WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Processamento mínimo de frutos e hortaliças acrescenta valor ao produto e praticidade ao consumidor

Diversos tipos de legumes, verduras e frutas podem ser microprocessados

 

A higienização dos alimentos aumenta o prazo de validade e a qualidade das frutas e hortaliças.

 

O processamento mínimo de frutos e hortaliças propicia economia de tempo ao consumidor, que cada vez mais busca praticidade. O mercado encontra-se em expansão e os principais clientes são os serviços de fornecimento de alimentos prontos para consumo ou de preparo rápido, como hotéis, restaurantes, lanchonetes e redes de supermercados.

Para que os produtos microprocessados sejam de boa qualidade é preciso ter higiene no manuseio e usar tecnologias adequadas. Isso ocasionará, também, um prazo de validade prolongado.

Os frutos e hortaliças são perecíveis e estão sujeitos a deteriorações, que levam à redução do sabor, mudanças no aroma, cor, textura e no valor nutritivo. As transformações ocorridas durante o processamento aumentam a suscetibilidade ao ataque de microrganismos que, além de reduzirem a qualidade e a vida de prateleira, podem causar risco de dano à saúde dos consumidores.

Por isso, é preciso ter muita atenção com a segurança alimentar. Os produtos hortícolas devem ser livres de agrotóxicos e impurezas que possam causar problemas à saúde. Para a professora Maria Isabel Fernandes Chitarra, no curso Processamento Mínimo de Frutos e Hortaliças, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, “no caso dos produtos minimamente processados, o ataque de microrganismos é um dos principais pontos de preocupação. Os cuidados devem começar no campo, uma vez que as condições ambientais e de cultivo têm influência direta nas características dos produtos hortícolas na fase pós-colheita e nas tecnologias utilizadas nessa fase. Podem prolongar o tempo de vida útil, mas, não melhoram a qualidade. A indústria de produtos minimamente processados é recente e, portanto, os processadores necessitam tomar precauções e providências para obtenção de produtos com alta qualidade, durabilidade e segurança no seu consumo”.

A atividade permite processar diversas frutas, legumes e hortaliças. Cada qual recebe um tratamento adequado às suas características. Ganha o consumidor e ganha o produtor, pois o tempo de preparo dos alimentos diminui, já valor do produto no mercado, após o processamento mínimo, aumenta.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!