WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Semana do Campo CPT!

Em que idade se identifica o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade?

Tanto para fazer um diagnóstico autêntico, como para o tratamento, vários profissionais como neuropsiquiatra, médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, devem ser envolvidos

Um dos critérios oficiais é que a criança seja diagnosticada somente a partir dos sete anos.

O TDA/H – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, é considerado um distúrbio infantil muito comum e, com bastante frequência, prejudica o rendimento escolar, mesmo que em alguns casos a criança demonstre ser capaz de aprender. Porém, existem diversas outras razões para que uma criança apresente baixo desempenho, como dificuldades emocionais, auditivas ou visuais, na leitura, entre outras.

Diante disso, um dos critérios oficiais é que o pequeno seja diagnosticado somente a partir dos sete anos. Além dos fatores citados acima, o que se concluiu também foi que antes dessa idade as crianças não exercem muitas atividades que exijam concentração.

Tanto para fazer um diagnóstico autêntico, como para o tratamento, vários profissionais como neuropsiquiatra, médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, devem ser envolvidos. Por não existir um exame complementar, a neuropsiquiatra trabalha com a metodologia da entrevista clínica.

De acordo com o professor Dr. Paulo Mattos, psiquiatra e presidente da ABDA – Associação Brasileira do Déficit de Atenção, “existem alguns critérios que devem ser seguidos para saber que perguntas fazer e como fazê-las. E no caso da criança e do adolescente, é importante entrevistar não apenas a mãe e o pai, mas envolver a escola e a professora. Porque, não necessariamente, o relato dos pais é igual ao da professora”.

O fato de uma criança prestar atenção em um determinado assunto não exclui o diagnóstico. “Algumas mães dizem que quando existe interesse, o paciente presta atenção. Mas quem não é assim? Todo mundo é assim”, explica o professor Mattos, coordenador do curso A Criança e o TDA/H, desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnica.

No caso dos fonoaudiólogos, eles são envolvidos no tratamento, porque além da desatenção, existe uma grande ocorrência de dislexia, principalmente em pessoas do sexo masculino. As pesquisas demonstram que 10% dos homens que têm TDAH têm dislexia.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Dionisia Pinheiro

29 de out de 2013

Gostei muito me ajudou a entender sobre a hiperatividade, tenho uma criança de 2 anos é muito ativa não para um minuto pouco dorme e tá sempre, ativa o diagnostico é com 7 anos fiquei mais tranquila.

Resposta do Portal Cursos CPT

30 de out de 2013

Olá, Dionísia!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Ficamos felizes que o artigo tenha lhe ajudado.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!