WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Conheça nossos Cursos Profissionalizantes (combos) com 40% de DESCONTO

Estaquia, um processo eficiente de propagação de plantas frutíferas

Para um perfeito planejamento do pomar, é preciso dar total atenção às mudas das espécies que pretende-se plantar

Produção de mudas frutíferas

Para se plantar mudas frutíferas temos de nos atentar para determinados fatores como a área onde serão plantadas, o clima, a qualidade do solo e o manejo cultural

O cultivo de plantas frutíferas é opção econômica, viável para boa parte dos produtores rurais, principalmente nas pequenas e médias propriedades. Além de ser uma alternativa econômica, ele contribui para a melhoria de qualidade na alimentação da família rural. Entretanto, para um perfeito planejamento do pomar, é preciso dar total atenção às mudas das espécies que pretende-se plantar. Sem esquecer é claro, de outros detalhes como a área, o local, o clima, a qualidade do solo e o manejo cultural.

 

“Em função da melhoria do poder aquisitivo da população e consequente aumento no consumo de frutas, está havendo uma corrida para a fruticultura comercial, tanto no aspecto de formação de pomares com finalidades comerciais, como o plantio de espécies frutíferas em chácaras e sítios de lazer, resultando no aumento da demanda por mudas”, afirma o professor Dalmo Lopes de Siqueira, do curso Produção de Mudas Frutíferas, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

 

Entretanto, é preciso que se tenha conhecimentos técnicos para produzir boas mudas, pois o consumidor está cada vez mais exigente quanto à qualidade da fruta ofertada nos mercados e a qualidade da fruta depende da qualidade das mudas. Estas devem apresentar um padrão definido por uma legislação própria para cada espécie, regulamentada por órgãos federais e estaduais de sementes e mudas. Por exemplo, o padrão de uma muda é dado pela sua sanidade, altura, diâmetro do caule, número de ramos, tipo de enxertia, tipo de embalagem, estado vegetativo, entre outros.

 

1) Estaquia

 

Principal método de propagação de arbustos ornamentais, a estaquia é bastante usada para a propagação comercial, em estufas, de muitas plantas floríferas. É também usada em fruticultura. Para espécies que podem ser propagadas por facilidade por este método, ele apresenta uma série de vantagens, pois é possível, com poucas matrizes produzir um grande número de mudas. Além disso, é é econômico, rápido, simples e não requer a enxertia, que exige mão de obra especializada.

 

1.2) Classificação das estacas quanto à origem

 

As estacas do caule são as mais utilizadas, pois precisam regenerar apenas o sistema radicular, já que as gemas estão formadas. Quanto às estacas da raiz, estas necessitam da escavação do solo, exposição do sistema radicular e danos à planta matriz. Pode ser usada para macieira, jabuticabeira, goiabeira, caquizeiro, e outras. Por fim, as estacas de folhas são usadas para algumas plantas ornamentais como violeta africana, espada de São Jorge, begônia e fortuna. Neste tipo de estaca, há necessidade de regeneração de caule e raízes.

 

1.3) Classificação das estacas quanto à consistência

 

Quanto à consistência, as estacas são classificadas em herbáceas, semilenhosas e lenhosas. As estacas semilenhosas e lenhosas são os tipos mais utilizados na fruticultura.

 

- Semilenhosas: podem ser oriundas de ramos ainda não completamente lignificados de plantas lenhosas, ou de plantas que apresentam menor lignificação. Normalmente, apresentam comprimento de 10-15 cm, geralmente apresentando folhas. Por exemplo, em estacas de goiabeira existe diferenças entre cultivares quanto à capacidade de enraizamento. Devem possuir 2 pares de folhas, reduzidas à metade, com dois entrenós, e coletadas, preferencialmente, de janeiro a março. Muitas vezes, a própria folha cortada pela metade, consegue enraizar;

 

- Lenhosas: são estacas duras, fibrosas, retiradas de ramos completamente lignificados, possuindo um ano ou mais de idade.

