WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Potros recém-nascidos: o que fazer e cuidados iniciais

Salvar a vida de um potro pode ser uma questão de horas, ou seja, se não houver interferência logo após a constatação de sintomas indicativos de que algo não vai bem, o risco de morte será alto

Potros recém-nascidos: o que fazer e cuidados iniciais   Artigos Cursos CPT

 

Os potros recém-nascidos, também chamados de neonatos, são frágeis e susceptíveis a doenças. “O diagnóstico de problemas nessa categoria animal deve ser rápido e a ação imediata”, afirma Haroldo Vargas Leal Júnior, professor do Curso a Distância CPT Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Equinos. Salvar a vida de um potro, na maioria das vezes, pode ser uma questão de horas, ou seja, se não houver interferência logo após a constatação de sintomas indicativos de que algo não vai bem, o risco de morte será alto.

O que observar nos potros e potras recém-nascidos


I- Mamadas
Ao avaliar um potro recém-nascido, deve-se primeiramente saber que até três dias de idade ele apenas visualiza vultos, ou seja, acompanha sua mãe pelo olfato e por seus movimentos. Logo após o nascimento, é necessário observar se as tetas do úbere da mãe estão brilhantes. Isto é um indicativo de que o potro mamou, pois retirou uma pequena camada de crostas que protegem os tetos. Observar, também, os intervalos de mamadas e, olhando para a borda inferior do pescoço, verificar se está havendo deglutição.

A ingestão do colostro deve ocorrer até seis horas depois de nascido. Caso seja constatado que o potro não mamou o colostro, deve-se ajudá-lo, posicionando-o próximo à mãe e, se preciso, ajudá-lo a pegar o peito. Se ainda assim ele não mamar, ordenhar a égua, oferecer o colostro na mamadeira e chamar o Veterinário. Potros saudáveis mamam pelo menos uma vez a cada 30 min. O colostro transmitirá imunidade ao potro e a maior taxa de absorção das imunoglobulinas, responsáveis pela defesa do organismo, ocorre até 6 h de nascido. Este colostro tem efeito laxativo.

II- Defecação
Poucas horas após o nascimento, ele deverá defecar uma massa escura e pegajosa, diferente das fezes, chamada mecônio. Raramente, poderá ocorrer a retenção do mecônio, ou seja, ele não defecá-lo. Os sintomas característicos são inquietação, olhar para o flanco, movimentos constantes com a cauda e tentativas de defecar sem sucesso. Nesse caso, é recomendável aplicar Fleet Enema ou Glicerina, usando uma pequena sonda no reto do animal. Em poucos minutos ele defecará.

III- Comportamento
É também fundamental observar o comportamento do potrinho em todas as suas fases. Potros são espertos, alegres, ativos e brincalhões. Caso observe apatia, preste atenção redobrada e observe seu estado geral. Verifique a temperatura retal usando um termômetro.

IV- Mucosas
Observe se as mucosas estão muito avermelhadas, pálidas, amareladas, arroxeadas ou normais. Em caso de dúvida, compare com a de outros potros. No caso de fêmeas, observe também a mucosa vaginal.

V- Temperatura
Caso observe temperaturas baixas aqueça o potrinho imediatamente e chame o Médico Veterinário, com caráter de absoluta urgência. Em caso de febre, aplique um supositório de Novalgina e avise ao Veterinário.

Outros sinais importantes a serem observados em potros:


♦ Consistência das fezes.
♦ Grau de hidratação.
♦ Nistagmo = se está rodando o olho.
♦ Se está deglutindo o leite ou se há refluxo.
♦ Se urina normalmente.
♦ Se os cascos estão bem formados.
♦ Se o parto ocorreu no período previsto.
♦ Se logo após o parto a mãe apresentou os flancos e as cochas sujos ou muito molhados.
♦ Se há sinais de traumatismo na vagina da mãe.
♦ Se o potro recém-nascido era muito grande.
♦ Se a égua era primípara (primeiro parto).

Para potros de uma semana, vale lembrar que a diarreia no cio do potro é normal, desde que esse potro não tenha febre, não esteja apático e se estiver bem hidratado. A cura do umbigo deve ocorrer logo após o nascimento e continuar sendo feita diariamente por 3 ou 4 dias, usando tintura de iodo de 4 a 5%, molhando-se apenas o cordão umbilical. O uso de “potes de filmes” para colocar o Iodo é uma boa dica.

Potros, a partir da segunda semana, podem ser acometidos principalmente por diarreias, doenças respiratórias e acidentes traumáticos. Por ainda não terem experiência de vida e serem brincalhões, o índice de acidentes com estes animais é alto. Por isto evite ao máximo levá-los ao curral (a região mais contaminada da fazenda) e deixe-os em pastos ou piquetes com cercas seguras.

Não se esqueça de que o comportamento da égua mãe, se possui boa habilidade materna e se é uma boa produtora de leite, é determinante para a saúde de seu filho. Avalie cuidadosamente o comportamento dos potrinhos com frequência, se têm alterações de volume nas articulações e no umbigo, se possuem membros com angulação normal e não se esqueça: Potros precisam de ação rápida em caso de suspeita de doenças. Caso contrário, se você “deixar para depois”, poderá ser muito tarde. Evite medicar potros aleatoriamente. Siga as medicações prescritas por um clínico especialista. Erros de medicação em potros podem ser fatais.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


Soroterapia em cavalos adultos e potros: como fazer
- Diarreia em potros: o que fazer e como hidratar

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT da área Criação de Cavalos.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!