WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cascos de cavalos regeneram? Eles voltam a crescer?

Cascos de cavalos regeneram? Eles voltam a crescer? Sim, regeneram! O crescimento do casco acontece porque as células do corpo mucoso proliferam de maneira contínua

Cascos de cavalos regeneram? Eles voltam a crescer?   Artigos Cursos CPT

 

Cascos de cavalos regeneram? Eles voltam a crescer? Sim, regeneram! O crescimento do casco acontece porque as células do corpo mucoso proliferam de maneira contínua e vão se queratinizando, de tal maneira, que a córnea vai se renovando sem cessar, por justaposição de novos elementos.

“Cada nova camada de córnea que se forma empurra a camada formada antes, determinando o crescimento do casco. Esse crescimento se processa de cima para baixo e é de 8,5 milímetros por mês, no cavalo. No fim de um ano, os talões terão crescido um centímetro mais que a pinça”, afirma Orlando Marcelo Vendramini, professor do Curso a Distância CPT Aparação de Cascos, Correção de Aprumos e Ferrageamento de Cavalos, em Livro+DVD e Online.

Nos muares, o crescimento do casco é de 6,6 milímetros por mês e, ao fim de um ano, a pinça terá crescido um centímetro mais que os talões.

O casco possui, ainda, a capacidade de regeneração (queratogênese), ou seja, a formação de novo tecido córneo para reparar uma porção do casco que foi destruída acidental ou experimentalmente. Para se ter uma ideia: a renovação total da córnea se faz em nove a dez meses na região da pinça e em três a quatro meses nos talões, sendo um pouco mais rápida nos pés traseiros.

Alguns fatores influenciam nessa regeneração:


♦ Raça - nos cavalos de raça fina, a regeneração do casco é mais rápida;
♦ Idade - a regeneração é mais rápida na idade jovem;
♦ Exercício - o exercício ativa a regeneração (ou o crescimento do tecido córneo que também é conhecido como queratogênese) por estímulo direto dos órgãos encarregados da formação da córnea e por acarretar o aumento do extravasamento do plasma sanguíneo;
♦ Comprimento do casco - o excesso de casco se opõe à descida das camadas de nova córnea, acarretando compressão da matriz;
♦ Mau ferrageamento - a má ferragem, quando influi de uma maneira desfavorável sobre a nutri
ção do pé, fatalmente prejudicará o crescimento;
♦ Aprumos - em um cavalo mau aprumado, o crescimento da camada córnea é maior nas
regiões que sofrem menos peso;
♦ Inflamação do Bordalete - os estados congestivos do bordalete aumentam sua atividade funcional, observando-se um engrossamento da parede;
♦ Manqueiras - na manqueira, a falta de atividade da extremidade locomotora (pé), é seguida de um
a diminuição do crescimento do casco, por falta de estímulo do bordalete;
♦ Alimentação - os efeitos de uma alimentação abundante se refletem sobre todas as funções orgânicas, inclusive a queratogênese.

Uma outra característica que o pé ainda possui é a elasticidade. Por isso, é que ele sofre deformação quando está sob pressão do peso do corpo e recobra a sua forma e volume naturais quando deixa de suportar a dita pressão.

As partes responsáveis pela elasticidade do pé são a almofada plantar que recebe diretamente a pressão, as fibrocartilagens laterais e a caixa córnea (casco). Das inúmeras experiências feitas para comprovar a elasticidade do pé, podemos deduzir o seguinte:


- A elasticidade se manifesta, de uma forma, pela separação dos talões e de outra, pela descida da sola e da ranilha, quando o pé se apoia no solo.

- Quando a dilatação dos talões é grande, a descida da sola é pequena e vice-versa. Isso quer dizer que quando a ranilha está bem apoiada no solo ou na ferradura, a separação dos talões é maior e a descida da sola é menor. No caso contrário, quando a ranilha está sem apoio, a separação dos talões é pequena e a descida da sola é maior.

- O abaixamento da sola é maior no centro que na periferia e é maior nas marchas rápidas que nas lentas.

- Quando cessa o apoio e com ele a pressão do peso do corpo, a caixa córnea recobra sua forma e volume primitivos.

O apoio da ranilha é muito importante para a nutrição do pé. Quando esse apoio é firme, a almofada ou coxim plantar fica entre duas pressões e, sendo comprimida, impulsiona o sangue para todas as direções. Sem encontrar resistência por parte da ranilha, o coxim plantar, recebendo apenas a pressão de cima, cede e se abaixa, com prejuízo da circulação do pé.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Aprumo perfeito no levantar dos pés de cavalos. O que isso significa?
- Quando e como o pé de um cavalo está em aprumo perfeito, você sabe?

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT, em Livros+DVDs e Cursos Online, da área Criação de Cavalo.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!