Adquira 2 ou mais Cursos CPT e ganhe Frete Grátis.

Calda Bordalesa: o que é, para que serve e como utilizar?

A calda bordalesa é um fungicida permitido na Agricultura Orgânica por ser o sulfato de cobre um produto pouco tóxico, e por melhorar o equilíbrio nutricional das plantas

Calda Bordalesa: o que é, para que serve e como utilizar? - Artigos Cursos CPT

A calda bordalesa é um fungicida que surgiu no século passado, na região de Bourdeaux, na França, para o controle de míldio em videiras. Ela resulta da mistura de sulfato de cobre com cal virgem, diluídos em água. O seu uso é permitido na Agricultura Orgânica por ser o sulfato de cobre um produto pouco tóxico, e por melhorar o equilíbrio nutricional das plantas. A preparação mais comum da calda bordalesa se dá na proporção de 1 parte de cal virgem e 1 parte de sulfato de cobre para 100 partes de água.

Segundo Luiz Geraldo Santos, professor do Curso a Distância CPT Cultivo Orgânico de Hortaliças em Estufa, em Livro+DVD e Curso Online, “A quantidade de cada ingrediente vai depender do volume final de calda pretendido. Como exemplo, vamos propor as quantidades para encher um pulverizador costal de 20 litros. Para utilizar em culturas sob estufa, reduzir a 30% as doses dos ingredientes”.

Produção da calda bordalesa - Ingredientes/Quantidade

Sulfato de cobre - 200 g
Cal virgem - 200 g
Água - 20 L

I- O sulfato de cobre

O sulfato de cobre se dissolve lentamente na água. Por isso deve-se colocar 200 g do produto em um saquinho de pano ralo, em um balde com 5 litros de água. O saquinho deve ficar suspenso, próximo à superfície da água, para facilitar a dissolução. Para dissolver mais rapidamente o sulfato de cobre, pode-se utilizar água morna ou colocá-lo na água na noite anterior.

II- A cal

A cal virgem deve ser de boa qualidade para reagir totalmente com a água. Os 200 gramas de cal são colocados no fundo de um balde com pouca água para haver reação rápida. Se não houver aquecimento da mistura em menos de 30 minutos, a cal não deve ser usada, pois é de má qualidade. Quanto mais rápida é a reação, melhor é a cal. Depois de a cal ter reagido com a água, formando uma pasta rala, deve-se completar o volume de água até 5 litros, cuja mistura terá uma aparência de leite de cal, bem homogênea.

III- A mistura

A mistura das duas soluções deverá ser feita despejando-se a mistura com sulfato de cobre sobre a de cal, nunca o contrário. A mistura deverá ter um aspecto denso, onde a cal não se decanta. Após mexer algumas vezes, coar a mistura e despejar no pulverizador, completando o volume até 20 litros.

Cuidado com a calda ácida

Para evitar queima das folhas das plantas, caso a calda esteja ácida, deve-se fazer um teste com um canivete ou faca de ferro, pingando sobre a lâmina uma gota da calda. Se, após três minutos, no local da gota se formar uma mancha avermelhada, é sinal de que a calda está ácida. Deve-se então adicionar mais leite de cal, até que a mistura fique neutra.

Recomendações de uso em estufas


Recomendações do uso da calda bordalesa em estufas - Artigos Cursos CPT

Tomate: a calda pode ser aplicada, quando a plantinha estiver com 4 folhas. Controla a requeima, a pinta-preta e a septoriose.

Batatinha: aplicar a partir de 20 dias após a germinação. Controla a requeima e a pinta-preta.

Cebola: contra a mancha púrpura e outras manchas das folhas, diluir 3 partes da calda em 1 parte de água.

Alho: usar a mesma recomendação para a cebola. Contra a ferrugem, usar calda sulfocálcica.

Beterraba: para mancha da folha (Cercospora beticola), usar 3 partes de calda para 1 de água.

Alface e chicória: para míldio e podridão de esclerotínia, usar 1 parte de calda para 1 parte de água.

Couve e repolho: para míldio e alternaria em sementeira, diluir 1 parte de calda para 1 parte de água.

Abobrinha e pepino: para míldio e outras manchas foliares, diluir 1 parte de calda em 1 parte de água.

As doenças de hortaliças geralmente ocorrem em condições de alta umidade do ar. Portanto, quando as condições do ambiente forem favoráveis às doenças, fazer aplicações semanais. Caso contrário, pulverizar quinzenalmente ou mensalmente.

Recomendações de uso em pomar


Recomendações do uso da calda bordalesa em pomar - Artigos Cursos CPT

Caqui: para cercosporiose e mycosphaerela, usar 1,5kg de cal virgem para 0,3 kg de sulfato de cobre e 100 litros de água.

