WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Doenças bacterianas na avicultura: clostridiose

O complexo de doenças que causam as clostridioses é um tema relevante na medicina veterinária. As doenças são causadas por bactérias que produzem toxinas violentas que atacam o plantel avícola

Doenças bacterianas na avicultura: clostridiose   Artigos CPT

O complexo de doenças que causam as clostridioses é um tema relevante na área de medicina veterinária. Essas doenças são causadas por bactérias que produzem toxinas violentas que atacam o plantel avícola. “A clostridiose não afeta apenas o frango e as galinhas, atinge também aves aquáticas, codornas e perus”, explica Marcelo Dias da Silva, professor do Curso CPT Avicultura – Produção e Principais Doenças.

Observe as principais características desse conjunto de doenças:


• Causadas por um grupo de bactérias Gram+ saprófitas, ou seja, são bactérias presentes no trato gastrointestinal e no ambiente em que as aves vivem. Exemplos: Clostridium botulinum, Clostridium perfringens e Clostridium colinum.
• Condições de anaerobiose ou a baixa presença de oxigênio no organismo dos animais favorecem a produção de toxinas pelas bactérias e a ocorrência de várias doenças concomitantes às clostridioses, tais como: tétano, gangrena gasosa e botulismo.
• O maior problema das clostridioses são as violentas toxinas produzidas pelas bactérias. Essas toxinas estão entre as mais letais conhecidas pelo ser humano.

Enterite necrótica: entre as clostridioses, vamos abordar, em primeiro lugar, a enterite necrótica e suas especificações em relação às aves.


a) Etiologia
• Agente etiológico: Clostridium perfringens.
• Enterotoxemia aguda: a absorção de toxinas na área intestinal causa lesões repentinas nas aves do plantel.
• Mais comum em animais jovens.
• Toxinas A e C.
• Observa-se necrose de intestino delgado, debilidade e morte.

(A) Alça intestinal com presença excessiva de gases e (B) hepatomegalia em ave, fígado com tamanho aumentado e pontos esbranquiçados devido à enterite necrótica.

Foto: (A) Alça intestinal com presença excessiva de gases e (B) hepatomegalia em ave, fígado com tamanho aumentado e pontos esbranquiçados devido à enterite necrótica.

b) Patogenia
A enterite necrótica é produzida pela ação de toxinas, quando há condições favoráveis para a rápida multiplicação de C. perfringens. Dentre essas condições, podemos citar:
• Desequilíbrio no microambiente digestivo.
• Coccidioses causadas pelo emprego de rações com alto nível proteico, grande quantidade de trigo, ou ricas em fibra.
As rações ricas em fibra podem afetar a fisiologia digestiva da ave, cuja anatomia é voltada para a passagem rápida dos alimentos. Quando se emprega uma ração com muita fibra, ocorrem dois problemas:
• A grande fermentação origina gases e consome oxigênio.
• As fibras podem causar lesão da mucosa do intestino devido ao material fibroso.
Ambos os problemas são fatores predisponentes à coccidiose cujo protozoário causa lesões no intestino delgado dos animais.

c) Lesões
• As lesões são causadas por toxinas do tipo alfa, principal fator de patogenicidade.
• As cepas de bactérias que produzem esse tipo de toxina apresentam a capacidade de destruir a membrana celular dos enterócitos – células intestinais.
• O intestino das aves mortas apresenta-se distendido com a presença de gases no jejuno e no íleo.
• Mucosa com presença de pontos necróticos.
• Hepatomegalia com focos esbranquiçados.

(A) segmento intestinal com pontos de lesão e (B) segmento intestinal com estrias de vaso.

Foto: (A) segmento intestinal com pontos de lesão e (B) segmento intestinal com estrias de vaso.

d) Controle e prevenção
• Evitar proliferação de microrganismos indesejáveis no trato intestinal.
• Cuidado com o excesso de fibra na ração. Exemplo: trigo, cevada e centeio não devem ser usados em grande proporção na ração avícola.
• Uso de probióticos que colonizam o trato intestinal e reduzem o pH.
• Atenção à cama (troca, presença de coccídeos e limpeza).

Cama aviária com granulação incorreta e com a presença de farpas

Foto: Cama aviária com granulação incorreta e com a presença de farpas.

Importante:


O médico veterinário deve orientar o produtor a ter atenção em relação à granulometria da cama do aviário. Camas grosseiras, com farpas ou cuja procedência seja duvidosa, que tenham sido armazenadas em lugares suspeitos, são uma porta de entrada e meio de proliferação de bactérias.

Gostou da matéria? Saiba mais sobre o assunto na(s) matéria(s) abaixo:


O custo da alimentação para a avicultura Brasileira

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!