WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cadeirinhas automotivas: acessórios que salvam vidas no trânsito

A idade pouco importa, mas os cuidados com as crianças no trânsito devem começar pelo uso de cadeirinhas, acessórios que salvam vidas

Cadeiras automotivas
 

A idade pouco importa, mas os cuidados com as crianças no trânsito, esses sim, devem ser redobrados, e acredite: todo muito ainda é pouco! Sair de casa com crianças é uma tarefa nada fácil. Elas são elétricas, sobem nas coisas, correm para todos os lados, gostam de puxar tudo que está ao alcance de suas pequenas mãos, pegam pirraça e, talvez a mais importante de todas as características, odeiam ficar presos e é aí que mora o perigo. Cadeirinha? Nem pensar!

A cadeirinha automotiva é em muitos casos o pior de todas os castigos para os pequenos, principalmente em longas viagens ou quando passam muitas horas fora de casa. Afinal, elas acabam com a liberdade que eles tanto apreciam. Sentindo-se amarradas, as crianças ficam angustiadas, nervosas e choram. O que fazer então? Ceder às vontades dos filhos, deixando-os soltos e livres dentro do veículo em movimento, ou garantir sua segurança apesar de todo o chororô? A resposta é fácil: ignorar as lamúrias, por pior que elas sejam, e tratar de resguardar suas.

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) é bem claro e determina, tanto para as rodovias como para o perímetro urbano, em seu artigo nº 64, que crianças de até 10 anos devam ser transportadas nos bancos traseiros e usar, individualmente, cinto de segurança ou sistema de retenção equivalente (Resolução nº 15, Art. 1º.  Resumindo, em viagens ou em passeios é expressamente proibido transportar as crianças soltas ou no colo de um adulto, pois em caso de colisão, elas podem ser expelidas do veículo ou arremessadas contra as partes internas dos mesmos.

Vem, agora, uma questão de grande importância e que deixa muitos pais na dúvida: como escolher corretamente a cadeirinha para transportar meu filho, em segurança, pelo trânsito? Vamos lá. Existem três tipos distintos de cadeirinhas: Conchinha, também conhecida como Bebê Conforto; Cadeirinha fixa e o Booster.

1- Conchinha ou Bebê Conforto
Atende os recém-nascidos até completarem 8 kg. É equipada com acessórios que protegem e firmam o pescoço do bebê. Deve ser instada de forma que ele fique de frente para o encosto da poltrona, ou seja, o bebê ficará olhando para trás e não para a frente do veículo.

2- Cadeirinha fixa
A cadeirinha fixa é utilizada a partir do momento em que a criança já tem força suficiente para sustentar o pescoço e a cabeça, e até os 4 anos de idade (aproximadamente 18 quilos). A cadeirinha deve ser instalada de frente para o painel, mantendo, de preferência, a posição central no banco traseiro.

3- Booster
O booster (ou cadeira de elevação) é uma almofada com suporte rígido e dispositivos, projetada para ser fixada no banco traseiro do carro, permitindo que o cinto de segurança seja colocado na posição correta. É ideal para crianças com mais de 18 kg e até 36 kg, com menos de 1,45 m de altura, pois quando chegam nesta fase, a cadeirinha já não serve mais, e elas não têm altura suficiente para usar o cinto de segurança do carro. Em hipótese alguma o booster deverá ser substituído por almofadas, pois em uma freada brusca as almofadas podem se deslocar, fazendo com que o cinto se direcione ao pescoço da criança, provocando estrangulamento ou mesmo traumas torácicos e abdominais.

Por fim, vamos ao esclarecimento de outra dúvida muito comum entre os pais: como saber se já é hora de substituir a cadeirinha pelo booster? Para saber se a criança já está grande demais para a cadeirinha, basta observar sua nuca, caso ultrapasse o encosto da cadeira, é hora de comprar um assento maior.

Qualquer que seja a cadeirinha, sua instalação deverá ser feita de maneira correta para que ela cumpra sua função com eficiência. Desta forma, ela deverá ficar bem firme, rente à poltrona, fixada e presa ao banco pelo cinto de segurança do veículo e deslocando-se no máximo 2 cm para os lados de forma a evitar o efeito chicote em caso de colisão.

Por Silvana Teixeira.
Fonte: Portal Catalão.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!