WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Comércio de máquinas e implementos agrícolas tem alta de 15%

Facilidade de crédito e aumento do preço das commodities facilitaram as vendas do setor

 

 Setor de máquinas cresceu 15% no primerio semestre.

De acordo com o presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA), órgão ligado à Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), Celso Casale, as vendas de máquinas e implementos agrícolas subiram 15% no primeiro semestre em comparação ao mesmo período de 2011.

A declaração foi feita durante a Expointer 2012, que acontece no Parque de Exposições de Esteio, no Rio Grande do Sul. Casale informou que o aumento dos preços das commodities, assim como o maior acesso ao crédito pelos produtores rurais, possibilitou o crescimento do setor. Ajudaram também a queda nas taxas de juros e a facilidade de financiamento.

O setor espera que a comercialização das máquinas e implementos continue subindo, tendo em vista que a agropecuária brasileira pode aumentar bastante a produtividade, suprindo a carência de mão de obra no campo.

Mesmo com a expectativa de crescimento, Casale admitiu o receio de que, com a maior facilidade de crédito para o financiamento de máquinas usadas, o setor comece a ter perdas. Segundo ele, os equipamentos usados estão obsoletos. Por isso, não aumentam a produtividade e a política pode atrapalhar a geração de empregos na indústria.

Para Casale, os agricultores familiares devem ser os mais prejudicados, pois são os que mais compram estes equipamentos usados. Eles terão que gastar muito com manutenção, podendo se endividar ainda mais.

O presidente da CSMIA/ABIMAQ explicou que o setor não está sendo afetado ainda, mas pode sofrer no futuro com o chamado custo Brasil, que é a perda de competitividade dos produtos industrializados por causa do alto custo de produção. Contribuem para isso as altas taxas de juros, o valor das tarifas de energia e outros fatores, que fazem as máquinas brasileiras custarem até 40% a mais no mercado externo.

Por: Maria Clara Corsino.

 

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!