WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Comidas do Nordeste são misturas criativas de ingredientes

Africanos, indígenas, europeus, e comunidades do médio e extremo oriente contribuíram para a formação da culinária em todos os estados da região

Atualmente, o baião de dois é um pouco diferente, pois agregou outros alimentos, o que o tornou ainda mais gostoso.

Atualmente, o baião de dois é um pouco diferente, pois agregou outros alimentos, o que o tornou ainda mais gostoso.

Comidas nordestinas são tão apreciadas que fazem sucesso em todo o mundo. A cultura do nordeste teve diversas influências na gastronomia, o que permitiu uma maior diversificação nos pratos, que se evidencia conforme a região.

Paçoca, feijão-de-corda, buchada de carneiro, sarapatel, demonstram a forte personalidade do sertanejo que se impõe de forma vigorosa no agreste. Para arrematar, o queijo do sertão assado e o café com rapadura, criando um contraste com as sobremesas da zona da mata, apaixonada pelo açúcar.

O turismo no nordeste consiste, na maioria das vezes, em passeios ao litoral. Por isso, os visitantes têm mais contato com o bobó de camarão, a deliciosa moqueca de peixe, o típico acarajé, o inesquecível sabor do arrumadinho e, como sobremesa, o pudim de tapioca. As comidas possuem arranjos diversos, uma mistura criativa de ingredientes africanos, indígenas, europeus, com intervenções do médio e extremo oriente.

Para o professor de gastronomia Eji Tomimatsu, no curso Cozinha Brasileira, projetado e desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, “a cozinha nordestina tem seus segredos. É o folclore que traduz a melhor forma de manipular os produtos. Exemplo disso é a dica para fazer camarão seco em casa. Primeiro, deve-se lavar e secar os camarões. Para assar, coloque em uma forma forrada com aroeira. Tempere com sal grosso e deixe secar ao sol”.

Ligado à religiosidade, o xinxim de galinha faz parte do ritual do candomblé. Esse prato é feito com pasta de amendoim, castanhas e gengibre. Outro prato típico da região foi cantado por Luiz Gonzaga, honrado cantor da música popular brasileira.  A letra da canção “Baião de dois”, escrita em meados do século passado, mostra que essa mistura nasceu humildemente, provavelmente no Ceará. Atualmente o baião de dois é um pouco diferente, pois agregou outros alimentos, o que o tornou ainda mais gostoso. Em Pernambuco, esse prato é conhecido como rubacão.

Por: Ariádine Morgan

 

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!