WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Nutrição de peixes - formas de fornecimento de ração

Nutrição de peixes - formas de fornecimento de ração

 

Existem três maneiras de se fornecer a ração aos peixes: manualmente, pelo uso de comedouros ou de máquinas automáticas. O fornecimento manual é interessante para manter um contato visual com os peixes, no tanque. Observam-se, por exemplo, possíveis problemas de saúde dos animais, porém, requer maior mão de obra, quando comparado ao sistema de comedouros. A alimentação em comedouros pode ser feita em cochos, ou mecanizada, no qual o alimento é lançado por um equipamento acoplado a um trator. Esse método permite uma alimentação rápida de grandes áreas, apesar de limitar o contato entre o tratador e os peixes.

Existem, ainda, os comedouros automáticos, que distribuem a ração de tempos em tempos no tanque, porém, também limitam o contato entre os peixes e o tratador. Esse tipo de comedouro se encontra disponível no mercado, sendo necessário analisar sua relação custo/benefício quando da sua utilização.

Na fase inicial de desenvolvimento dos peixes, recomenda-se o uso de uma ração finamente moída, em função do tamanho da boca do animal. É importante que o alimento seja distribuído de maneira uniforme pelo tanque.

Uma maneira prática de se verificar o consumo dos peixes e a necessidade ou não de aumento da quantidade de alimento fornecido é lançar a ração no tanque (no caso de rações peletizadas ou extrusadas) e observar os peixes se alimentando. Quando começar a sobrar ração na superfície, significa que os peixes estão saciados e que aquela quantidade de ração foi suficiente.

O número de vezes que os peixes devem ser alimentados por dia varia em função da temperatura, da espécie criada, da idade ou tamanho dos peixes e da qualidade da água do tanque. Geralmente, quando a temperatura cai, o consumo de ração é menor e, portanto, o seu fornecimento deve ser menor também.

Assim, na fase de alevinagem, a frequência de alimentação é de duas a três vezes por dia. Já na fase de engorda, essa frequência cai para uma a duas vezes por dia. Para peixes carnívoros, por exemplo, duas alimentações ao dia são suficientes, porém, para peixes onívoros como a tilápia, três alimentações ao dia mostram melhores resultados de desempenho.

A qualidade da água é influenciada pela frequência de alimentação, uma vez que o excesso de ração no tanque provoca diminuição do oxigênio dissolvido na água, prejudicando os peixes. Quanto aos horários de fornecimento de ração, estes variam conforme a espécie de peixe cultivada.

Porém, para espécies de peixes carnívoros e onívoros, recomendam-se as primeiras horas do dia e o entardecer. O ideal é fornecer a ração sempre nos mesmos horários, todos os dias, para que haja um condicionamento dos peixes. É importante, porém, não fornecer alimento aos peixes quando as concentrações de oxigênio estiverem baixas, para não agravar ainda mais a situação.

Para espécies carnívoras ictiófagas, por requererem um treino alimentar específico, é necessária a aquisição de alevinos já adaptados ao alimento seco, devendo ser fornecido preferencialmente à noite. O mais importante é que o tratador seja um bom observador, pois dele irá depender a saúde e o desenvolvimento adequado dos peixes.

Infelizmente, muitos criadores não têm ideia da quantidade de peixes por tanque, o que dificulta os cálculos de quanto oferecer de ração aos peixes, além de inviabilizar possíveis tratamentos no tanque em questão.

Além da quantidade de peixes, também deve-se ter conhecimento sobre o comportamento de cada espécie durante a alimentação, pois existem, inclusive, estruturas hierárquicas em uma população de peixes.

Ainda, para garantir a melhor alimentação ao plantel, deve-se atentar ao armazenamento da ração, cujos cuidados são idênticos àqueles com as rações de outros animais. As embalagens devem ser mantidas em ambiente ventilado, afastadas do sol e de outros animais que possam dela utilizar-se (roedores, por exemplo), e a umidade deve ser evitada a todo custo.

Altos níveis de umidade na ração propiciam o aparecimento de fungos produtores de toxinas (aflatoxina, por exemplo), que são extremamente perigosas aos salmonídeos em particular, produzindo tumores hepáticos.

A aplicação de criações consorciadas (suínos-peixes, aves-peixes), que utilizam dejetos fecais para alimentação dos peixes, não são recomendadas, pois, embora se diminuam os custos com a alimentação da piscicultura, cria-se um problema de Saúde Pública. As fezes irão contaminar a água e, consequentemente, os peixes, que servirão de alimento ao homem.

Além disso, peixes criados com dejetos costumam ter sua carne fétida e friável, em condições totalmente insatisfatórias para consumo humano. Uma das grandes preocupações dos produtores certamente é o custo da ração. Desse modo, a ração dos peixes deve ser o mais barata possível, sempre se levando em consideração sua qualidade, que deve garantir os níveis de desenvolvimento e crescimento do animal. Por outro lado, dietas mais caras proporcionam um melhor crescimento em um menor espaço de tempo, o que em alguns casos resulta em mais economia a longo prazo.

Finalmente, sabemos que peixes mal nutridos podem sofrer de doenças de origem nutricional e, além disso, terão maior propensão a adquirir outras doenças causadas por bactérias, vírus e parasitas em geral, pois esses animais têm baixa resistência a agentes oportunistas.