Figo: para ferrugem, fazer tratamento de inverno com calda sulfocálcica. Durante a vegetação da brotação, até a maturação, deve-se pulverizar a calda bordalesa (1:1:100) periodicamente, a cada 10 a 15 dias.

Cítricos (laranja, limão, mexerica entre outros): para verrugose e melanose da laranja doce, após uma safra em que a incidência da doença foi grande, fazer 2 pulverizações - a primeira antes da florada, a segunda quando 2/3 das pétalas tiverem caído. Quando a incidência é baixa, pulverizar uma vez após a florada. Nessas pulverizações deve-se adicionar óleo mineral , porque o cobre matará os fungos que atacam as cochonilhas, podendo haver o aumento destas.

Goiaba: para ferrugem, pulverizar periodicamente de setembro a dezembro, quando as condições de clima são mais favoráveis: alta umidade do ar e temperaturas amenas.

Rosáceas (Abricó, ameixeira, amendoeira, cerejeira, macieira, marmeleiro, nectarina, nespereira e pessegueiro): entomosporiose - pulverizar com caldabordalesa ou calda sulfocálcica após a poda, até o início da formação dos frutos.

Mangueira: antracnose - pulverizar a primeira vez em fins de junho, antes do florescimento, em cobertura total, devendo molhar a copa uniformemente. A segunda pulverização deve ser feita durante o florescimento. A partir daí, fazer outras pulverizações entre 15 a 20 dias, de acordo com as condições do tempo (alta umidade e baixa temperatura), e intensidade da doença.

Morangueiro: pulverizar, até a floração, com calda sulfocálcia. Depois substituir por calda bordalesa. Para antracnose: 0,5% de calda bordalesa + 1,5 litros de calda sulfocálcica em 100 litros de água, alternada com calda sulfocálcica.

Conheça os Cursos a Distância CPT, em Livro+DVD e Cursos Online, da área Agricultura Orgânica.
Por Silvana Teixeira.

 

Salvar

Cursos Relacionados

Curso Cultivo Orgânico de Brócolis, Couve-Flor e Repolho Curso Cultivo Orgânico de Brócolis, Couve-Flor e Repolho

Com Prof. Dr. Jacimar Souza

R$ 338,00 à vista ou em até 10x de R$ 33,80 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Cultivo Orgânico de Hortaliças em Estufa Curso Cultivo Orgânico de Hortaliças em Estufa

Com Prof. Luiz Geraldo de Carvalho Santos

R$ 338,00 à vista ou em até 10x de R$ 33,80 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Cultivo Orgânico de Gengibre, Taro e Inhame Curso Cultivo Orgânico de Gengibre, Taro e Inhame

Com Prof. Carlos Alberto e Prof. Dr. Jacimar Souza

R$ 338,00 à vista ou em até 10x de R$ 33,80 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Gabriela Basilio de Souza Saibel

19 de ago de 2017

Olá, boa noite. Meu avô tem no quintal algumas plantas, entre elas alguns citros. Ta com sintoma de minador e queriamos aplicar a calda, porém ha tambem colchonilhas. Devemos aplicar calda bordalesa com o oleo mineral? se sim, vc poderia me indicar uma quantidade? Agradeço demais as informaçoes e ja registro o interesse nos cursos de produção organica. Obrigada! Gabriela

Resposta do Portal Cursos CPT

21 de ago de 2017

Olá, Gabriela.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Sim, você deverá aplicar a calda com o óleo mineiral. O óleo tem ação inseticida, principalmente contra colchonilhas. É indicado para as culturas do abacate, café, citros, figo, manga, maçã, pêra e plantas ornamentais (hibiscus e azalfias). Contra cochonilhas de carapaça (cabeça de prego, escama virgula, escama farinha, parlatória, piolho de São José, etc. ) e cochonilhas sem carapaças ( cochonilhas verde, marrom e pardinha). O óleo utilizado deve ser de grau leve, podendo ser de origem mineral (princípio ativo: 80 a 85%), vegetal (93%) ou de peixe. Este último tem sido muito indicado para controle de pragas. A dosagem do óleo mineral deve ser: primavera/verão: 1 litro/100 litros de água; outono/inverno: deve-se aumentar para 1,5 a 2,0 litros em 100 litros de água.

Quanto ao interesse pelos cursos, nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

patricia

9 de ago de 2017

BOA NOITE, POR FAVOR ME AJUDEM, AS ABELHAS CACHORAS, OU BORAS, AQUELAS PRETAS SEM FERRAO ESTAO COMENDO TODOS OS BROTOS QUE NASCEM DE MINHAS MUDAS DE LARANJAS, E DEPOIS DE COMELAS , ELAS ATACAM AS ESTREMIDADES DAS FOLHAS NOAS, FICANDO COM APARENCIA SERRILHADA, O QUE FAÇO TERIA ALGO PARA ESPANTAR ESTAS ABELHAS ?

