WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Torne realidade o sonho de viver do que você ama! 20% OFF nos cursos online + 5% OFF pagando no cartão

Maioria das capitais brasileiras proíbe uso de sacolas plásticas

As sacolinhas poluem o ambiente e são responsáveis pela morte de muitos animais

 

 As ecobags são uma alternativa às sacolas plásticas e já viraram até artigo fashion. foto: Revista Crescer.

Das 27 capitais brasileiras, 17 proibiram o uso de sacolas plásticas nos supermercados. Em outras três (Fortaleza, Manaus e Curitiba), ainda tramitam nas Câmaras Municipais projetos de lei sobre o assunto que tem gerado polêmica em todo o Brasil. No entanto, mesmo com a aprovação da lei, em algumas cidades correm ações para suspendê-la.

Em São Paulo, a justiça considerou a lei inconstitucional, já que o município não possui autoridade para legislar sobre o meio ambiente. Mas, um acordo assinado pela Associação Paulista de Supermercados prevê que até o dia 3 de abril os estabelecimentos forneçam para os clientes sacolas biodegradáveis por R$ 0,19 ou caixas de papelão gratuitamente. Depois desta data, os próprios clientes devem providenciar as sacolas para o transporte das mercadorias.

No Recife, a justiça também julgou a lei inconstitucional, a lei que obriga os comerciantes a fornecerem sacolas biodegradáveis, que são degradadas mais rapidamente. A justificativa foi a mesma usada em São Paulo. Isto porque, segundo a Constituição, apenas a União, os Estados e o Distrito Federal podem legislar sobre o meio ambiente. A ação foi suspensa, mas a capital recorreu da decisão.

Para o presidente do Instituto Socioambiental dos Plásticos (Plastivida), Miguel Bahiense, a melhor solução seria o uso racional das sacolas plásticas. Isto porque alguns estudos mostraram que elas são mais adequadas para a acomodação do lixo. Segundo ele, a justificativa de que as sacolas lotam os aterros sanitários não procede, pois apenas 0,2% do material descartado é formado por sacolas, sendo que a matéria orgânica representa 65%. O ideal para Bahiense seria a incineração do lixo.

Já para a fundadora da Fundação Verde (Funverde), Ana Domingues, é preciso acabar com as sacolas plásticas e educar os consumidores a adotarem caixas de plástico ou sacolas retornáveis e, em último caso, a caixa de papelão. "As sacolas são produtos descartáveis que demoram mais de 500 anos para se desfazerem no ambiente", afirma.

Por: Maria Clara Corsino.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!