Assim, o piscicultor que investe em rações de qualidade (desde que estas estejam disponíveis no mercado) só terá a ganhar, aumentando, dessa forma, sua produtividade e produzindo peixes de boa qualidade.

Aprimore seus conhecimentos, acessando os Cursos CPT, da área Piscicultura, elaborados pelo Centro de Produções Técnicas (CPT), entre eles o Curso Nutrição e Alimentação de Peixes.

Por Andréa Oliveira.

Acesse os links abaixo e aprenda mais sobre Nutrição de Peixes:

Alimentação e fatores ambientais

Características dos alimentos

Exigência energética

Exigência proteica

Exigência vitamínico-mineral

Qualidade das rações

Qualidade dos ingredientes da ração

Outras fontes proteicas

Arraçoamento

Faça já o Download Grátis
Faça já o Download Grátis Criação de Peixes em Viveiros Escavados

Basta preencher os campos abaixo para receber o material por e-mail:

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Olivaldo Borralho Miranda

9 de set de 2019

Em um tanque de 6m x 2,5m é possível criar em consórcio quantos tambaquis e quantas tilápias rosadas?

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de set de 2019

Olá Olivaldo Borralho Miranda,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Para o seu caso, o ideal é consultar um técnico especialista em piscicultura, para ele possa dimensionar a quantidade de cada espécie que possibilitará uma criação economicamente viável.

Atenciosamente,
Victor Sampaio

Airton Porto de Sá

23 de jul de 2019

Sou criador de peixes tenho interesse de receber informações queria saber se os cursos podem ser a distância.

Resposta do Portal Cursos CPT

24 de jul de 2019

Olá Airton Porto de Sá,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Ficamos felizes em saber que tem interesse em realizar nossos cursos, todos eles são no modelo Ead. Em breve, uma das nossas consultoras entrará em contato com informações e esclarecimentos em relação aos cursos.

Atenciosamente,
Victor Sampaio

Sonia Maria Orlando

5 de mai de 2018

Bom dia! Gostaria de saber a quantidade de ração diária para alimentar tilapia em torno de 25 grs., em tanque com 4.500 tilapias. Desde já agradeço.

Resposta do Portal Cursos CPT

7 de mai de 2018

Olá Sonia,

Para mais informações cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

FRANCISCO WELINGTON DE SOUSA SILVA

9 de abr de 2018

OLA, BOA TARDE ME TIRA UMA DUVIDA, QUAL A QUANTIDADE DE RAÇÃO DEVO JOGAR PARA MIL PEIXE? E QUANTAS VEZES AO DIA?

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de abr de 2018

Olá Francisco,

Para mais informações sobre nutrição de peixes, cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

antonio roberto gonçalves

12 de fev de 2018

Gostaria de fazer um curso na area de criação de peixe mais detalhes

Resposta do Portal Cursos CPT

14 de fev de 2018

Olá Antônio,

Nossas consultoras entrarão em contato com mais informações sobre os Cursos a Distância na área Piscicultura.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Robson Vinicius

15 de ago de 2017

ola tenho um tanque escavado feito de alvenaria, 4 mts de comprimento 2,5 de largura e 2,00 de fundura, coloque, tem 195 tambaqui e 100 caranha. quero saber e esta quantidade esta de acordo ou posso colocar mais. todo mês faço controle de pesagem, os tambaqui estão com 4 meses esta com 240 a 280 gramas, caranha esta com 3 meses esta com 150 a 200 gramas. sera que estão se desenvolvendo de acordo. ou tem algum outro modo para agilizar a engorda.

Resposta do Portal Cursos CPT

15 de ago de 2017

Olá, Robson.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. A quantidade de peixes é adequada para o tamanho do seu tanque. Porém, seus peixes estão com um peso abaixo do esperado para o tempo de alimentação. Aumente a quantidade de ração e, se possível, a qualidade dos nutrientes oferecidos a eles.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues. 

Liliane Faria Pereira

8 de abr de 2017

Quantos alevinos posso colocar em uma caixa de 3.000 litros de agua, para chegar na fase final?

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de abr de 2017

Olá Liliane,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações recomendamos que entre em contato com um consultor agrícola.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Joan noia Pereira

28 de dez de 2016

Olá vocês poderiam me falar como posso fazer um buraco cm 4mt de largura com 6mt de comprimento cm 50cm de fundura e complementei cm 50cm de alvenaria coloquei uma lona mais meu tilápia ta morrendo eles têm 13cmde tamanho

Resposta do Portal Cursos CPT

29 de dez de 2016

Olá Joan,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Como está a oxigenazão do tanque? A qualidade da água? E a renovação da mesma? Recomendamos que procure um técnico na área para mais informações.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

carlis eduarth c rocha

19 de nov de 2016

Conversao alimentar

Resposta do Portal Cursos CPT

21 de nov de 2016

Olá Carlis,

Para mais informações cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

clarindo j. Endunde

26 de out de 2016

Boa tarde. Queria saber se além do milho, qual outro produto que melhora a ração do peixe? Pode se misturar a soja?

Resposta do Portal Cursos CPT

27 de out de 2016

Olá Clarindo,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. As principais fontes protéicas de uma ração convencional de peixes são o farelo de soja e a farinha de peixe.  

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!