WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Black Friday 30%OFF nos cursos online 15% OFF nos cursos em livro+DVD + 5% OFF extra no cartão de crédito

Cana-de-açúcar com ureia é alternativa para alimentar na seca

Sua digestibilidade fica em torno de 60%, e o teor de proteína bruta, em torno de 10%

A cana-de-açúcar, se corrigida com 1% de ureia, é melhor que capim passado.

A produção das forrageiras é estacional. Geralmente, é possível produzir boa quantidade de forragem durante seis meses do ano. Em algumas regiões, pode-se estender por um mês a mais ou a menos, dependendo da distribuição das chuvas e da temperatura.

No caso de sistemas irrigados, é possível antecipar ou aumentar o período de pastejo. Mas a primeira coisa a saber quando se fala em irrigação é a viabilidade econômica. Ela só é viável se o custo for menor do que o da silagem de milho corrigida para proteína bruta. Em alguns casos, mesmo usando a irrigação da pastagem na época seca do ano, é preciso suplementar com volumoso, por um período de dois meses ou mais, dependendo da região e da forrageira utilizada.

As alternativas principais de volumosos para época seca do ano são silagens, fenos e cana-de-açúcar. Esta, se corrigida com 1% de ureia, é melhor do que capim passado, aquele que tem mais de 60 dias de idade.  Isso porque, segundo o professor Dr. Fermino Deresz, no curso Produção de Leite a Pasto, desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, sua digestibilidade fica em torno de 60% e o teor de proteína bruta na base da matéria seca, em torno de 10%.

“A cana-de-açúcar tem em sua composição, na base da matéria seca, em torno de 50% de açúcares, que são totalmente aproveitados pelos microrganismos do rúmen”, afirma o professor, pesquisador da Embrapa Gado de Leite.

O problema da cana são os 50% de fibra em detergente neutro (FDN). Apenas 20% a 30% dessa é digerida pelos microrganismos do rúmen, o que limita seu potencial como alimento volumoso exclusivo.

“Como a maioria dos produtores que utilizam a cana como suplemento volumoso deixa as vacas a  pasto, então, dependendo do mês do ano, a pastagem ainda pode fornecer alguma parcela significativa no consumo de matéria seca, especialmente se o manejo é feito em sistema rotativo”, completa Deresz.

Por: Clara Peron.

Curso CPT - Produção de Leite a Pasto

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!