Resposta do Portal Cursos CPT

10 de ago de 2017

Olá, Patricia.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Você pode usar a calda bordalesa ou até mesmo o Nim. Confira mais informações nesse artigo.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Artes da costa

7 de ago de 2017

Meu pomar está cheio de pulga é fumagina e não sei como combater.

Resposta do Portal Cursos CPT

8 de ago de 2017

Olá, Artes.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Você pode usar a calda bordalesa ou até mesmo o Nim, que é um inseticida natural. Mais informações aqui.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Gisele

1 de ago de 2017

Gosto muito das dicas! Em breve comprarei o curso da agricultura orgânica! Parabéns!!!

Resposta do Portal Cursos CPT

1 de ago de 2017

Olá, Gisele.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Ficamos aguardando você! Nossas consultoras entrarão em contato com informações.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

IRIS NUNES PIRES ROSA NUNES

15 de jul de 2017

Ola ,como aplicar na mangueira com cupins internos.

Resposta do Portal Cursos CPT

17 de jul de 2017

Olá, Iris.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. A melhor forma de aplicação é por meio da pulverização. Se ainda não for suficiente, recomendamos que você procure um técnico agrícola pra que possa avaliar e resolver o seu caso.

Atenciosamente, 

Renato Rodrigues.

Gustavo Neto

21 de jun de 2017

Olá, tudo bem? Para antracnose no caqui, teria alguma recomendação semelhante utilizada para outras culturas?

Resposta do Portal Cursos CPT

22 de jun de 2017

Olá, Gustavo.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Os métodos de controle da antracnose consistem na eliminação de restos culturais infectados (por exemplo, poda de limpeza, remoção e destruição de restos culturais), plantio de mudas sadias e controle químico preventivo, por meio de pulverizações com fungicidas à base de oxicloreto de cobre.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Clayton Rocha

9 de jun de 2017

Olá pessoal! Só para confirmar, não se pode aplicar a calda com frutas no pé. É isso mesmo? Muito obrigado!

Resposta do Portal Cursos CPT

9 de jun de 2017

Olá, Clayton.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Conforme o artigo, isso varia de acordo com a fruta cultivada. Na figueira, por exemplo, a aplicação deve ser feita de cada 10 a 15 dias, da brotação até a maturação, o que significa que ela deve aplicada mesmo com frutas no pé. Já nos pés de frutas cítricas, caso seja necessário pulverizar por duas vezes, a primeira deve ser antes da florada e a segunda quando 2/3 das pétalas tiverem caído, ou seja, sem antes de frutificarem.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Jose das couves

6 de jun de 2017

bons dias como se pode aplicar na videira? e para que doenças? cummprimentos

Resposta do Portal Cursos CPT

6 de jun de 2017

Olá, José.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. A aplicação deve ser feita através de borrifadores, que são mais eficientes. Geralmente, a calda bordalesa é usada para exterminar fungos, como o míldio.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Sandra M C DOS Santos Etihataru

28 de mai de 2017

Ola bom dia eu gostaria de fazer uma pergunta e não de comentar ok? gostaria de saber se posso usar no meu jardim a cauda?

Resposta do Portal Cursos CPT

29 de mai de 2017

Olá Sandra,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Pode usar sim.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Rosny Aryon Conrad

4 de mai de 2017

Muito bem explicado. Eu comprei uma moto bomfa para bombar água de 1/2 HP, instalei em cima de um Tambor de plástico de 200 litros, desci com um cano e válvula até quase o fundo, conectei uma mangueira destas de jardim com um esguicho de jardim desses reguláveis que a gente escolhe o jato, preparei com um dia de antecedência o cal e o sulfato de cobre. No dia de hoje, portanto um dia depois adicionei o sulfato de cobre já diluído à água de cal (Leite), misturei bem. Tudo pronto; tambor com a calda bordalesa no meio do pomar a tomada ligada na energia elétrica, meu ajudante ficou mexendo o preparo dentro do tambor com uma apa de madeira ligou a chave eu eu pulverizei todo o pomar com cerca de 100 pés de várias espécies de frutas em menos de uma hora. É a segunda vez que faço isso. A bomba d'água elétrica não trancou nenhuma vez com os resíduos de cal. Aconselho a usarem este sistema, pois é prático e fácil. No final, despejei o restinho da calda que se encontrava no fundo do tambor, lavei-o com água e após inseri mais 10 litros de água limpa e adicionei 1 litro de vinagre e novamente acionei a bomba até sair toda aquela mistura de água e vinagre para a limpeza da bomba do motor e também a mangueira. Se eu tivesse uma quantidade menor de pés de frutas plantadas em meu pomar usaria o pulverizador. Um abraço e muito obrigado por poder compartilhar minha experiência.

Resposta do Portal Cursos CPT

5 de mai de 2017

Olá Rosny,

Agradecemos seu comentário em nosso site.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Mais Artigos que abordam as diversas áreas do conhecimento

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade