WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Citologia da pele em cães e gatos. O que saber sobre o assunto?

O exame citológico de pele deve ser a primeira escolha do médico veterinário para diagnóstico de nódulos cutâneos

Citologia da pele em cães e gatos. O que saber sobre o assunto?   Artigos CPT

Você faz medicina veterinária ou é um profissional da área e precisa aprender mais sobre a Citologia da pele em cães e gatos? Saiba, então, que o exame citológico de pele deve ser a primeira escolha do médico veterinário para diagnóstico de nódulos cutâneos, e quem explica isso é Gustavo Carvalho Cobucci, Mestre em Medicina Veterinária e Professor do Curso CPT Clínica Médica de Cães e Gatos.

Mas isso não é tudo. O especialista diz, ainda, que todo nódulo de pele deve ser puncionado e é muito importante diferenciar sua localização. Quais são elas? Simples:


• Epiderme: no caso de aderência à pele superficial ou ulceração.
• Derme: sendo possível senti-lo em camadas mais profundas da pele
• Subcutâneo: a pele encontra-se livre acima do nódulo.

Citologia da pele em cães e gatos. O que saber sobre o assunto?   Artigos CPT

Foto: Punção em nódulo cutâneo de paciente canino para exame citológico.

O que mais importa ao veterinário quando o assunto em questão é a citologia de pele em cães e gatos? Pois bem, vamos lá:


a) Características e tipos de tumores
As lesões de pele e subcutâneo são classificadas segundo o esquema abaixo:

Na presença de células inflamatórias, a lesão será provavelmente sugestiva de processo inflamatório agudo. Em casos de predominância de neutrófilos ou em casos crônicos, pode haver aumento de macrófagos nos resultados.

b) Coleta por aposição
• Tecidos friáveis;
• TVTC.

A coleta de amostra por aposição pode ser feita em lesões ulceradas. Contudo, o risco de coletar somente debris celulares e células inflamatórias é grande. O TVT apresenta elevada esfoliação e pode ser facilmente diagnosticado por aposição, mesmo na presença de inflamação.

c) Visão das células coletadas
Observe a lâmina com amostra de TVTC coletada por aposição:

Foto: Lâmina de TVTC. Fonte: Hospital Veterinário (UVV).

Foto: Lâmina de TVTC.
Fonte: Hospital Veterinário (UVV).

A lâmina de TVTC evidencia células redondas e grandes, com cromatina grosseira, nucléolo proeminente, além de múltiplos vacúolos citoplasmáticos. Podemos ver ainda muitos neutrófilos associados.

d) Punção por aspiração

A punção aspirativa deve ser empregada quando a punção por capilaridade não fornecer material suficiente para o exame citológico. Para fazer a aspiração, utiliza-se uma seringa de 5 a 10 mL. O diagnóstico dessa coleta de material no dorso do paciente canino foi compatível com cisto de inclusão epidérmico. Trata-se de um tumor benigno.

Observe na imagem em microscópio, a seguir, debris celulares e cristais de colesterol presentes na amostra. Esses realmente sofreram pouca esfoliação.

Foto: Imagem microscópica de amostra de punção aspirativa em paciente canino. Fonte: Hospital Veterinário (UVV).

Foto: Imagem microscópica de amostra de punção aspirativa em paciente canino.
Fonte: Hospital Veterinário (UVV).

Gostou do assunto? Quer aprender um pouco mais? Leia a matéria abaixo:


 - Demodiciose canina generalizada. O que é e como tratar?

Um pouco mais sobre o que encontrar no Curso CPT Clínica Médica de Cães e Gatos? Assista ao vídeo!


 

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!