 

1.4) Classificação das estacas quanto ao modo de preparo

 

- Simples: estacas representadas por um segmento de caule, com comprimento em torno de 25- 30 cm. Faz-se um corte em bisel na extremidade proximal (base), logo abaixo de uma gema e perpendicular na distal (ápice), acima de uma gema. É o tipo de estaca mais utilizado;

 

- Tanchão: difere da estaca simples no tamanho e espessura da estaca. O comprimento pode variar de 60-90 cm e diâmetro de 2-4 cm ou mais. Faz-se uma ponta na base (semelhante à ponta de lápis), faz-se um corte em cruz nessa ponta e bate-se com uma marreta no ápice da estaca para fincá-la no solo. Pode se usada para multiplicar seriguela;

 

- Cruzeta: a estaca contém, em sua base, uma parte do ramo que a originou (ramo mais velho), em forma de cruzeta, que contém maior quantidade de reservas e maior superfície de contato. Nesse caso, só é possível obter uma estaca por ramo;

 

- Talão: para sua retirada, o ramo é cortado ou lascado em sua base, passando a conter uma parte do ramo que lhe deu origem. Isso aumenta a superfície de enraizamento, porém, a quantidade de estacas por planta fica reduzida, pois um ramo produz apenas uma estaca (da base);

 

- Gema: segmento de ramo (5-10 cm), contendo apenas uma gema. Usada quando o material de propagação é escasso. Apresenta pouca reserva (menor pegamento). Pode ser utilizada para multiplicar o figo.

 

2) Plantio de estacas

 

Herbáceas e semilenhosas

 

Usam-se recipientes, que são colocados em câmaras de nebulização ou em leitos de enraizamento sob nebulização. A nebulização consiste na pulverização, em pequenos intervalos, de gotas de água com tamanho muito pequeno, visando reduzir o calor ambiental e manter umidade nas folhas. São utilizados equipamentos especiais para esse fim.

 

Lenhosas

 

- preparar o canteiro que irá receber as estacas;

- com a enxada, faz-se um sulco transversal, de 30 cm de profundidade; no início, o canteiro deve ser utilizado para o enraizamento;

- fazer a distribuição das estacas ao longo dos sulcos;

- colocar as estacas em pé ou ligeiramente inclinadas, deixando uma a duas gemas expostas (2,5 a 5,0 cm da extremidade da estaca);

- pegar um pouco do substrato removido na base da estaca e comprimi-lo para um maior contato do substrato com a estaca;

- irrigar dentro do sulco, com regador sem crivo (aumentar contato do substrato com a base da

estaca);

- completar o enchimento do sulco;

- abrir novo sulco, próximo à fileira já plantada, e repetir o processo até o final;

- os canteiros contendo as estacas devem ser cobertos com capim seco ou com uma cobertura, possuindo altura de cerca de 30 cm acima do nível do solo. A medida que as estacas iniciarem a brotação, o capim deve ser removido. Os canteiros devem ser irrigados periodicamente.

 

 Confira mais informações, acessando os cursos da área Fruticultura.

 

Por Andréa Oliveira

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

larissa

19 de jul de 2020

Queria saber por que o a estaquia ocorre?

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de set de 2020

Olá, Larissa

Como vai?

A estaquia é bastante usada para a propagação comercial, em estufas, de muitas plantas floríferas. É também usada em fruticultura.

Para espécies que podem ser propagadas por facilidade por este método, ele apresenta uma série de vantagens, pois é possível, com poucas matrizes produzir um grande número de mudas. Além disso, é é econômico, rápido, simples e não requer a enxertia, que exige mão de obra especializada.

Em breve, uma das nossas consultoras entrará em contato com informações e esclarecimentos sobre os cursos que serão fundamentais para o seu aprendizado.

Atenciosamente,
Erika Lopes

Disney Goes dos Santos

29 de jul de 2019

pretendo fazer umas estaquias de graviola você poderia mim indicar algum livro? Qualquer dúvida manda no meu zap, ou no e-mail. Quantas estacas posso retirar da mesma planta?

Resposta do Portal Cursos CPT

30 de jul de 2019

Olá Disney Goes dos Santos,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Em breve, uma das nossas consultoras entrará em contato com informações e esclarecimentos sobre cursos e livros que atenderão às suas necessidades.

Atenciosamente,
Victor Sampaio

Acacio Gomes

10 de out de 2018

Olá gostaria de saber de rendimentos por hectare e como protege essa planta de geadas obg

Resposta do Portal Cursos CPT

11 de out de 2018

Olá Acacio,

Agradecemos a visita e comentário em nosso site.

