WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

5 orientações de especialistas para irrigação de gramados

Um dos principais aspectos do manejo de gramados é sua alta exigência em água embora resistentes à seca

5 orientações de especialistas para irrigação de gramados

“Um dos principais aspectos do manejo de gramados é sua alta exigência em água. Além de o sistema radicular ser quase que superficial, a grama apresenta grande área exposta diretamente ao sol, o que aumenta a evapotranspiração. Por isso, deve-se evitar o déficit hídrico severo da planta com a ajuda da irrigação”, enfatiza Cláudio Coelho de Paula, engenheiro agrônomo e professor do Curso CPT Cultivo de Gramas e Implantação de Gramados.

Quando o gramado é cultivado em áreas extensas, o sistema de irrigação mais adequado é por aspersão. Já em áreas menores, mangueiras com furinhos cumprem muito bem o papel de irrigar. Em ambas as formas, é possível economizar água, de forma sustentável, sem deixar a grama seca. Pelo contrário, com a quantidade certa de água (e no momento certo) o gramado se mantém verde e viçoso.

Escolher variedades resistentes à seca


Uma alternativa para otimizar a irrigação no gramado é com o plantio de cultivares de espécies resistentes. Algumas delas apresentam capacidade para suportar dias de estresse hídrico vele a moderado. Basta irrigar um pouco que, logo, o gramado se torna verdejante novamente. No Brasil, a campeã de todas as espécies de grama é a Zoysia japônica, ou grama Esmeralda, como é conhecida popularmente.

Irrigar conforme o tipo de solo


Antes de conhecer o terreno, é importante avaliar o tipo de solo assim como suas condições. Locais com solo argiloso e compacto, por exemplo, formam poças d’água. Por isso, a irrigação deve ser realizada, aos poucos e com pouco volume de água, para que toda a água infiltre no solo. Por outro lado, locais com solos arenosos precisam de matéria orgânica para reter a água da irrigação.

Estimular o enraizamento


Todo sistema de irrigação deve ser projetado conforme as particularidades do terreno, do solo, do tipo de gramado, entre outros fatores. Nesse contexto, é interessante proceder à irrigação e deixar um intervalo entre quatro e cinco dias sem irrigar. A prática estimula o enraizamento mais profundo da grama. Com isso, o gramado é capaz de resistir melhor à seca por períodos mais longos.

Impedir a evapotranspiração da grama


O momento correto do dia é determinante para melhorar a eficiência da irrigação e economizar água. A parte da manhã, nas primeiras horas do dia, é ideal para irrigar o gramado. Com isso, evita-se aspergir a grama, em horários muito quentes, que propiciam a perda de água pela evapotranspiração. Entretanto, para garantir uniformidade à irrigação, é preciso evitar dias com ventos fortes.

Controlar o thatch entre a grama e o solo


Thatch são tecido vegetal em decomposição entre solo e grama. Quando essa camada é maior do que o normal, criam-se condições favoráveis para o aparecimento de doenças e pragas, o que impacta no gramado. Por isso, torna-se indispensável controlar o thatch para não ultrapassar 1,5 centímetros. Dessa forma, o enraizamento se torna mais profundo e a grama mais bonita, verde e vigorosa.

Conheça os Cursos CPT da Área Jardinagem e Paisagismo:

Cultivo de Gramas e Implantação de Gramados

Planejamento, Implantação e Manutenção de Jardins

Como Montar uma Empresa de Manutenção de Jardins

Fonte: Associação Nacional Grama Legal - gramalegal.com

Por Andréa Oliveira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!