Ligue Agora (31) 3899-7000 WhatsApp (31) 99294-0024
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Sistema digestivo dos peixes

Conheça as principais características do sistema digestivo dos peixes

Nos peixes existem adaptações estruturais para a captura, ingestão e digestão dos alimentos.

Nos peixes existem adaptações estruturais para a captura, ingestão e digestão dos alimentos.

A grande diversidade das espécies apresenta diferentes hábitos alimentares, exibindo características morfo-fisiológicas que ensejam a sua adaptação evolutiva aos diversos habitats. Assim, nos onívoros existem adaptações estruturais para a captura, ingestão e digestão dos alimentos.

Essas adaptações são caracterizadas principalmente pela morfologia do canal alimentar e também pela produção de enzimas digestivas que estão relacionadas diretamente com os hábitos alimentares de cada espécie.

- boca e cavidade bucal: a boca está geralmente situada na extremidade anterior dos peixes, abaixo das narinas e paralela ao seu eixo longitudinal, adaptada para apreender o alimento. Em espécies que ingerem os alimentos do fundo, a boca é frequentemente localizada ventralmente, como nos cascudos, por exemplo, ou apresentam adaptações nos lábios para facilitar a apreensão dos alimentos.

Quando os alimentos são retirados na parte superior da coluna d'água, a boca se localiza na extremidade anterior do corpo. O tamanho da boca parece relacionar-se à dimensão da partícula. Pelo comprimento de suas mandíbulas, os carnívoros apresentam os maiores valores.

Os peixes têm vários tipos de dentes. Os carnívoros geralmente apresentam mandíbulas bem desenvolvidas providas de dentes bem afiados. Já os herbívoros apresentam pequenos dentes esofagianos capazes de triturar material fibroso. Os onívoros, com tendência a frugívoros, possuem grandes e fortes dentes mandibulares para quebrar e triturar sementes e frutos. Há ainda aqueles que não apresentam dentes, mas estruturas especiais nos lábios e arcos branquiais capazes de sugar e filtrar pequenas partículas do fundo, da superfície e da coluna da água, como é o caso dos iliófagos e planctófagos.

- estômago: da boca, o alimento passa para a faringe e então para o esôfago. Nas espécies predadoras, o esôfago é capaz de grande distensão para facilitar a passagem da presa para o estômago.

Neste, também se encontram várias adaptações, uma das quais é a forma. Nos carnívoros e ictiófagos, o estômago é tipicamente muito alongado, com grande capacidade de distensão. Algumas espécies conseguem regurgitar grandes itens alimentares, quando ainda no estômago, com muita facilidade, o que é possível pelo pronunciado desenvolvimento de músculos estriados na parede do esôfago que se estendem até o estômago. As espécies herbívoras apresentam o estômago quase sempre pequeno e, em alguns, ausentes, como é o caso dos ciprinídeos. Nos onívoros, apresenta-se em forma de saco, lembrando o do homem.

- intestino: é onde efetivamente ocorre o processo digestivo. Apresenta muitas variações quanto ao tamanho e a forma. Nos carnívoros normalmente são pequenos, enquanto nos herbívoros são de maior tamanho, podendo chegar a ser de  2,5 a 5,0 vezes o comprimento do corpo. Ainda no intestino, e preso ao mesmo, podem haver cecos pilóricos em quantidades variadas. Estes são considerados dilatações da superfície intestinal com estrutura histológica comparável à do intestino delgado que produzem enzimas proteolíticas. Na terminação do intestino, no reto, forma-se o esfíncter anal, que se abre ao exterior pelo orifício urogenital.

Como glândulas anexas são considerados o fígado e o pâncreas. A forma do fígado varia muito nas distintas espécies piscícolas. O pâncreas não é facilmente distinguido, pois seu tecido encontra-se distribuído de maneira difusa pela região portal.

As espécies carnívoras caracterizam-se por apresentar boca grande e mandíbulas fortes. Os dentes, quando presentes, são pontiagudos e afiados, importantes na captura e corte das presas. Possuem estômago geralmente em forma de “Y” e com ampla capacidade de distensão.

O intestino é um tubo curto, sem diferenciação, podendo em algumas espécies apresentar estruturas em forma de franjas (cecos pilóricos) com função complementar à digestão e absorção intestinal, estando localizados na porção inicial do intestino (piloro). Uma marcante característica das espécies carnívoras é que o comprimento total do trato digestivo (esôfago/ânus) é de 0,6 a 1,0 vez o comprimento do corpo.

- cecos pilóricos: localizam-se logo após o estômago, sendo evaginações da parede intestinal. Nos cecos, quando presentes, é que ocorrem os verdadeiros processos digestórios, sendo que os seguimentos anteriores, geralmente, apenas recebem, transportam e preparam o material para digestão nos cecos que aumentam a habilidade digestiva do intestino. Em função de sua característica anatômica, podem estar presentes em grande número.

 

Aprimore seus conhecimentos.

- Conheça o Curso CPT Nutrição e Alimentação de Peixes.

- Conheça os Cursos CPT da área Piscicultura.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!