Aplicação econômica de adubos: aprenda como fazer!

Para conseguir o retorno econômico desejado é preciso compreender como manejar a fertilidade do solo e usar, de forma vantajosa, os corretivos e fertilizantes

Tradicionalmente, o aumento da produção agrícola no Brasil acontecia quase que exclusivamente com a expansão de sua fronteira agrícola. Em anos mais recentes, a escassez das terras de maior fertilidade vem forçando o processo produtivo incorporar solos mais pobres, como os do cerrado.

Este fato, aliado à exaustão natural da fertilidade dos solos que há décadas vêm sendo explorados, contribui para justificar os expressivos aumentos no consumo de fertilizantes registrados no Brasil, nos últimos anos.

“Por isso, há a necessidade de se determinar o melhor uso de corretivos e fertilizantes para melhor produção e produtividade agrícola; ou seja, o uso racional e eficiente dos mesmos”, afirmam os professores José Stanley Oliveira Silva e Jaime Barros da Silva Fialho, do curso Aplicação Econômica de Adubos, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

O Brasil apresenta altas taxas de crescimento da população e tal crescimento vem exigindo aumentos na produção de alimentos. Apontam-se, geralmente, duas opções para o aumento da produção de alimentos: aumento da produção pela expansão da fronteira agrícola e aumento do rendimento (produtividade) por hectare cultivado.

adubação

A adubação tem como objetivo principal manter ou aumentar a quantidades de nutrientes do solo

A adubação tem como objetivo principal manter ou aumentar a quantidades de nutrientes do solo, de tal forma que as suas deficiências, em virtude da natureza do material de origem, do clima e do manejo, sejam resolvidos.

Para conseguir o retorno econômico desejado é preciso compreender como manejar a fertilidade do solo e usar, de forma vantajosa, os corretivos e fertilizantes. O uso eficiente de fertilizantes começa com a correção do solo, principalmente de sua acidez (calagem).

Também é preciso considerar outros fatores que afetam o desenvolvimento das culturas, tais como propriedades físicas do solo, disponibilidade de água durante o ciclo das culturas, potencial de produtividade das cultivares e outros aspectos do manejo que afetam a produção.

Para a produção agrícola, são adicionados nutrientes através de fertilizantes nas áreas de produção. Por outro lado, nutrientes são removidos através da produção agrícola, com exportação via material colhido, como grãos, frutos, material vegetal. É necessário portanto, uma recomendação adequada de adubação, visando uma melhor eficiência econômica dos adubos.

Para a produção agrícola, são adicionados nutrientes através de fertilizantes nas áreas de produção

Para a produção agrícola, são adicionados nutrientes através de fertilizantes nas áreas de produção

Adubação orgânica
A adubação orgânica pode ser compreendida como a utilização de resíduos orgânicos de origem animal, vegetal, agroindustrial e outros, com o fim de aumentar a quantidade de nutrientes do solo e melhorar as características físicas (estrutura do solo).

- Vantagens da adubação orgânica
Pode-se citar algumas vantagens dessa adubação: Eleva a capacidade de troca de cátions, principalmente nos solos altamente degradados ou arenosos. Auxilia na formação da estrutura física do solo. Aumenta a capacidade de retenção de água. Contribui para a diminuição da fixação do fósforo no solo. Age como substrato.

- Eficiência da adubação orgânica
Para aumentar a eficiência da adubação orgânica deve-se levar em conta o processo de “cura”, que é essencial quando se usam os estercos e compostos. Tal processo tem como finalidade obter matéria orgânica homogênea, bem estruturada, livre de cheiro desagradável, sem sementes de pragas e agentes causadores de doença, com relação ideal de carbono e nitrogênio, e mineralização dos elementos nutricionais.

Adubação verde
A adubação verde consiste em cultivar plantas com a finalidade de, geralmente, incorporá-las ao solo. Normalmente, as plantas preferidas para tal fim são as leguminosas, em virtude do seu grande rendimento por unidade de área, da sua riqueza em nutrientes e do seu sistema radicular bastante ramificado e profundo, o que lhe permite extrair para sua nutrição os nutrientes que se encontram nas camadas subsuperficiais e, principalmente, devido à possibilidade de aproveitamento do nitrogênio atmosférico em simbiose (associação vital de dois seres de espécies diferentes).

