WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Como se prevenir das infestações de cupins? Use estratégias

Para se prevenir das infestações de cupins, três estratégias básicas podem ser utilizadas: escape no tempo, barreiras físicas e barreiras químicas

Como se prevenir das infestações de cupins? Use estratégias

O "escape no tempo" consiste em plantar a cultura em questão, fora da época de maior ataque de cupins. Por exemplo, para o caso do eucalipto, uma técnica que tem sido usada com sucesso em algumas regiões do estado de Minas Gerais, é o plantio em época chuvosa. Neste caso, mesmo se há um ataque por cupins, as mudas de eucalipto conseguem se recuperar com maior facilidade do que se o plantio fosse feito durante a época seca, explica o Prof. Dr. Og Francisco Fonseca de Souza, do Curso CPT Controle de Cupins em Áreas Agrícolas.


Como barreiras físicas, várias soluções são possíveis, dependendo da situação específica. Para mudas de eucalipto, por exemplo, a melhor estratégia consiste no plantio em "tubetes", usando viveiros suspensos. Desta forma, dificulta-se enormemente o contato dos cupins com as mudas, evitando-se o ataque sem necessidade de uso de inseticidas.


Sabe-se também que os cupins não conseguem construir canais em solos que apresentem grãos de tamanho intermediário entre o tamanho máximo que os cupins conseguem romper com as mandíbulas; e o tamanho mínimo que permita a manipulação para construção dos túneis.


Assim, recomenda-se construir trincheiras em volta de construções (como se fosse um segundo alicerce circundado toda a estrutura) e preenchê-lo com areia peneirada. O tamanho dos grãos dependem da espécie de cupins a ser eliminada e, para isso, é importante consultar um especialista.
Como regra, usa-se grãos entre 1,6 a 2,4 mm, mas para algumas espécies pode ser necessário usar-se grãos entre 2,4 e 3,0 mm.


Uma variação desta técnica está em uso ultimamente em alguns plantios de cana-de-açúcar, especialmente, no cultivo mínimo. Assim, há quem recomende o uso de sulcos largos e profundos para atrasar o ataque de cupins aos toletes. A ideia aqui é garantir que o tolete esteja protegido por uma camada de solo bastante desestruturado, como se fosse a barreira granulométrica descrita acima. Até que o solo se estruturasse novamente, as plantas jovens já estariam mais desenvolvidas, podendo resistir a um eventual ataque.


A mesma técnica já começa a ser avaliada para o uso em hortaliças como, por exemplo, cultivos de cenoura. Nestes casos, em vez de sulcos profundos, pode-se optar por construir o canteiro sobre uma "cama granulométrica", isto é, uma camada de areia peneirada envolvendo o canteiro por baixo e em todas suas laterais.


As barreiras químicas consistem em se aplicar inseticidas em torno da construção ou peça a ser protegida. Uma variante disso é o tratamento de madeiras, com a impregnação profunda (via diferença de pressão) de peças de madeira com substâncias altamente tóxicas.

Descubra tudo o que o Curso CPT tem a oferecer! Assista ao vídeo!


Conheça os Cursos CPT da área Agricultura.
Por: Thiago de Faria

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!