WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Curso orienta plantio de mandioca

Com a coordenação da professora Dr.ª Marney Pascoli Cereda, o aluno aprende desde o preparo das mudas até as atividades pós-colheita

De fácil adaptação, a mandioca é cultivada em todos os estados brasileiros. O que limita seu cultivo é o frio, sendo desaconselhado o plantio a mais de mil metros de altitude. A temperatura no ciclo  vegetativo, isto é, nos seis a oito meses após o plantio, deve ser superior a 20ºC. No caso de temperaturas elevadas, a brotação das raízes e o tamanho das folhas são afetados.

O plantio da mandioca deve ser feito logo depois das primeiras chuvas.

A alta luminosidade, por sua vez, favorece a cultura, mas em períodos de luz maiores que 12 horas a formação das raízes é prejudicada. A precipitação ideal está em torno de mil milímetros, distribuídos pelo ciclo vegetativo da cultura. A falta de umidade no solo pode ser crítica na fase de enraizamento. Já os excessos podem causar o desenvolvimento de fungos nas raízes. O período de maior sensibilidade está entre 30 e 150 dias após o plantio, na fase de enraizamento.

O plantio da mandioca deve ser feito logo depois das primeiras chuvas. Assim, é realizado depois do inverno, nos estados do Sul e do Centro do país; e após a seca, nos estados do Norte e do Nordeste.

Essas e outras informações fazem parte do curso Cultivo de Mandioca, desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas. A professora coordenadora, Dr.ª Marney Pascoli Cereda, professora titular da UNESP-Botucatu e pesquisadora do CERAT - Centro de Raízes e Amidos Tropicais, ensina o preparo de mudas, do solo, o passo a passo do plantio, a consorciação e rotação de culturas, tratos culturais, controle de pragas e doenças, como fazer a colheita e a conservação pós colheita, além de todo o custo de produção.

De acordo com Cereda, a mandioca apresenta uma série de vantagens em relação a outros cultivos. “Ela é de fácil propagação, elevada tolerância a longas estiagens, rendimentos satisfatórios mesmo em solos de baixa fertilidade, pouca exigência em insumos modernos, potencial resistência ou tolerância a pragas e doenças, e elevado teor de amido nas raízes”, menciona a professora.

O cultivo ainda tem boas perspectivas de mecanização, do plantio à colheita, sem grandes perdas na matéria seca. Também permite consórcio com inúmeras plantas alimentícias e industriais. Quando utilizada na indústria, possibilita uma série de produtos e subprodutos para alimentação humana, animal ou uso industrial.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!