WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cursos da Área Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo Curso Fabricação de Ração na Fazenda Curso Planejamento Alimentar em Sistema de Pastejo - Para Gado de Leite e Corte Curso Alimentação de Vacas Leiteiras em Pasto e em Confinamento Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos Curso Produção de Leite em Pasto Curso Prevenção e Controle de Mastite Curso Manejo da Vaca Gestante no Parto e Pós-Parto Curso Melhoramento Genético de Gado de Leite Curso Como Produzir Mais Leite e Mais Bezerras Curso Pastoreio de Lotação Rotacionada para Gado de Leite e Corte Curso Cana Ureia - Alimento de Baixo Custo para Bovinos Curso Bezerras de Raças Leiteiras - Do Nascimento ao Desaleitamento Curso Conforto Animal para Maior Produção de Leite Curso Sistema Superintensivo de Produção de Leite em Pasto Curso Shamballah - O Segredo da Alta Produtividade Leiteira Curso Ordenha Mecânica Curso Produção de Leite em Confinamento Curso Controle de Carrapato, Berne e Mosca-dos-Chifres Curso Recria de Novilhas para Produção de Leite Curso Formação e Manejo de Capineira Curso Sistemas Silvipastoris - Consórcio de Árvores e Pastagens Curso Criação de Bezerros de Raças Leiteiras para Corte Curso Pastejo Rotativo em Capim-Elefante Curso Pastoreio Voisin para Gado de Leite Curso Produção de Leite Orgânico Curso Vacas Meio-Sangue para Produção de Leite Curso Manejo Sanitário de Bovinos para Produção Orgânica de Leite Curso Avaliação, Julgamento e Preparo de Vacas Leiteiras para Eventos Curso Produção de Vitelos Áreas Afins 30Gado de Corte 17Pastagens e Alimentação Animal 2Produção Orgânica de Leite Depoimentos dos Alunos Alunos de Sucesso Depoimentos Publicações TV Cursos CPT Artigos Notícias Dicas Cursos CPT Entretenimento Beirada de Fogão Melhores Filmes do Cinema Reflexões

Manejo correto da ordenha contra a mastite

Com um manejo adequado, o tempo de ordenha é diminuído e a produção aumentada, pois um maior conforto é oferecido aos animais quando bem manejados

Manejo correto da ordenha contra a mastite - As teteiras, devem ser colocadas nas vacas, no máximo 1 minuto e 30 segundos após a retirada dos primeiros jatos.

As teteiras, devem ser colocadas nas vacas, no máximo 1 minuto e 30 segundos após a retirada dos primeiros jatos.

Mastite é a inflamação da glândula mamária, sendo causada, em grande parte, por bactérias e fungos. No Brasil, há estimativas que apontam uma variação de 20% a 38% na prevalência da doença.

A mastite pode ser dividida em dois grupos, quanto a sua forma de manifestação:

1) A mastite clínica, que apresenta sinais evidentes de sua manifestação, tais como edema, aumento de temperatura, endurecimento e dor na glândula mamária e / ou aparecimento de grumos, pus ou qualquer alteração nas características do leite; e

2) A mastite subclínica, que se caracteriza por alterações na composição do leite, tais como aumento na contagem de células somáticas, entre outros.

Dentre os quadros de mastite apresentados existe, também, a mastite contagiosa, que apresenta baixa incidência de casos clínicos e alta incidência de casos subclínicos, geralmente de longa duração, apresentando alta contagem de células somáticas. Esse tipo de mastite é causada por patógenos cujo habitat preferencial é o interior da glândula mamária e a superfície da pele dos tetos.

