimento global”.

O debate sobre o uso de biocombustíveis está cada vez mais em voga, pois é sabido que os combustíveis fósseis, os mais utilizados, são finitos e as reservas terrestres só tendem a diminuir e terminar.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!