WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Frango que não transmite gripe aviária é desenvolvido por cientistas

Um estudo divulgado na revista Science descreve um traço genético que pode impedir que frangos doentes contaminem os sadios, o que reduz o risco de contaminações em humanos

Reduzir a ocorrência da doença entre os frangos, reduz, consequentemente, o impacto econômico da mesma.

Cientistas britânicos desenvolveram um novo tipo de frango, que pode prevenir a expansão da gripe aviária. O vírus, que levou prejuízos econômicos a fazendas, principalmente na Ásia, e que trouxe temor de uma epidemia entre os seres humanos, é facilmente disseminado entre o plantel de aves, que, geralmente, é criado em locais fechados.

O manejo sanitário, nesse sentido, é fundamental. O professor Dr. Luiz Fernando Teixeira Albino, no curso Criação de Frango e Galinha Caipira, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, afirma que  “para a prevenção de qualquer enfermidade, de preferência, um lote não deve utilizar a mesma cama de outro, pois os riscos de contaminação são enormes. É mais vantajoso fazer a remoção da cama, que pode ser vendida como esterco. Após, a área deve ser limpa e desinfetada com uma solução de formol a 5%. É importante eliminar os focos de contaminação do lote anterior, além de limpar a instalação hidráulica, as caixas d’água e ministrar as vacinas corretamente”.

O estudo, divulgado na revista Science, descreve um traço genético que pode impedir que frangos doentes contaminem aqueles sadios. Isso também reduziria o risco de contaminações em humanos. Ao incorporar o gene nas aves, o grupo de pesquisadores perceberam que, embora ainda possam ser infectados e, até mesmo, morrerem por causa da gripe, esses animais não transmitem a doença para os frangos não-transgênicos.

Os estudiosos concluíram que o RNA gerado pelo gene é tão amplo que deve agir contra todo o tipo de gripe, não sendo necessário reconfigurá-lo, como acontece com as vacinas atualmente administradas no plantel aviário.

Os responsáveis pela pesquisa enfatizam que essas aves foram desenvolvidas para serem usadas em experimentos científicos, e não para serem consumidas. Lembram, também, que reduzir a ocorrência da doença entre os frangos, reduz, consequentemente, o impacto econômico da mesma.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!