WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

O que é acidose ruminal e como tratá-la?

Acidose ruminal é uma doença metabólica geralmente aguda, causada pela ingestão de grãos ou outros alimentos altamente fermentáveis em grandes quantidades

O que é acidose ruminal e como tratá-la?   Artigo CPT

Acidose ruminal é uma doença metabólica geralmente aguda, causada pela ingestão de grãos ou outros alimentos altamente fermentáveis em excesso. Segundo Pacífico Antônio Diniz Belém, professor do Curso CPT Enquanto o Veterinário Não Chega — Atendimento a Bovinos, “A acidose ruminal é caracterizada por perda do apetite, desidratação, diarreia, depressão e, quando não é efetuado o tratamento curativo, pode levar à morte”. A doença também é conhecida como: indigestão Aguda por Carboidratos em Ruminantes, Sobrecarga Aguda por Grãos, Impactação Ruminal Aguda, Sobrecarga Ruminal, Acidose Láctica, Indigestão Tóxica, Indigestão Ácida (OGILVIE, 2000).


Causas da acidose ruminal

A doença ocorre geralmente nos casos de mudanças bruscas no regime alimentar, de forma que o consumo de grãos é aumentado sem adaptação prévia da microflora ruminal, ou pelo alto consumo acidental de grãos pelo gado com acesso a excesso de grãos armazenados (ex.: animais que arrombam depósito de grãos; auxiliar desinformado que fornece grande quantidade de grãos), como grãos finamente moídos (trigo, cevada, milho). Também ocorre quando os bovinos são colocados em pasto verde, com milho-verde deixado no solo, quando recebem restos de grãos perdidos durante a trituração, ou quando ocorre alimentação irregular com grandes quantidades de outros alimentos menos comuns (pão, massa de padaria, resíduos de cervejaria, soluções concentradas de sacarose usadas em apicultura, maçãs, peras, batatas beterraba, soro de leite).


Há alguns períodos críticos durante os quais ocorre sobrecarga por grãos:

— Quando o gado inicia a alimentação, mesmo tendo contato prévio com grãos, é comum a ingestão de uma dose tóxica, se for oferecido um nível alto de grãos na ração;
— Quando há aumento na concentração de grãos da ração de um nível para outro, se o aumento é grande, o total de grãos consumidos por alguns animais também pode ser excessivo;
— Uma rápida queda na temperatura ambiente resultará num grande aumento da ingestão de alimentos em animais alimentados à vontade e em que pode ocorrer a sobrecarga por grãos;

— Quando chove e os alimentos começam a umedecer com possibilidade de mofar, diminui a ingestão dos mesmos, mas quando é oferecido posteriormente alimento seco e fresco a ingestão pode aumentar de tal maneira que ocorrerá a sobrecarga;
— Quando o gado que recebe uma ração altamente concentrada em grãos fica privado de alimentação por 12 a 24 horas e, então, com acesso livre a dieta, o consumo aumenta abruptamente com ingestão excessiva de grãos.


O que acontece com o gado acometido pela acidose abdominal?

Para a maioria dos ruminantes, o principal ingrediente da dieta são as forragens. Como forragens geralmente contêm altas concentrações de fibra, a qual é digerida lentamente no rúmen e não causa a produção de ácido láctico, dificilmente dietas baseadas em forragens chegam a causar distúrbios digestivos, como a acidose ruminal. Por outro lado, o fornecimento de alimentos concentrados na forma de grãos na dieta para aumentar o consumo de energia e desempenho animal, aumenta as quantidades de carboidratos a serem fermentados no rúmen, promovendo a produção de ácidos graxos voláteis. Normalmente, há no rúmen um equilíbrio entre bactérias (celulolíticas) que digerem as fibras e bactérias que usam carboidratos.

Qualquer alteração nesse mecanismo ocasiona indigestão, disfunção ruminal e absorção de toxinas (GONZÁLEZ e SILVA, 2006; OGILVIE, 2000). A ingestão de quantidades excessivas de alimentos altamente fermentáveis pelo ruminante é verificada com 2 a 6 horas pela marcante mudança na população microbiana do rúmen. Há um acentuado aumento no número das bactérias que produzem grandes quantidades de ácido láctico (Streptococcus bovis). A grande concentração de ácido láctico leva a uma queda no pH ruminal, a tal ponto que são destruídas grande parte da flora ruminal com diminuição dos movimentos ruminais. A concentração de ácidos graxos voláteis inicialmente também é aumentada e contribui para diminuir o pH ruminal. (BLOOD et al., 1979).