- Benefícios da adubação verde

Os benefícios causados por esta prática estão direta ou indiretamente relacionados à fertilidade do solo através das melhorias das condições físicas, químicas e biológicas.

Adubação fosfatada corretiva
É o uso de doses elevadas de fertilizantes fosfatados, industrializados ou naturais, com aplicação a lanço, incorporados com gradagem para elevar o nível de fertilidade natural e tornar mais eficiente as adubações de manutenção. Os Solos com toxidez de alumínio devem receber calagem como primeira prática de manejo.  Para tomada de decisão quanto ao uso ou não dessa prática, deve-se ficar atento aos seguintes aspectos:
- Programação do uso da terra.
- Período, em anos, para atingir as metas de produção desejada.
- Disponibilidade de capital.

Confira mais informações, acessando os cursos da área Agricultura.

adubação

O uso eficiente de fertilizantes começa com a correção do solo, principalmente de sua acidez (calagem)

Por Silvana Teixeira

 

 

Cursos Relacionados

Curso Aplicação Econômica de Adubos Curso Aplicação Econômica de Adubos

Com Prof. Dr. Júlio César Neves

R$ 480,00 à vista ou em até 12x de R$ 40,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Análise de Solo e Recomendação de Calagem e Adubação Curso Análise de Solo e Recomendação de Calagem e Adubação

Com Prof. Eurípedes Malavolta, Prof. Dr. Godofredo César Vitti, Prof. Dr. Heitor Cantarella e outros

R$ 468,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Aplicação de Fertilizantes e Defensivos Via Irrigação Curso Aplicação de Fertilizantes e Defensivos Via Irrigação

Com Prof. Dr. Márcio Mota, Prof. Dr. Rogério Vieira e Prof. Dr. Rubens de Oliveira

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Como Tornar seu Sítio Lucrativo Curso Como Tornar seu Sítio Lucrativo

Com Prof. Renato Bravo

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

jairo de souza depina

9 de ago de 2013

Uma matéria para quem quer ter sucesso em sua propriedade, visito este site é muito bacana as coisas que encontro aqui!

Resposta do Portal Cursos CPT

12 de ago de 2013

Olá, Jairo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Jose Batista Santos

27 de jun de 2013

Boa noite, gostaria de plantar cerca de cem pés de pimenta malagueta em um pedaço de terra, quais as precauções que preciso ter para ter bom resultado econômico deste produto? Sem mais fico no aguardo.

Resposta do Portal Cursos CPT

1 de jul de 2013

Olá, José Batista!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

As pimenteiras não toleram o frio e a geada, desenvolvendo-se bem em regiões de temperatura alta, durante todo o ciclo da planta, sendo a fase de produção a mais exigente em altas temperaturas. Existem diversas epécies de pimentas perenes, ou seja, a planta permanece produtiva por alguns anos seguidos, sem a necessidade de replantio. Nesses casos, na época mais fria, a produção pode cessar e, quando o clima esquentar, a planta volta a florir e a produzir normalmente. Em regiões de clima quente o ano inteiro, como no norte e nordeste, a planta pode produzir o ano todo.

Para a pimenteira, as temperaturas médias mensais ideiais situam-se entre 21ºC a 30ºC, sendo a média das mínimas ideal 18ºC, e das máximas em torno de 35ºC, sendo que temperaturas acima de 35ºC prejudicam a formação dos frutos.

As pimentas são plantas rústicas e se desenvolvem bem em uma grande variedade de solos, mas os mais indicados são os solos profundos, leves, férteis e bem drenados, com pH entre 5,5  a 7,0. A pimenta não tolera solos encharcados, sendo essa umas das principais limitações quanto ao solo a ser utilizado.

Para mais informações o CPT - Centro de Produções Técnicas possui o curso Produção e Processamento de Pimenta.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Anselmo de almeida Junior

12 de mar de 2013

A minha região é muito quente e chove muito pouco, estou querendo plantar aproximadamente 100 mudas de laranja. qual a adubação correta para a plantação de citros. É bom implantar o sistema de gotejamento?

