Uso de fósforo na agricultura deve ser reavaliado

É indispensável reduzir a proporção de fósforo nas adubações, basta seguir o manejo adequado

Uso de fósforo na agricultura deve ser reavaliado

Estudo da Embrapa afirma que metade do fósforo (P) usado como fertilizante inorgânico continua no solo por décadas. Desde 1960, mais de 45 milhões de toneladas de fósforo foram utilizados na agricultura – destes, mais de 22 milhões de toneladas ainda permanecem no solo. Se continuar nesse ritmo, até 2050, serão mais de 100 milhões de toneladas de fósforo residual em todo território nacional. Portanto, o uso de fósforo na agricultura deve ser reavaliado.

Segundo Vinícius Benites, pesquisador da Embrapa Solos, é indispensável reduzir a proporção de fósforo nas adubações. No Brasil, uma mesma área permite o cultivo de duas ou mais culturas (ao ano) com o manejo embasado no conceito 4C: fonte de fertilizante correta, dose correta, época correta e local correto.

“O aumento da produtividade agrícola deve-se ao uso de técnicas adequadas e aplicações de doses corretas de fertilizantes. É preciso lembrar que a adubação tem como objetivo principal manter ou aumentar a quantidade de nutrientes do solo, para atender às necessidades das plantas”, afirma Júlio César Lima Neves, professor do Curso a Distância CPT Aplicação Econômica de Adubos em Livro+DVD e Online.

O fósforo é um componente essencial às plantas, pois fornece a elas suporte para um desenvolvimento saudável, além de vigor e resistência a doenças. Utilizado intensamente na agricultura, junto ao nitrogênio e ao potássio (adubação com NPK), o fósforo é uma das principais fontes de nutrientes das plantas. Entretanto, em um futuro próximo, ele pode se tornar um elemento cada vez mais escasso, o que pode comprometer a segurança alimentar em nível mundial.

Felizmente, há a possibilidade de utilização do fósforo secundário, existente no esterco animal ou nos restos do beneficiamento da cana. Inclusive, os australianos já o utilizam com ótimos resultados na agricultura. As projeções apontam que o fósforo secundário apresenta potencial para abastecer até 20% da nossa demanda nacional de grãos por volta de 2050. Entretanto, isso requer investimento em tecnologias de recuperação do nutriente.

“Tanto o uso de fertilizantes provenientes do reuso do fósforo (fósforo secundário) como o emprego de novas tecnologias para uso do fósforo presente no solo (acumulado pelo histórico de adubações), mostram-se como excelentes alternativas de recuperação do nutriente, que está se esgotando na natureza”, afirma Luciano Gatiboni, professor da Udesc - Universidade do Estado de Santa Catarina.

Conheça os Cursos a Distância CPT, constituídos de Livro+DVD, e Cursos Online, da Área Agricultura.

Fonte: canalrural.com.br

Por Andréa Oliveira.

Cursos Relacionados

Curso Aplicação Econômica de Adubos Curso Aplicação Econômica de Adubos

Com Prof. Dr. Júlio César Neves

R$ 480,00 à vista ou em até 12x de R$ 40,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Análise de Solo e Recomendação de Calagem e Adubação Curso Análise de Solo e Recomendação de Calagem e Adubação

Com Prof. Eurípedes Malavolta, Prof. Dr. Godofredo César Vitti, Prof. Dr. Heitor Cantarella e outros

R$ 468,00 à vista ou em até 12x de R$ 39,00 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Técnicas Mecânicas de Conservação de Água e Solo Curso Técnicas Mecânicas de Conservação de Água e Solo

Com Dr. Caetano de Souza

R$ 586,00 à vista ou em até 12x de R$ 48,83 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Mais Notícias sobre diversas áreas do conhecimento

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade