WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Comportamento alimentar dos bovinos

Locomoção, reprodução, resistência ao vento, chuva e sol, a parasitas e à infecções; e ainda ter força, reflexo, vitalidade e capacidade de auto defesa. É de tudo isso que um bovino precisa para sobreviver.

Comportamento alimentar dos bovinos - O comportamento ingestivo varia de acordo com o tipo de alimento que está sendo consumindo.

O comportamento ingestivo varia de acordo com o tipo de alimento que está sendo consumido.

O bovino tem como objetivo primário de seu comportamento a busca e a ingestão de alimentos. E nesse aspecto, os bovinos têm algumas características que lhes são bastante peculiares, como:

Comportamento ingestivo:

O comportamento ingestivo varia de acordo com o tipo de alimento que está sendo consumido. As folhas das forrageiras ingeridas no pastejo, são apreendidas com a língua e cortadas com os dentes incisivos inferiores, isto possibilita consumo de folhas com maior tamanho, ingestão facilitada, e, maior quantidade de folhas ingeridas em menor espaço de tempo.

No caso de alimentos concentrados, saiba que são, da mesma maneira, apreendidos com a língua, mas, ao contrário das folhas de forrageiras, estes são sugados com a boca, pois, as partículas são muito pequenas, praticamente não havendo necessidade de mastigação.

Digestão dos alimentos:

Os bovinos têm em seu aparelho digestivo o rúmen e o retículo, que são dois órgãos, em que bactérias e protozoários fazem a maior parte da digestão das fibras, liberando energia, porteínas, minerais e vitaminas. Mas uma vaca leiteira também tem um estômago normal, em que os alimentos não fibrosos e o produto do alimento processado no rúmem são digeridos.

Durante a digestão, parte do material que está no rúmem, é regurgitado para a boca do animal, sendo novamente mastigado, num processo conhecido como ruminação. Diversas vezes ao dia, a vaca para de comer, e, em pé, ou deitada, enquanto descansa, passa algum tempo ruminando. Na ruminação, o tamanho das partículas das folhas, talos e outras fibras ingeridas, no momento da preensão da forragem, é reduzido, o que leva a um aumento do desempenho da digestão.

Os alimentos concentrados não passam por esse processo, sendo digeridos diretamente pelo estômago normal do bovino.

 

 

Aprimore seus conhecimentos. Conheça os Cursos CPT da área Gado de Corte.

Acesse os links abaixo e aprenda mais sobre o assunto:


Como se relacionam os parasitas e os bovinos

Objetivos e vantagens da inseminação artificial em bovinos

A digestão nos bovinos

Zona de fuga e ponto de balanço em bovinos

Identificação de cio em vacas

Definição de inseminação artificial em bovinos

Localização e infraestrutura para confinamento bovino

Características dos bovinos para confinamento

O bem-estar animal na cadeia produtiva bovina

Casqueamento em bovinos

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!