WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Copom baixa taxa Selic de 11,5% para 11%

O empresário deve avaliar os reais efeitos dessa decisão sobre os seus negócios

 

O administrador deve ter cautela e estudar as taxas de juros, descontos e a forma de pagamento

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou recentemente que a taxa Selic passou de 11,5% para 11%. Muitos empresários aprovaram a redução de 0,5%. Mas há quem ache muito baixa essa alteração. É mesmo necessário que o empresariado pense e avalie como aproveitar as vantagens dessa mudança. Quais as implicações dessa ação para as micro e pequenas empresas, por exemplo?

O senador Eduardo Suplicy elogiou a medida, informa o Jornal do Senado. De acordo com Suplicy, é uma ação importante para evitar a inflação no Brasil e manter o ritmo de crescimento da economia. De fato, é uma decisão prudente diante da situação de instabilidade da economia internacional. Mesmo assim, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por exemplo, acredita que o “Copom deveria ter feito um corte mais agressivo para afastar de vez o risco de redução da produção e do emprego”.

No que diz respeito às micro e pequenas empresas, alguns economistas, segundo o Serviço de Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), alertam os empreenderores para que tenham cuidado ao solicitar empréstimos. “Os juros diminuíram, mas continuam elevados na ponta. A cautela é importante", afirma José Carlos de Oliveira, professor da Universidade de Brasília (UnB), citado pelo Sebrae.

Os empreendedores  precisam estar atentos, avaliar a situação das contas da organização, além de verificar se podem e como devem aproveitar essa redução da Selic. A regra básica é “ao decidir sobre a contratação de empréstimos ou descontos, o administrador deve estudar as taxas de juros ou descontos, a forma de pagamento e o impacto no fluxo de caixa em médio e longo prazo”, aconselha o especialista em administração financeira Hélvio Tadeu Cury Prazeres, professor do curso Administração Financeira na Pequena Empresa, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

Por Luci Silva

 

Leia também

Crédito para micro e pequenas empresas

R$ 118 milhões devem aquecer a economia com o 13º

Empresas resistem mais aos dois primeiros anos

Micro e pequenas empresas paulistas lucram R$ 28 bilhões

No dia do empreendedor brasileiro, dicas sobre planejamento

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!