Para que haja a transmissão, é necessário que exista um elemento de ligação entre um quarto infectado e um quarto sadio. Na maioria das vezes, esses “vetores” são: mãos do ordenhador, pano / esponja para secagem dos tetos (quando utilizados em várias vacas) e teteiras. Alguns prodedimentos ajudam a evitar ocorrência de mastite nos rebanhos. Dentre eles, destacam-se:

- higiene das mãos do ordenhador: por serem uma fonte de patógenos causadora de mastite recomenda-se, antes da ordenha, a lavagem completa das mãos dos ordenhadores com água e sabão, seguida preferencialmente pela desinfecção em solução desinfetante à base de cloro, iodo ou colorexidina;

- retirada dos primeiros jatos: os primeiros 3 ou 4 jatos devem ser retirados em uma caneca telada ou de fundo preto, para diagnosticar a mastite clínica, estimular a descida do leite e retirar os jatos que apresentam maior conceNtração microbiana;

- lavagem dos tetos com água corrente: somente deverá ser feita nos casos de vacas que chegam à sala de ordenha com tetos visualmente sujos. Para isso, utiliza-se uma mangueira de baixa pressão e procede-se uma lavagem apenas dos tetos, evitando-se molhar as partes altas do úbere;

- imersão dos tetos em soluções desinfetantes: também conhecida como pré-dipping, deve-se fazer a imersão completa dos tetos em soluções como hipoclorito de sódio 2%; iodo 0,3%; ou clorexidina 0,3%;

- secagem dos tetos: quando se utiliza o pré-dipping, a etapa de secagem dos tetos passa a ser fundamental, principalmente para que não ocorra a contaminação do leite com desinfetante, além de evitar o deslizamento de teteiras, que é um dos principais determinantes de novas infecções intramamárias. Há a necessidade de se utilizar papel toalha descartável para cada vaca evitando-se assim a transmissão de bactérias de uma vaca para outra;

- colocação das teteiras: devem ser colocadas no máximo 1 minuto e 30 segundos após a retirada dos primeiros jatos, permitindo-se a menor entrada de ar possível, o que é obtido, abrindo-se o registro de vácuo, somente quando já estiver com o conjunto de teterias estranguladas para baixo, no momento da colocação para evitar a entrada de ar. Esse procedimento objetiva reduzir a ocorrência de flutuações de vácuo decorrentes da entrada de ar nas teteiras;

- ajuste das teterias durante a ordenha: deve-se fazer um monitoramento constante durante a ordenha, após a colocação de todos os conjuntos de teteiras, de forma a atender prontamente os casos de deslizamento ou queda destas. A taxa e a vazão do pulsador também precisam ser monitoradas para estarem dentro dos padrões;

- retirada das teteiras: assim que cessar o fluxo de leite, deve-se retirar as teteiras sendo, para isso, necessário fechar o registro de vácuo para que não ocorram lesões nos tetos e no esfíncter. Cabe destacar que não deve ser feito o repasse manual após a retirada das teteiras. caso haja problemas com leite residual, deve-se procurar as causas do problema que podem ser o mau funcionamento da ordenhadeira ou o manejo inadequado dos animais antes da ordenha(estresse);

- imersão dos tetos após a ordenha (pós-dipping): deve-se realizar a imersão completa dos tetos em solução desinfetante. Utiliza-se, para isso, canecas para imersão de tetos do modelo sem retorno (one way) que impedem o retorno da solução após a aplicação. Uma estratégia de manejo importante é oferecer alimentos às vacas, mantendo-as em pé durante o período imediatamente após a ordenha, no qual o esfíncter do teto não está totalmente fechado. Caso o animal se deite, há o risco de contaminação pela entrada de bactérias; e

- desinfecção das teteiras: a imersão das teteiras em solução desinfetante é uma prática que traz benefícios no combate à mastite. No entanto essa medida apresenta limitações de ordem prática, pois faz com que a sequência do trabalho de ordenha seja interrompida, gerando o aumento de tempo da ordenha.

 

 

Aprimore seus conhecimentos. Conheça os Cursos CPT da área Gado de Leite.

Acesse os links abaixo e aprenda mais sobre o assunto:


Ordenha mecânica na produção de leite

Volumosos e concentrados na alimentação de vacas leiteiras

Proteína e energia na alimentação de gado de leite

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!