WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cardiomiopatia hipertrófica felina tem cura? Como tratar?

Se você é médico veterinário ou estudante da área e se deparou com um quadro de cardiomiopatia hipertrófica felina saiba que esta patologia, infelizmente, não tem cura

Cardiomiopatia hipertrófica felina tem cura? Como tratar?   Artigos CPT

Se você é médico veterinário ou estudante da área e se deparou com um quadro de cardiomiopatia hipertrófica felina saiba que esta patologia, infelizmente, não tem cura. Em casos como este, o profissional da área deverá sugerir ao donos do paciente um tratamento. Este, por sua vez, terá por objetivo promover ao gato qualidade de vida e sobrevida, evitando, consequentemente, a progressão da doença.

De acordo com Eduardo Duarte de Oliveira, professor do Curso CPT Cardiologia de Cães e Gatos, “Antes do tratamento propriamente dito, é importante realizar o estadiamento da doença, e para isso deve-se avaliar o grau de acometimento e estágio em que o felino se encontra. Para cada estágio realiza-se um tratamento específico”. Acompanhe no quadro abaixo:


Graus de acometimento da cardiomiopatia hipertrófica felina   Artigos CPT

Foto: Graus de acometimento da cardiomiopatia hipertrófica felina

- Tratamento:

• Estágio A:
Não há recomendações terapêuticas. O paciente deve ser acompanhado com avaliações ecocardiográficas.

• Estágio B1:
Não há recomendações terapêuticas, mas sim reavaliações anuais.

• Estágio B2:
» Tromboprofilaxia: Clopidogrel, via oral, 1 vez ao dia.
» Em casos de arritmias ventriculares: Sotalol e Atenolol, via oral, 2 vezes ao dia.

• Estágio C:
Reavaliação a cada 2 a 4 meses.
» Crise aguda: contenção, sedação, utilização de Furosemida (intravenosa), oxigenoterapia e colocação em ambiente tranquilo.
» ICC crônica: Furosemida (via oral, 2 vezes ao dia) e Clopidogrel (via oral, 1 vez ao dia).

• Estágio D:
» Todo o tratamento realizado no estágio C.
» Bloqueio sequencial dos néfrons.
» Suplementação de taurina.
» Restrição de sódio.
» Fornecimento das necessidades calóricas.
» Em caso de tromboembolismo: controle da dor (Morfina, intravenosa) e diluição de trombos (Heparina, subcutânea).

Gostou do assunto? Leia também a matéria abaixo:


- Veterinário, responda: o que é cardiomiopatia dilatada em cães e gatos?

Um pouco mais sobre o que encontrar no Curso CPT? Assista ao vídeo!


 

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!