Resultados da busca para "criao-de-serpentes"

Criação de serpentes: um ramo interessante para se explorar

A criação de serpentes não é uma atividade muito praticada no Brasil. Apesar disso, a extração de venenos desses répteis é um negócio vantajoso, pelo elevado valor de mercado dessas substâncias, principalmente para o mercado farmacêutico.

Serpentes, venenosas e lucrativas

As serpentes colaboram, e muito, para o equilíbrio do ecossistema, além de serem aliadas no controle de doenças, pois combatem os roedores. Sem contar que seu veneno é empregado em inúmeras indústrias para produção de medicamentos para tratamento de câncer, hipertensão, cola cicatrizante, analgésicos e para fabricação do soro contra os efeitos malignos da sua picada no organismo humano.

Serpentes venenosas - alguns cuidados essenciais garantem sucesso na criação

As serpentes colaboram, e muito, para o equilíbrio do nosso ecossistema, além de serem nossas aliadas no controle de doenças, pois combatem os roedores. Sem contar que o veneno destes répteis é empregado em inúmeras indústrias para produção de medicamentos para tratamento de câncer, hipertensão, cola cicatrizante, analgésicos e fabricação do soro contra os efeitos malignos da sua picada no organismo humano. O próprio Instituto Butantã já produziu alguns medicamentos formulados com o veneno da serpente: um para pacientes que aguardam transplante de rim e outro para bebês que nascem prematuros.

Quais as principais e mais importantes serpentes do Brasil?

Segundo Pacífico Antônio Diniz Belém, professor do Curso a Distância CPT Enquanto o veterinário não chega - Atendimento a bovinos, em Livro+DVD e Curso Online, "As serpentes de maior importância no Brasil estão representadas pelos gêneros: Bothrops, Crotalus, Lachesis e Micrurus".

Serpentes: como criá-las e extrair o seu veneno dentro das normas do IBAMA

As serpentes surgiram por volta de 110 a 150 milhões de anos atrás, descendendo provavelmente de lagartos de hábitos subterrâneos.

Implantação de um serpentário: instalações e viabilidade de comercialização de serpentes

As serpentes são répteis de grande importância ao meio ambiente, colaborando para o equilíbrio do ecossistema. Além dessa característica, quando extraído, seu veneno é matéria-prima na produção de diversos medicamentos para cura de doenças humanas, como: tratamento do câncer, hipertensão, cola cicatrizante, entre outras.

As cobras mais venenosas do Brasil

Classificar as serpentes mais venenosas do Brasil é um assunto um pouco complexo, pois temos de avaliar a quantidade de acidentes ofídicos, bem como as consequências do envenenamento. No entanto, quatro delas são bastante significativas, como a coral verdadeira, a cascavel, a surucucu e a jararaca. A coral verdadeira é a mais venenosa, embora cause apenas 1% dos acidentes com cobras no país. Em segundo lugar, está a cascavel; em terceiro, a surucucu pico-de-jaca; e, em quarto, a jararaca, responsável por mais de 80% dos acidentes no Brasil. Independente de seu tamanho, uma única picada de uma dessas criaturas pode ser tão letal quanto o ataque voraz de um grande carnívoro. Por outro lado, as serpentes (ou cobras) contribuem, e muito, para a medicina. O Captopril (hipertensão), isolado do veneno da jararaca, é um exemplo disso, além da cola para fins cirúrgicos. Daí a importância de se preservar as espécies, respeitando-as.

As 10 cobras mais venenosas do mundo

As cobras venenosas dividem-se em três grupos, conforme a ação do seu veneno. O primeiro é o grupo das cobras cujo veneno age no sistema nervoso periférico, causando parada respiratória. É o caso da Taipan e da Coral Verdadeira. Já o grupo das víboras inocula substâncias tóxicas, que provocam distúrbios na coagulação do sangue, hemorragias e necrose local. Por fim, o terceiro grupo é o das serpentes marinhas, estas liberam um tipo de veneno chamado miotóxico, que causa destruição das fibras musculares e insuficiência renal aguda. Todas são extremamente letais.

Criação de serpente traz várias possibilidades de negócios

A comercialização do veneno cristalizado é uma realidade e os maiores consumidores são os laboratórios farmacêuticos, principalmente, os europeus, os asiáticos e os americanos. Apesar das variações do mercado internacional, o custo da grama do veneno cristalizado é altamente compensador, segundo o biólogo Dr. Stefan Tutzer, proprietário do Instituto Eva, na cidade de Paulínea, em São Paulo.

Veneno obtido da criação de cobras é arma na indústria farmacêutica

Substância valiosa no mercado e exigente quanto a produção. Das cerca de 3.000 espécies de serpentes conhecidas no mundo, a sociedade Brasileira de Herpetologia (2008), lista que o Brasil possui uma fauna de 360 espécies. Classificadas dentro de aproximadamente 73 gêneros, em 9 famílias, apenas 20% é capaz de inocular veneno em suas presas.

Atendimento Online
Quer Facilidade