Resposta do Portal Cursos CPT

13 de mar de 2013

Olá, Anselmo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

* Adubos orgânicos na cova: além de fornecerem nutrientes para a planta, favorecem a atividade microbiológica e melhoram a capacidade de retenção de água pelo solo, condições que podem beneficiar o estabelecimento e desenvolvimento do sistema radicular.

Pode-se aplicar, por cova, de 10 a 20 litros de esterco de bovinos ou 5 a 10 litros de esterco de aves ou ainda 1 a 2 litros de torta de mamona. Juntamente com o adubo orgânico adicionar até 200 g de superfosfato simples, se houver recomendação de adubação fosfatada para o pomar.

As quantidades desses fertilizantes orgânicos recomendadas por planta adulta estão em torno de 20 a 60 litros, equivalentes a 20 a 60 kg de N, 12 a 36 kg de P2O5 e 20 a 60 kg de K2O por hectare, ou seja, metade das doses recomendadas desses nutrientes.

* Adubação de plantio: deve-se realizar a aplicação localizada, no sulco ou cova de plantio, de calcário e adubos fosfatados, usando-se preferencialmente superfosfato simples, de acordo com os teores no solo. Em pomares com solos deficientes em boro (abaixo de 0,2 mg/dm3)e zinco(abaixo de 1,2 mg/dm3, é recomendado a aplicação de 1g de B e 2g de Zn por metro linear de sulco no plantio respectivamente nas formas de ácido bórico, bórax ou similar e sulfato de zinco ou outra fonte similar, podendo ambos, serem misturados e aplicados juntamente com o fertilizante fosfatado.

* Adubação de formação: inicia-se após o pegamento das mudas até a idade de cinco anos. As doses de adubos dependem da idade das plantas e dos teores de nutrientes revelados pela análise de solo. Exclusivamente para a variedade Valência, a partir do 3º ano, as doses de potássio são reduzidas em 20%, a fim de garantir melhor qualidade dos frutos. Pode ser utilizados fertilizantes simples, formulações comerciais ou ainda combinações de ambos, atentando que a aplicação de uréia em solo úmido seguido de período de estiagem de três ou mais dias, está sujeita à perdas de nitrogênio por volatilização da amônia. Não é recomendado a incorporação com gradagem devido ao excessivo corte de raízes.

* Adubação de produção: a partir do sexto ano de idade, as recomendações podem também levar em consideração a variedade, produtividade esperada, teores de nutrientes no solo e nas folhas visando boas produções e qualidade dos frutos.

* Épocas e parcelamento de adubação

A utilização dos fertilizantes pelos citros é melhorada com o parcelamento, onde estes são dispostos em quantidade e épocas favoráveis à absorção, preferencialmente quando houver umidade no solo (março e agosto) ou durante o ano todo em pomares irrigados.

* Localização dos fertilizantes

Uma melhor eficiência da adubação é alcançada com a localização adequada dos fertilizantes em relação ao sistema radicular mais eficiente em absorção.

* Adubação com micronutrientes: a aplicação dos micronutrientes como: boro, manganês e zinco nos citros serão feitas no solo e/ou via foliar. Normalmente o manganês e o zinco são aplicados via foliar (pulverização) e o boro via solo, onde tem evidenciado maior eficiência. Nas aplicações foliares a inclusão da uréia e cloreto de potássio funcionam como coadjuvantes na absorção dos micronutrientes. A época mais adequada para a adubação foliar é o período de vegetação das plantas, parcelando-se em 3 a 4 aplicações. Na fase de produção, a primeira aplicação ocorre na fase final do florescimento aproveitando o tratamento fitossanitário e a segunda no fluxo de vegetação de janeiro a fevereiro. Em pomares com sintomas intensos de B, aplicar no solo 2kg de B/ha, como ácido bórico, em duas aplicações anuais. De preferência, aplicar os micronutrientes após a floração de março/abril com o objetivo de evitar o desequilíbrio populacional do ácaro da ferrugem dos citros.

* Adubação orgânica: a adubação orgânica é recomendada para citros e deve ser implementada, utilizando fonte e doses de orgânicos que não poluam o ambiente dos pomares.

* Adubação verde: os adubos verdes podem ser utilizados em pré e pós-plantio dos citros, dando preferência ao sistema de plantio direto, ficando o material cortado sobre a superfície do solo.

(Fonte: Embrapa)

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Agricultura

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade