WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Como selecionar o manancial de água para abastecimento

Na seleção do manancial de água para abastecimento da propriedade rural, é preciso analisar os fatores ambientais, além dos riscos potenciais de contaminação/poluição

Na seleção do manancial de água para abastecimento da propriedade rural, é preciso analisar os fatores ambientais

 

Na seleção do manancial de água para abastecimento da propriedade rural, é preciso analisar os fatores ambientais, os riscos potenciais de contaminação/poluição, a proteção existente em relação ao manancial, a geologia/topografia da área, a avaliação de alguns parâmetros qualitativos e quantitativos, o custo desde a captação à distribuição, e a participação comunitária quando o uso da água for coletivo.

Realizada essa avaliação e, dependendo do tipo de tratamento e do uso da água, será necessário submetê-la a exames físico-químicos e bacteriológicos. Esses exames deverão ser repetidos após a construção do sistema de captação ou de tratamento de água. É importante manter em dia a vigilância das condições de proteção do manancial, bem como fazer o monitoramento da qualidade da água, por meio de exames laboratoriais.

As amostras a serem enviadas ao laboratório precisam ser devidamente identificadas, contendo as seguintes informações: procedência; remetente; natureza da amostra (in natura, clorada ou filtrada); local da coleta (poço raso, nascente, rio, represa, poço artesiano, entre outros); e data da coleta. Em geral, no meio rural, quando se tratar de fontes de água bem protegidas, o exame bacteriológico geralmente será suficiente para avaliar a sua qualidade.

Os seguintes cuidados devem ser observados no ato de colher as amostras para o teste bacteriológico:

→Ao coletar água de canalizações, devem ser descartadas as primeiras porções e flambar a boca da torneira (com o auxílio de um pouco de jornal, passar uma chama em volta da boca da torneira), deixar fluir novamente a água e fazer a coleta rapidamente;

→Para águas superficiais (córregos, rios, lagoas e represas) a coleta da água deverá ser feita distante das margens e abaixo da superfície da água, a aproximadamente 15 cm;

→Quando a água for clorada, será necessário neutralizar o cloro presente, utilizando-se tiossulfato de sódio, a 10%, na dosagem de 100 mg/L. (para 100 mL de amostra de água, adicionar 0,1 mL da solução, a 10%).

Obs.: Geralmente o laboratório oficial fornece o frasco apropriado, esterilizado, com a solução de tiossulfato de sódio, quando a água a ser coletada é clorada.

→Para amostras de nascentes, colhidas no olho da nascente, basta abrir o frasco e fazer a coleta rapidamente.

Atenção!

Recomenda-se que a quantidade da amostra ocupe 3/4 da capacidade do frasco. Assim, as amostras de água, após serem coletadas, devem ser enviadas rapidamente para o laboratório, de preferência, em condições de baixa temperatura, utilizando-se, por exemplo, uma caixa de isopor contendo gelo.

Por Andréa Oliveira.

Confira o Curso CPT Tratamento de Água no Meio Rural.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!