WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Torne realidade o sonho de viver do que você ama! 20% OFF nos cursos online + 5% OFF pagando no cartão

Como fazer composto orgânico com esterco bovino?

Compostos orgânicos são fertilizantes “naturais”, que beneficiam as plantas e o solo

Esterco bovino - imagem ilustrativa

Joe Valle, um dos professores do Curso CPT Como Tornar sua Fazenda Orgânica, destaca que a agricultura orgânica produz alimentos saudáveis, de elevado valor nutricional, respeitando o meio ambiente e o homem, seja ele trabalhador rural, produtor ou consumidor. Tudo isso permite rentabilidade ao produtor com o uso de técnicas produtivas, em que também é importante o processo de produção e não apenas o produto final.

Nesse tipo de cultivo, que tem como uma de suas premissas a rejeição aos produtos químicos, produtores, preocupados com o meio ambiente e com a saúde das plantas e do solo, buscam diferentes opções para fornecer os nutrientes necessários às plantas, como é o caso da utilização de compostos orgânicos.

O que é um composto orgânico?

Um composto orgânico é um tipo de fertilizante, resultado da decomposição de resíduos orgânicos de origem vegetal ou animal. Para que se produza um composto orgânico, é necessária a ação de fatores físicos, químicos e biológicos. Nas propriedades, é possível utilizar os resíduos ali mesmo produzidos, como é o caso do esterco bovino.

Apresentam diversas vantagens, como a ativação da vida do solo, controle de diversos fatores dele – como temperatura, umidade e pH –, redução de odores, eliminação de organismos indesejáveis, redução da utilização de aterros e evitamento de impactos ambientais.

Formulação de composto orgânico a partir do esterco bovino

Para a produção desse composto orgânico, serão necessários o esterco, capim e folhas de bananeira. É uma formulação simples e que resulta em um composto orgânico altamente nutritivo.

- Local

Em primeiro lugar, deve-se escolher o local onde o composto será formulado. Deve ser plano, sombreado e deve possuir disponibilidade de água.

- Ingredientes

A pilha final possui quatro camadas e terá, ao final, metragem de 1,0 x 5,0 x 1,5 m (LxCxA). Para cada uma, será necessário:

. 20 carrinhos de mão de capim triturado (80 para as quatro camadas)
. 03 de folhas de bananeira (12 para as quatro camadas)
. 10 de esterco bovino seco (40 para as quatro camadas)

- Atenção!

Em relação ao capim, este não precisa estar triturado, mas, caso esteja, isso facilitará o processo e o revolvimento da pilha. Não há um tipo “ideal”, isto é, pode-se utilizar qualquer capim.

- Montando a pilha

A sequência a ser seguida para a formação da primeira pilha deve ser: capim, folhas de bananeira e esterco. Deve-se molhar a pilha até que a água comece a escorrer na base. Cesse a incorporação de água assim que ela escorrer. 

Para verificar o processo, pode-se inserir uma estaca de madeira na parte mais baixa da pilha, continuando a molhá-la caso a estaca saia seca.

O mesmo deve ser feito nas outras camadas e, após molhar a quarta, a pilha estará pronta. Cubra-a com filhas de bananeira ou de palha para que se mantenha a umidade, especialmente se a montagem for feita a céu aberto.

- Reviramento

É necessário revirar a pilha 4 vezes em um prazo de 60 dias após a montagem. Isso significa que deve ser revirada 15, 30, 45 e 60 dias depois de montada. Após cada um desses reviramentos, deve-se molhar a pilha novamente. O composto estará pronto para uso após 90 dias da montagem. Nos últimos 30 dias, não é necessário molhá-lo nem o revirar.

- Temperatura

É fundamental controlar a temperatura da pilha durante todo o processo. O ideal é que ela se mantenha em torno de 60°C, especialmente nos primeiros momentos. Para verificar a temperatura, recomenda-se deixar uma barra de ferro no meio, retirando-a semanalmente. Até 60 dias após a montagem, é normal que ela saia quente, mas que seja possível tocá-la. Caso esteja muito quente, isso indica que há excesso ou falta de água. Caso a água esteja em excesso, deve-se revirar a pilha para arejá-la; caso esteja em falta, molhe-a mais. Passados 60 dias, a temperatura costuma diminuir. Contudo, caso diminua antes desse prazo, falta umidade na pilha.

- Finalização

Após 90 dias da montagem, o composto está pronto e deve apresentar as seguintes características: cor escura, cheiro de terra mofada e temperatura ambiente.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Agricultura Orgânica:

Como Tornar sua Fazenda Orgânica
Cultivo Orgânico de Hortaliças em Estufa
Cultivo Orgânico de Hortaliças – Sistema de Produção

Fontes: EMBRAPA – embrapa.br
CI Orgânicos – ciorganicos.com.br
por Renato Rodrigues

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!