Aterros sanitários: sistemas de drenagem e drenagem do chorume

Os sistemas de drenagem de aterros sanitários deverão ser projetados visando a drenagem superficial e de águas pluviais, a drenagem do chorume e a drenagem do biogás

Aterros sanitários: sistemas de drenagem e drenagem do chorume    Artigos Cursos CPT

 

Os sistemas de drenagem de aterros sanitários deverão ser projetados visando a drenagem superficial e de águas pluviais, a drenagem do chorume e a drenagem do biogás, afirma Maeli Estrela Borges, professora do Curso a Distância CPT Aterro Sanitário - Planejamento e Operação, em Livro+DVD e Curso Online.

A drenagem de águas pluviais tem como objetivos evitar transtornos operacionais ou o aumento da produção de líquido percolado. A solução mais simples para esse tipo de drenagem é a execução de valetas com seção retangular e declividade de fundo superior ou igual a 2%, para as laterais do terreno, conduzindo toda a água canalizada para ponto distante, onde não cause problemas de estabilidade ao aterro ou aumento da geração de líquido percolado.

Portanto, a qualidade de um aterro sanitário é função de uma operação criteriosa e de uma drenagem satisfatória. Utilizando-se eficiente sistema de drenagem de águas superficiais, o líquido percolado se restringe apenas ao chorume, cuja produção, na maioria das vezes, é de pequeno volume.

O chorume, por sua vez, é um líquido escuro e mal-cheiroso, resultado da decomposição e da dissolução em água da matéria orgânica. O chorume deve ser captado e tratado em processos biológicos, como lagoas de estabilização e, ou, em reatores anaeróbios ou em filtros biológicos. Também pode ser recirculado para infiltração no aterro sanitário.

É importante que seja mantido o monitoramento periódico do chorume, fazendo análises da água subterrânea na área do aterro, para identificar se está havendo contaminação pelo chorume percolado e também monitorar o volume de coleta em relação à estimativa do projeto e a qualidade do efluente do tratamento, para serem mantidos os padrões exigidos pela legislação ambiental. Entretanto, ao se cuidar da drenagem e do tratamento do chorume, todo cuidado deve ser dispensado, para evitar que, por infiltração, atinja o lençol freático e polua águas subterrâneas.

Para aterros de lixo domiciliar, cuja cota de início de operação for igual ou superior a 3 metros acima do nível do lençol d'água, dependendo das condições do aterro e das características do solo, a pequena produção de chorume, sendo de reduzido valor de DBO, pode se infiltrar no subsolo sem apresentar grandes riscos de poluição. Essa segurança deve-se ao poder depurador do solo e por ser o mesmo um filtro por excelência. Caso contrário, o chorume deverá ser drenado, coletado e tratado preferencialmente por processos biológicos.

O sistema de drenagem do líquido percolado é formado por drenos horizontais, em forma de espinha de peixe, convergentes, radiais ou de outras formas. São drenos executados com auxílio de retro-escavadeiras e se constituem de valas com seção aproximada de 60 x 60 centímetros, preenchidas com brita três ou quatro, com declividade de fundo não inferior a 1%, em direção ao ponto de capitação de chorume ou diretamente a sistemas de tratamento biológico.

A drenagem, a captação e o tratamento do chorume ou líquido percolado é uma das fases mais difíceis da operação de aterro sanitário. Em decorrência das altas concentrações de material sólido, existentes no líquido a ser tratado, os processos de tratamento estritamente químicos tornam-se bastante onerosos. Considerando a semelhança de características do chorume ou líquido percolado com o esgoto doméstico, sendo o primeiro composto de grande porcentual de matéria orgânica biodegradável de difícil decantação, para melhorar a qualidade dos efluentes dos aterros, são recomendados para tratamento do percolado os processos de:
a) lagoa de estabilização; e
b) filtros biológicos.

Os dois processos são recomendados pela elevada eficiência, baixo custo de construção, pela operação e manutenção fáceis e econômicas, se comparadas com a maioria dos processos convencionais de tratamento de esgoto. O chorume pode também ser recirculado para infiltração no aterro sanitário, com a vantagem de interferir positivamente no aumento da produção de biogás.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Como é o dia a dia de um aterro sanitário (lixão), você sabe?
- Licenciamento ambiental para aterros sanitários. Isso é mesmo necessário?

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT, em Livros+DVDs e Cursos Online, da área Meio Ambiente.
Por Silvana Teixeira.

Cursos Relacionados

Curso Técnicas de Avaliação de Impactos Ambientais Curso Técnicas de Avaliação de Impactos Ambientais

Com Prof. Dr. Elias Silva

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Aterro Sanitário - Planejamento e Operação Curso Aterro Sanitário - Planejamento e Operação

Com Prof.ª Maeli Borges

R$ 378,00 à vista ou em até 12x de R$ 31,50 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Impactos Ambientais na Propriedade Rural - Prevenção e Controle Curso Impactos Ambientais na Propriedade Rural - Prevenção e Controle

Com Prof. Ulysses Freire

R$ 498,00 à vista ou em até 12x de R$ 41,50 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Outros artigos relacionados à área Meio Ambiente

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade