WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Febre maculosa, causada pelo carrapato estrela, mata! Saiba mais

O carrapato estrela (Amblyomma cajennense) é um parasita dos equinos, mas também pode parasitar bovinos, outros animais domésticos e animais silvestres. É o principal vetor no Brasil

Febre maculosa, causada pelo carrapato estrela, mata! Saiba mais   Artigos CPT

O carrapato estrela (Amblyomma cajennense) é um parasita dos equinos, mas também pode parasitar bovinos, outros animais domésticos e animais silvestres. É o principal vetor no Brasil, explica Prof. Marcelo Dias da Silva, do Curso CPT Saneamento e Zoonoses em Medicina Veterinária.

Ciclo de vida do carrapato estrela


- Fêmea ingurgitada (reboleiro) deposita no solo de 3 a 4 mil ovos.
- As larvas (3 pares de pernas) eclodem após 65 dias e buscam o hospedeiro, sugam seu sangue e vão ao solo. Em seguida, fazem a muda em ninfa (4 pares de pernas) e vão buscar um novo hospedeiro.
- As ninfas e larvas podem sobreviver meses no solo sem hematofagia.
- As ninfas buscam um novo hospedeiro onde ficam de 5 a 7 dias sugando sangue. Depois vão ao solo e sofrem a segunda muda, virando adulto macho ou fêmea.
- No novo hospedeiro, acasalam e a fêmea suga o sangue até ficar ingurgitada e voltar ao solo para ovipostura.

Patogenia: vetor


- A fêmea pode transmitir por via transovariana a bactéria à prole e o macho pode transmitir no acasalamento às fêmeas.
- Uma vez infectado, o carrapato pode carregar o patógeno pela vida inteira.
- A transmissão da Rickttsiae ao hospedeiro vertebrado acontece através da saliva do carrapato durante a hematofagia.
- É necessário algum tempo do carrapato fixado e sugando o sangue para ocorrer a transmissão da doença ao hospedeiro, no mínimo, 4 horas.
- A proporção de carrapatos infectados pela R. rickettsii, mesmo em regiões endêmicas para a doença, costuma ser abaixo de 1 a 3%.

Quadro clínico


O quadro clínico humano inclui sintomas iniciais como febre, dor de cabeça e dores musculares, seguidos pelo aparecimento de exantema, apesar de nem todos os infectados apresentarem as manchas características. A doença pode ser difícil de diagnosticar nos estágios iniciais e, sem tratamento rápido e adequado, pode ser fatal.

Patogenia: ser humano


No sangue do hospedeiro, a bactéria lesiona o endotélio. Os sintomas (inespecíficos - febre, dor, mal-estar) se inciam após sete dias. Pode aparecer as máculas, manchas vermelhas na pele, inclusive nas palmas das mãos e dos pés, quadro patognomônico da doença. Se não for tratado com urgência, pode evoluir para casos de paralisia, insuficiência respiratória, insuficiência renal, inflamação do cérebro e/ ou perdas cognitivas. O tratamento é feito com antibióticos e medicações de suporte. Não se aguarda o resultado do exame para instituir tratamento, pois pode ser tarde.

Sintomas da doença no homem    Artigos CPT

Diagnóstico e prevenção


O diagnóstico é feito pelos laboratórios centrais dos estados (LACEN). Uma orientação importante é que não é incomum não achar anticorpos nos primeiros momentos da doença, cerca de 7 a 10 dias, precisando ser feita segunda sorologia em torno dos 21 dias para confirmar o resultado.

- Prevenção individual
--> Use roupas claras para ajudar a identificar o carrapato.
--> Use calças, botas e blusas com mangas compridas ao caminhar em áreas arborizadas e gramadas.
--> Evite andar em locais com grama ou vegetação alta.
--> Uso de repelentes: já existem repelentes contra carrapatos (icaridina). Inspecione se você e seus animais de estimação estão com carrapatos, evitando aguardar mais de três horas após estar em área de risco.

- Extração do carrapato
Para a remoção do carrapato, não se deve simplesmente puxá-lo, pois o seu corpo pode sair, mas o aparelho bucal permanecer aderido à pele. Portanto, remova o carrapato com uma pinça com leves torções sem esmagá-lo, puxando-o com cuidado e firmeza. Lave a área da mordida com álcool ou água e sabão.

Quando chegar de uma caminhada em local de risco ou se identificou a presença de carrapatos no ambiente em que está, é importante usar algum material abrasivo na pele ao tomar banho, como esponjas, escovas e bucha vegetal, porque as larvas e ninfas são muito pequenas, difíceis de perceber na pele, e esse procedimento ajuda a eliminá-las.

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Saiba mais sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) abaixo:


- Atenção, veterinários: água boa, animais saudáveis!

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!