WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Melhoramento genético de ovinos: ganho de peso, sanidade, desempenho reprodutivo e qualidade da carcaça

As características a serem incluídas no melhoramento genético ovino devem ser poucas, mas relacionadas diretamente com o retorno econômico do ovinocultor

 

Na ovinocultura, as principais características a serem trabalhadas por meio do melhoramento genético são as relacionadas à produção e variam com o tipo de atividade desenvolvida no criatório: produção de carne, leite ou lã. Um ovino pode ter um melhor desempenho em termos de precocidade, por influência da maior habilidade materna da sua mãe, ou ainda, por menor susceptibilidade a problemas sanitários.

A pergunta a ser feita é: quais características de um rebanho ovino poderiam ser afetadas positivamente por um programa de melhoramento genético, utilizando seleção, descartes e acasalamentos direcionados? Certamente, o ovinocultor gostaria de trabalhar características que poderiam determinar maior produtividade e rentabilidade para a criação de ovinos. Mas, quais são elas?

As características a serem incluídas no melhoramento genético ovino devem ser poucas, mas importantes, que estejam relacionadas diretamente com o retorno econômico. Por isso, devem-se buscar aquelas que afetem a eficiência biológica do rebanho, os custos de produção e o atendimento ao mercado.

Incluir características pouco ou nada correlacionadas a esses três fatores se faz desnecessário, por não haver vantagem nenhuma para a atividade. Ao contrário, incluir características sem importância determina perda de eficiência na seleção e redução do ganho genético nas características que realmente interessam e, claro, redução da eficiência econômica da atividade.

Por isso, em um programa de melhoramento genético, você deve escolher atuar sobre as características que significativamente podem ser trabalhadas. A escolha deve recair sobre aquelas nas quais o seu rebanho está com pior desempenho.

Logo, a decisão sobre quais características trabalhar deve ser tomada com base em uma combinação entre as necessidades da propriedade, a herdabilidade da característica e seu índice de importância relativa.

Características mais trabalhadas em rebanhos ovinos:

→Ganho de peso;
→Sanidade – resistência à verminose;
→Desempenho reprodutivo;
→Qualidade da carcaça.

Ganho de peso

O ganho de peso do ovino está relacionado ao desenvolvimento ponderal e garante aos machos a capacidade de alcançar peso de abate mais rápido. Já para as fêmeas, significa atingir o peso de cobertura mais cedo. A referência de medida de peso é obtida com pesagens mensais de todos os ovinos em crescimento e, posteriormente, calculando-se o ganho de peso diário e os pesos corrigidos ou interpolados para os 45, 90, 120, 180, 365 dias de idade.

Sanidade – resistência à verminose

Os parasitas gastrointestinais constituem um dos maiores problemas dos ovinos criados em pastagens, sendo indispensável seu controle com anti-helmínticos, associados à descontaminação dos pastos por meio de rodízio. Os ovinos resistentes oferecem várias vantagens: eles não têm seu desempenho prejudicado pelos helmintos, reduz-se a mortalidade por esse problema e o ovinocultor reduz gastos com medicamentos de controle de parasitas. A resistência à verminose é uma característica com herdabilidade média, justificando ser incluída em um programa de melhoramento genético, dada a sua grande importância.

Uma das formas de verificar a ocorrência de verminose é por meio do método Famacha, pelo qual um técnico ou tratador bem treinado examina a coloração da mucosa conjuntiva dos animais, que pode indicar a presença da verminose e a sua gravidade. Após o diagnóstico, os ovinos positivos são vermifugados, sendo feito o registro da ocorrência.

Desempenho reprodutivo

O desempenho reprodutivo, que indica a fertilidade do rebanho e a habilidade materna, determinada pela capacidade das matrizes em desmamar cordeiros pesados, são características de grande importância para o rebanho ovino. Mesmo não tendo uma alta herdabilidade, a fertilidade e a habilidade materna das matrizes devem figurar sempre como uma preocupação do criador de ovinos.

O descarte de ovinos inférteis e sem habilidade materna deve ser feito constantemente. Mesmo a sua baixa herdabilidade é uma característica que deve ser sempre melhorada geneticamente. Entretanto, deve-se sempre associar o melhoramento genético a técnicas adequadas de manejo, nutrição e sanidade, além de uma rotina de descartes estratégicos, para se obter um alto desempenho nesses quesitos.

Os principais fatores positivos que fazem aumentar o ganho genético em um rebanho são a intensidade de seleção e a herdabilidade dos caracteres de interesse econômico. Logo, se o criador pretende implantar um programa de melhoramento genético, terá de buscar uma intensidade de seleção adequada para o que planeja, além de conhecer o grau de herdabilidade dos caracteres mais importantes em termos econômicos.

Em suma, o melhoramento das características de reprodução deve ter prioridade, juntamente ao uso de boas técnicas de manejo reprodutivo, de nutrição e de sanidade, pois o desempenho reprodutivo terá influência sobre o andamento do melhoramento para as características de produção.

Qualidade da carcaça

Um primeiro fator a considerar, quando analisamos a influência genética sobre a qualidade da carne produzida, é a raça do ovino. Existem diferenças genéticas entre raças e dentro de raças, que podem ser exploradas. Daí a importância de uma boa escolha de raça para a produção de carne.

Para um programa de melhoramento genético dos ovinos, a primeira característica relacionada à qualidade da carcaça a ser considerada é o peso dela, que, apesar de ser um caráter de produção, determina uma qualidade muito importante na qualificação do produto no frigorífico.

Da mesma forma, merece destaque o rendimento da carcaça, ou seja, a reação entre o peso da carcaça e o peso vivo do ovino ao abate, assim como a conformação, ou seja, as dimensões relativas de cada parte da carcaça, no que tange à musculosidade, à presença de gordura, a área do olho do lombo, além do pH e da cor da carne.

Outras características

No Brasil, a produção de carne ovina é o ramo mais importante da ovinocultura. Entretanto, a produção leiteira e a produção de lã também estão presentes em algumas regiões. Essas atividades possuem algumas características bem particulares, que devem ser observadas para o melhoramento genético do ovino.

PRODUÇÃO DE LÃ

Para a ovinocultura produtora de lã, a produção de lã de boa qualidade e em grande quantidade deve ser buscada. Principalmente, o peso da lã, o seu comprimento e a espessura da lã colhida em cada tosquia devem ser utilizados como padrão para o melhoramento genético desses plantéis.

PRODUÇÃO LEITEIRA

Por fim, na ovinocultura leiteira, a maior produção de leite, a qualidade do leite produzido e a persistência da lactação são as características mais importantes a serem melhoradas por meio das técnicas de melhoramento genético.

Por Andréa Oliveira.

Confira os Cursos CPT, da área Criação de Ovinos, elaborados pelo Centro de Produções Técnicas.

Entre eles, destacam-se:

Curso CPT Melhoramento Genético de Ovinos

Curso CPT Inseminação Artificial em Ovinos Convencional e em Tempo Fixo

Curso CPT Raças e Cruzamentos de Ovinos

Curso CPT Criação de Ovinos de Corte

Curso CPT Criação de Ovinos para Produção de Lã

Curso CPT Instalações para Ovinos

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!