Para uma produção sustentável de palmito de pupunha, a relação de densidade de plantas ideal por área deve levar em consideração itens como fertilidade natural do solo, distribuição de chuvas, luminosidade, temperatura, uso de fertilizantes, variabilidade genética e mercado a ser atendido. Nos plantios densos, o inconveniente é que a produção decai com o tempo, em razão do sombreamento e da competição entre as plantas. Nos plantios com baixa densidade, o problema passa a ser a baixa produtividade inicial. Em experimentos conduzidos no litoral do Paraná, em solos classificados como transição do tipo Glei Pouco Húmico para Cambissolo e Cambissolo Háplico distrófico, os resultados indicaram que o espaçamento de 2 m x 1 m, com densidade de 5 mil plantas por hectare, é o mais adequado.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

Acacio Gomes

10 de out de 2018

Olá gostaria de saber de rendimentos por hectare e como protege essa planta de geadas obg

Resposta do Portal Cursos CPT

11 de out de 2018

Olá Acacio,

Agradecemos a visita e comentário em nosso site.

Para uma produção sustentável de palmito de pupunha, a relação de densidade de plantas ideal por área deve levar em consideração itens como fertilidade natural do solo, distribuição de chuvas, luminosidade, temperatura, uso de fertilizantes, variabilidade genética e mercado a ser atendido. Nos plantios densos, o inconveniente é que a produção decai com o tempo, em razão do sombreamento e da competição entre as plantas. Nos plantios com baixa densidade, o problema passa a ser a baixa produtividade inicial. Em experimentos conduzidos no litoral do Paraná, em solos classificados como transição do tipo Glei Pouco Húmico para Cambissolo e Cambissolo Háplico distrófico, os resultados indicaram que o espaçamento de 2 m x 1 m, com densidade de 5 mil plantas por hectare, é o mais adequado.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

Cristovão

19 de jun de 2018

Boa tarde gostatia de sabe se é facil fazer estaquia de jabuticaba e qual seria mais a melhor staca tamanha e espessura obrigado

Resposta do Portal Cursos CPT

20 de jun de 2018

Bom dia Cristovão,

Sugiro que procure um profissional da área para te auxiliar e indicar a melhor forma de realizar a estarquia. 

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

Rick

7 de jun de 2018

Ola.. venho tentando estaquia de uva, mangá, acerola e nunca tive êxito.. foram diversas tentativas. Já usei complexo B e várias outras coisas. Será falta de sorte?

Resposta do Portal Cursos CPT

19 de jun de 2018

Bom dia Rick,

Sugiro que procure um profissional da área pra analisar o que você já fez e indicar o que deve deve ser feito para corrigir o problema.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

Artur Rabelo

13 de jan de 2018

Olá, gostaria de fazer uma estaquias de galhos grandes com 2 metros altura, pergunto se será preciso deixá-lo à sombra até surgir o aparecimento de raizes? qual a profundidade devo plantá-lo definitivamente. pretendo usar o produto que favorece o enraizamento. aguardo resposta. preciso acelerar o processo de ter uma sombra em breve. agradeço se puder responder pelo email ou por aqui. abraços e muito grato por sua atenção.

Resposta do Portal Cursos CPT

15 de jan de 2018

Olá Artur Rabelo,

Não encontrei literatura nenhuma que diz respeito a enraizamento de estacas de 2 metros. Creio que este método não seja viável, pois as raízes que surgirem, não deverão ser capazes de absover água e nutrientes para uma estaca desse tamanho, levando ao apodrecimento do material genético.

Atenciosamente,
Victor Sampaio

Giorgio Correia

17 de set de 2017

Vocês recomendam o uso de algum produto para acelerar o processo de enraizamento? Água ou terra? Faço muda ou já planto em local definitivo? Parabéns pela matéria e muito obrigado pelo retorno com tanta brevidade e presteza!

Resposta do Portal Cursos CPT

18 de set de 2017

Olá, Giorgio.

Seu comentário já foi respondido.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Giorgio Correia

16 de set de 2017

Excelente. Estaquia pode ser chamado de clonagem? Tem o mesmo efeito da enxertia em relação ao tempo de produção?

Resposta do Portal Cursos CPT

18 de set de 2017

Olá, Giorgio.

Seu comentário já foi respondido.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Giorgio Correia

13 de set de 2017

Quais as frutíferas que posso duplicar por estaquia?

Resposta do Portal Cursos CPT

13 de set de 2017

Olá, Giorgio.

O seu comentário já foi respondido.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!