WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Glomerulonefrite em cães e gatos: aprenda já como diagnosticar

Você é médico veterinário e precisa saber sobre a glomerulonefrite em cães e gatos? Abaixo, um pouco sobre a doença, como diagnosticar e como proceder ao correto tratamento da doença

Glomerulonefrite em cães e gatos: aprenda já como diagnosticar

Você é médico veterinário e precisa saber um pouco mais sobre a glomerulonefrite em cães e gatos? Saiba que, abaixo, não só vou explicar um pouco sobre a doença, como também ajudar no que se refere ao diagnóstico e tratamento da doença. Acredito que utilizando-se de uma forma didática, simples e prática, você será capaz de assimilar bem mais os conceitos que abordam essa doença.

Luiz Eduardo Duarte de Oliveira, professor do Curso CPT Nefrologia e Urologia de Cães e Gatos, explica que "a glomerulonefrite, doença que acomete cães e gatos, possui como etiologia a ação de imunocomplexos nos capilares glomerulares, de forma primária e secundária". Quando ocorre uma lesão glomerular, ela se torna irreversível e todo o néfron é perdido. Tem-se então uma fibrose e cicatrização de néfrons danificados.

Mas não é só isso. É necessário que você, médico veterinário, esteja sempre atento ao processo, pois ao perder em torno de 66% a 75% dos néfrons, não ocorre mais a compensação da taxa de filtração glomerular, levando à insuficiência renal nos pacientes.

E quanto ao diagnóstico, como fazer? Vamos lá, então, a essa segunda parte do processo explicativo. Para obtenção do diagnóstico da glomerulonefrite, o médico veterinário deve verificar tanto o histórico do paciente, quanto os exames físicos, de triagem e os complementares. São eles:


• Urinálise: em um paciente com a lesão ativa, observa-se a proteinúria (proteínas na urina), como principal achado e cilindrúria (cilindros hialinos, granulares, hemáticos ou epiteliais na urina). Para confirmar a origem da proteinúria, faz-se a relação de proteína/creatinina (RPC) urinária: > 0,5 em cão e > 0,4 em gato: confirma o diagnóstico de proteinúria renal.

• Biopsia de rim: avaliação da ocorrência de lesões e da perda de néfrons. Porém é um exame não usual por ser muito invasivo.

• Histopatologia: diagnóstico definitivo.

Antes de se decidir sobre a melhor forma de tratamento do paciente, o médico veterinário deverá:


• Fazer a identificação e tratamento da causa base.

• Proceder à redução da resposta glomerular aos complexos imunes, utilizando:

» Fármacos imunossupressores: ciclofosfamida, azatioprina, ciclosporina, predinisona.
» Anti-inflamatório e tratamento de hipercoguabilidade: aspirina.

• Atentar-se aos cuidados de suporte, através de:

» Dieta com restrição de sódio e utilização de proteínas de alta digestibilidade.
» Fármacos para hipertensão: inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA), enalapril.
» Fármacos para edema ou ascite: furosemida.

• Preparar-se para o monitoramento do paciente.

O prognóstico, por sua vez, poderá ser:


• Variável em relação à gravidade da disfunção, da resposta ao tratamento e da avaliação histopatológica; e
• A doença é progressiva em muitos casos.

Gostou da matéria? Leia também:


- Como fazer desobstrução uretral em felinos? Aprenda aqui!

Um pouco mais sobre o que encontrar no Curso CPT Medicina Veterinária? Assista ao vídeo!


 

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!