WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Mastite? 3 testes para identificá-la em seu rebanho de acordo com a IN 77

A suspeita de que a mastite anda atacando o seu rebanho tem tirado o seu sono? Saiba, então, que existem três tipos de testes para ajudá-lo a confirmar ou descartar seu pressentimento

Mastite? 3 testes para identificá-la em seu rebanho     Artigos Cursos CPT

 

A suspeita de que a mastite anda atacando o seu rebanho tem tirado o seu sono? Saiba, então, que existem três tipos de testes para ajudá-lo a confirmar ou descartar seu pressentimento, afirma Leonardo Cotta Quintão, professor do Curso CPT Controle de Mastite (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT) do Leite - De Acordo com a IN 77. São eles:


- teste da caneca com fundo preto (mastite clínica),
- teste da raquete ou CMT (mastite subclínica),
- teste laboratorial do leite – CCS (mastite subclínica)

O teste da caneca com fundo preto é um método simples de identificação visual da mastite clínica que deve ser aplicado em todo o rebanho, todos os dias, antes de cada ordenha. A identificação precoce da mastite clínica no rebanho é um trabalho importante e diário. Por meio do teste é possível também identificar os graus de mastite clínica em cada um dos animais acometidos.

- Mastite grau 1:
O animal apresenta apenas alterações no leite: grumos, sangue, mudança de cor ou viscosidade.

- Mastite grau 2:
O animal apresenta alterações no leite e no úbere que se mostra sensível à dor, vermelho, edemaciado e mais quente que o normal.

- Mastite grau 3:
O animal apresenta alterações observadas nos graus 1 e 2, além de apresentar sinais sistêmicos e manifestações clínicas, tais como febre, apatia, anorexia ou perda de apetite, dificuldade para se locomover.

Os animais identificados com mastite clínica devem ser ordenhados por último para evitar uma possível transmissão de bactérias ao rebanho durante a ordenha.

Dica:


Identifique o animal com mastite clínica utilizando uma fita no membro correspondente ao quarto mamário infectado ou teto acometido. Pode-se também identificar o animal colocando uma corda ao redor do pescoço. Tanto a corda como a fita só devem ser removidas após o período de carência do medicamento utilizado para tratamento da mastite.

Após a identificação do animal, esse deve seguir o protocolo de tratamento, segregação e descarte do leite. O descarte, por sua vez, é necessário devido à presença de resíduos de medicamentos (antibióticos) no leite, durante o tratamento do animal. Dessa forma, resumindo, o leite produzido por vacas em tratamento ou durante o período de carência do antibiótico deverá ser completamente descartado.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Clínica ou subclínica? Qual forma a mastite se apresenta mais?
- A mastite atacou seu rebanho? Isole os agentes causadores!

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da Área Gado de Leite.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!