WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Conquistas e desafios da mulher no mercado de trabalho

Apesar dos direitos conquistados pelas mulheres, alguns desafios ainda impedem o pleno crescimento delas no mercado de trabalho

Mulher - imagem ilustrativa

Durante anos a mulher desempenhou um papel secundário na sociedade, fadada às obrigações domésticas e a cuidar dos filhos, sem voz ativa e papel independente. Contudo, ao longo dos anos esse cenário foi mudando e, dia após dia, as mulheres foram conquistando sua independência.

Edson Moura, um dos professores do Curso CPT Liderança Gerencial – Como Desenvolver Habilidades em Liderança, destaca que, apesar de as mulheres terem conquistado o seu espaço tanto socialmente quanto profissionalmente, ainda há desafios que precisam ser superados para que obtenham isonomia em relação aos homens.

De acordo com o IBGE, o número de mulheres no mercado de trabalho é de, aproximadamente, 40 milhões. Porém, ainda que pareça um número expressivo, se compararmos com o de homens, esse número é menor. A OIT – Organização Internacional do Trabalho – ainda demonstra, em pesquisa, que o público masculino tem mais facilidade em encontrar trabalho do que o feminino.

Apesar de todas as conquistas femininas ao longo do tempo, é possível perceber a nítida dificuldade que elas assumem simplesmente pelo fato de serem mulheres. Além de os homens ocuparem mais da metade de todos os postos de trabalho, eles ainda recebem, em médio, 30% a mais do que elas.

O histórico

Como dito, perdurou por séculos a ideia de que a mulher deveria ser educada para servir ao seu marido, lar e filhos. Essa mentalidade só passou a ser combatida no século XIX, sendo permitidas a ingressarem no mercado de trabalho somente com o acontecimento da primeira e da segunda guerra mundial.

Como os homens eram enviados às batalhas, elas precisaram desempenhar funções que eram exercidas pelo público masculino. Posteriormente, quando o sistema capitalista se consolidou, dentre as várias mudanças que ocorreram, a mulher começou a fazer parte da produção fabril e, depois, de outros setores.

Conquistas da mulher no mercado de trabalho

Dois anos foram importantes para o público feminino no mercado de trabalho: 1943, quando houveram alguns avanços com a edição de normas protetivas ao público feminino, com a promulgação das leis trabalhistas; e 1988, quando a Constituição Federal foi promulgada e assegurou ainda mais a mulher no mercado de trabalho.

Dentre os direitos dos quais podem usufruir, grande parte está ligada à maternidade. Além dos 120 dias de licença-maternidade sem prejuízo do emprego e do salário, na teoria a CLT assegura a estabilidade no emprego mesmo quando ela está grávida. Além disso, a gestação não pode ser motivo de negativa de admissão.

Principais desafios

Por mais que a participação profissional da mulher hoje seja ativa e ela tenha adquirido uma série de direitos, ainda há alguns preconceitos e tabus que precisam ser quebrados para garantir participação justa no mercado de trabalho:

Diferença salarial

Já é faz parte da “cultura” de boa parte das empresas que, mesmo desempenhando as mesmas funções e possuindo as mesmas qualificações que os homens, as mulheres recebam salários menores do que os deles – e essa é uma das principais lutas delas.

Falta de oportunidades

Além do que já foi dito sobre a dificuldade do público feminino em conseguir emprego, com relação ao masculino, as mulheres possuem menos oportunidades de crescimento na empresa e se veem diante de muitos cargos patriarcais, isto é, determinadas funções ou cargos de alto escalão são designados a homens, ainda que alguma mulher possua as qualificações necessárias.

Assédio

O mesmo assédio que sofrem na rua, sofrem no ambiente de trabalho. Porém, muitas têm medo de denunciar os assediadores por acreditarem que serão demitidas ou que, pior, não serão levadas a sério. A OIT ainda indica em pesquisa que 52% das mulheres já sofreram assédio sexual no local onde trabalham.

Jornada tripla

Além do trabalho, aquele pensamento de que a mulher deve servir à casa e aos filhos, ainda é considerado “atual”, o que faz com que elas tenham essa jornada tripla. Esse problema social sobrecarrega o sexo feminino e é ainda pior quando elas são o único sustento da casa e cuidam de tudo sozinhas.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Desenvolvimento Pessoal:

Liderança Gerencial – Como Desenvolver Habilidades em Liderança
Conquiste o Seu Emprego
Empreendedorismo e Inovação

Fonte: Xerpa – xerpa.com.br/blog/
por Renato Rodrigues

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!