WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cana-de-açúcar - Carregamento

Cana-de-açúcar - Carregamento

 

O carregamento é uma etapa que liga a colheita da cana à sua acomodação final nos caminhões que fazem o transporte até a usina. Essa etapa utiliza a circulação de veículos mais leves do que os treminhões dentro da lavoura, evitando, assim, a compactação do solo e aumentando a agilidade desse processo.

Os sistemas de carregamento da cana-de-açúcar podem ser manuais e mecanizados:

Carregamento manual: pouco utilizado, esse tipo de carregamento ocorre em situações em que se tem um relevo bastante acentuado. Geralmente, o carreador fica em local de desnível em relação ao talhão. Neste caso, coloca-se uma prancha de madeira que possibilita o acesso do carregador até a caçamba do veículo de transporte da cana-de-açúcar. Em outras situações, o carregamento manual é realizado quando o transporte ocorre por meio de carro de boi.

Carregamento mecanizado: carregamento que se tornou comum no Brasil na década de 1950, na região Centro-Sul, com a utilização de máquinas importadas. Atualmente, quando a propriedade apresenta relevo adequado e a dimensão justifica o uso de máquinas, a colheita mecanizada se faz presente em todas as regiões produtoras.

Muitos fatores podem influenciar na quantidade de matéria estranha arrastada por meio do carregamento mecanizado da cana-de-açúcar, entre os quais:

Qualidade da queima: Em canaviais em que a queima não ocorreu de forma eficiente, é grande a quantidade de folhas não queimadas, que na colheita mecanizada são levadas juntamente com os colmos, aumentando a quantidade de matéria estranha no carregamento. No corte manual essas folhas geralmente são retiradas.

Umidade e granulometria do solo: Quanto mais argiloso e úmido se encontra o solo, maior é a possibilidade de aumento do índice de matéria estranha no carregamento de cana. O solo úmido se adere facilmente aos colmos no momento da rolagem desses pelo terreno, que ocorre durante a ação da máquina. O solo úmido também se adere facilmente ao rastelo que está efetuando o carregamento, indo juntamente com a cana colhida para a caçamba, aumentando o percentual de matéria estranha.

Disposição dos colmos cortados: Quando os colmos estão dispostos em montes ou esteiras de modo organizado, geralmente, a quantidade de material estranho é menor, pois as movimentações das máquinas ocorrem com menos frequência.

Tipos de rastelo e garra: Rastelos com dispositivos hidráulicos que limitam a sua penetração no terreno (acompanhando o relevo do solo), e garras que também possuem esse dispositivo limitando o seu fechamento, geralmente carregam menor quantidade de material estranho junto aos colmos.

Habilidade do operador: Quanto mais experiente o operador, menor será a quantidade de material estranho presente no carregamento.

Independente da classificação, os sistemas de corte e carregamento são geralmente identificados pela forma em que a cana é recebida na indústria: cana inteira ou picada.

É importante ressaltar aqui a definição de frentes de corte. A cana-de-açúcar que chega à usina vem de pontos diferentes e é trabalhada por uma equipe denominada frente de corte, que opera com equipamentos diferentes conforme o tipo de cana (corte manual ou colheita mecanizada). A quantidade de frentes de corte depende da capacidade de moagem da usina, da distribuição geográfica e do tamanho das fazendas, entre outros fatores.

Frentes de cana inteira

A colheita mecânica comercial de cana inteira não é muito utilizada, atualmente. Portanto, quando uma frente é identificada como sendo de cana inteira, entende-se que o sistema seja semimecanizado, ou seja, com corte manual e carregamento mecânico.

Os caminhões chegam até a frente de cana inteira e se dirigem ao ponto de engate e desengate onde fazem o desprendimento de suas carretas (Romeu e Julieta e treminhão), que são, então, atreladas aos tratores-reboque. Na sequência, os caminhões desengatados e os tratores com as carretas acopladas dirigem-se para alguma carregadora dentro da área de colheita. A escolha se dá em função da carregadora que estiver mais livre. As carregadoras permanecem paradas junto à cana disposta em montes ou esteirada. O caminhão ou o trator é posicionado ao lado da carregadora, que se movimenta, coletando a cana com suas garras e depositando o feixe na carroceria do caminhão ou reboque.

Após a conclusão da carga, os caminhões e os tratores-reboque puxando as carretas dirigem-se ao ponto de engate e desengate, onde as carretas são desprendidas dos tratores, que seguem para atrelar alguma carreta vazia ou simplesmente aguardam a sua chegada. As carretas carregadas se prendem aos caminhões para formar, novamente, a composição de transporte completa (Romeu e Julieta e treminhão). Após a montagem do caminhão, é feito o acerto de carga, quando as pontas das canas são aparadas rente à carroceria, além da amarração da carga. Realizado esse processo, o caminhão retorna à usina.

Frentes de cana picada

Nos sistemas de cana inteira, os caminhões se desprendem das carretas e os equipamentos entram na área de colheita. Sistemas mais modernos utilizam transbordos, implemento que possui uma caçamba atrelada ao trator, e que possibilita transferir a cana recebida da colhedora para os caminhões. Nesse sistema, além de possibilitar ao caminhão trazer uma carga maior por viagem, dada a possibilidade de aumentar a sua carroceria, os caminhões não entram na área de colheita, o que reduz a ocorrência de compactação do solo.

Nesse sistema, os caminhões de cana picada chegam primeiro e permanecem estacionados em uma área denominada malhador. Os tratores rebocando os transbordos, normalmente duas unidades, vêm até os caminhões, acionam os pistões hidráulicos e a carroceria dos transbordos se eleva, transferindo a carga para os caminhões.

Após a transferência, os tratores se dirigem para as colhedoras, que permanecem no interior da área de colheita. A colhedora realiza sequencialmente o corte, a picação e a limpeza da cana, conduzindo-a para os transbordos. Após a conclusão da carga, os tratores se dirigem novamente ao malhador e transferem a cana para os caminhões, fechando, assim, o ciclo operacional. Quando a carga dos caminhões é finalizada, estes se dirigem para a usina.

Confira todo o conteúdo sobre Cana-de-Açúcar, acessando o link abaixo:
 
Cana-de-açúcar

Fontes: Embrapa, Wikipédia e UFPB, Ebah

Postado por Silvana Teixeira

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!