Sintomas da acidose ruminal

Os sintomas são variáveis e dependem da quantidade de alimento consumido, da composição do alimento, do tamanho da partícula do alimento e da adaptação prévia do animal à ração. As síndromes clínicas podem ser agudas e acentuadas ou discretas e semelhantes à indigestão simples. Os sintomas se manifestam de 12 a 24 horas após a ingestão do alimento. Inicialmente nota-se um inchaço do rúmen e sintomas de cólicas (inquietação, chutes no ventre, mugidos etc.), passando para um quadro de perda de apetite e depressão. Os movimentos ruminais são reduzidos, mas não inteiramente ausentes. O bovino não rumina por alguns dias, mas, normalmente, começa a comer no terceiro ou quarto dia, sem nenhum tratamento específico (BLOOD et al., 1979; GONZÁLEZ & SILVA, 2006). Além disso, observa-se também redução na produção de leite, no caso das vacas-leiteiras, e piora na condição corporal.

A diarreia é quase sempre presente e geralmente é profusa, de coloração levemente enegrecida e de odor ácido, sendo a desidratação grave e progressiva. Nos casos mais severos, os animais encontram-se apáticos, prostrados, encontrados deitados em 24 a 48 horas, apresentam um caminhar cambaleante e cegueira, parando completamente de se alimentar, o que pode culminar na morte do animal. Alguns animais apresentam melhoras temporárias, mas voltam a adoecer gravemente após alguns dias, com morte do animal (MANUAL MERCK, 1991). Outras consequências da acidose ruminal, que não são observáveis imediatamente e podem ocorrer secundariamente, são a laminite e o timpanismo. Em um mesmo lote, o grau de apresentação dos sintomas é variável de animal para animal.


Diagnóstico da acidose ruminal

O diagnóstico deve basear-se na observação dos sinais clínicos acima descritos (depressão, anorexia, incoordenação, etc.), associados a um histórico de alimentação com grandes quantidades de grãos ou outros alimentos facilmente fermentáveis.


Tratamento da acidose ruminal

As principais medidas a serem tomadas se referem à evacuação da ingesta e correção da desidratação e da acidose. O uso de bicarbonato ou carbonato de magnésio, (200 – 450 g/animal) é satisfatório apenas nos casos leves, sendo, muitas vezes, necessário o uso de sonda para esvaziamento do conteúdo ruminal. O uso de óleos e antifermentativos poderá ser útil para auxiliar a evacuação e para reduzir a absorção dos ácidos e das toxinas. Antibióticos, tais como a penicilina (5 – 10 milhões de UI/animal adulto) ou a tetraciclina (8 – 10 g/animal adulto), administrados oralmente, conseguem controlar o crescimento de bactérias produtoras de ácido láctico. A correção do desequilíbrio hidreletrolítico (desidratação) deve ser feita por meio da administração endovenosa de soluções isotônicas e bicarbonato de sódio. É importante restringir o consumo de água em animais doentes, visto que o consumo exagerado de água pode causar indesejável distribuição dos fluidos corporais, com agravamento do desequilíbrio eletrolítico (MICHELL, 1990). Anti-histamínicos podem ser usados para prevenção de intoxicação e laminite, embora seu uso ainda cause algumas controvérsias. O uso do cloridrato de tiamina é indicado. Durante o período de recuperação, o animal deve receber água e volumoso de boa qualidade, sendo os grãos reintroduzidos gradualmente à dieta do animal.


Prevenção da acidose ruminal

As  medidas  mais  eficazes  para  este  fim  são  aquelas que  buscam evitar o acesso acidental de animais a grandes quantidades de grãos e a adoção de um bom esquema de adaptação, sendo os grãos introduzidos gradualmente à dieta do animal.


Um pouco mais sobre o que encontrar no Curso CPT? Assista ao vídeo!

 

Conheça os Cursos CPT da Área Gado de Leite.
Por Silvana Teixeira.

Salvar

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Weston José MACEDO Silva

6 de fev. de 2022

Muito boa matéria, me ajudou bastante a identificação de problemas de ruminação com uma das minhas Cabra

Resposta do Portal Cursos CPT

7 de fev. de 2022

Olá, Weston! Tudo bem? 

Agradeço sua visita em nosso site! 

Ficamos felizes em ter ajudado! 

Forte abraço! 

Lorena 

Gabriel Nobia

10 de ago. de 2021

Eu estou com uma vaca que comeu bastante milho na espiga e já faz mais de 24hs que não Rumina.

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de ago. de 2021

Olá, Gabriel Nobia

Como vai?

Agradecemos sua visita ao nosso site!

Nessas circunstâncias, a melhor orientação que podemos dar a você é que procure em sua cidade um especialista. Devido ao fato de não estarmos presentes para fazer uma correta avaliação, qualquer diagnóstico passa a ser um risco desnecessário à seu animal.

Atenciosamente,
Erika

Paulo Agapto

27 de mai. de 2020

Sou auxiliar em veterinária tenho curso de primeiro socorros em bovinos e equinos.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!