Ligue Agora (31) 3899-7000 WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Quando as concordâncias nominal e verbal são mais aplicadas?

As concordâncias nominal e verbal são aplicadas no uso da língua formal, escrita, porque precisamos delas para produzirmos bons textos, textos coesos, textos coerentes, textos significativos

Quando as concordâncias nominal e verbal são mais aplicadas?   Artigos Cursos CPT

 

Em português, a concordância é um tema que merece muita atenção, muitos estudos e muito cuidado. É tão necessária na vida das pessoas que costuma-se dizer: “concordo com você em gênero, número e grau”. “Eis aí excelente exemplo da necessidade de atenção, pois não existe concordância em grau, apenas concordância em gênero e número”, afirma Rozimar Gomes, professora responsável pela Aula 3 – Concordância Nominal e Concordância Verbal, da Série Professor Eventual, Volume VII, elaborada pelo Centro de Produções Técnicas.

Quando e em que a concordância mais se aplica? A resposta é simples: as concordâncias nominal e verbal são mais aplicadas no uso da língua formal, escrita, porque precisamos delas para produzirmos bons textos, textos coesos, textos coerentes, textos significativos.

Por que só em textos há necessidade de aplicar as regras de concordância nominal e concordância verbal? Porque mais precisamente nos momentos da fala, que acontecem reiteradas vezes no decorrer do dia, é impossível aplicarmos as concordâncias em 100% dos casos. Absolutamente ninguém fica o tempo todo se policiando e construindo mentalmente frases corretas antes de pronunciá-las a um interlocutor, antes de dialogar com as pessoas. Veja um bom exemplo disso, muito comum de acontecer, inclusive: os ingressos acabaram? Sim, acabou tudo!

A concordância nada mais é que um mecanismo sintático em que as palavras sofrem alterações para se adaptarem às flexões de outras palavras, ou seja, concordância é o ato de fazermos com que os finais das palavras, que estão relacionadas entre si, combinem uns com os outros. Não falamos, por exemplo, o menina, os bolsas, a bolo, as repolhos, meninas inteligente, menino inteligentes; sim, a menina, as bolsas, o bolo, os repolhos, meninas inteligentes e meninos inteligentes.

Quer saber mais sobre essa Série? Conheça todas as aulas disponibilizadas em DVDs. No Box são abordados os seguintes temas:


Aula 1- Acentuação Gráfica
Aula 2- Coerência e Coesão
Aula 3- Concordância Nominal e Verbal
Aula 4- Crase
Aula 5- Classes de Palavras Invariáveis
Aula 6- Classe de Palavras Variáveis
Aula 7- Ortografia: Letras Concorrentes
Aula 8- Pontuação
Aula 9- Reforma Ortográfica
Aula 10- Regência Verbal e Nominal

Por Silvana Teixeira.

 

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!