WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Tomate hidropônico - aprenda a preparar a solução nutritiva

A formulação de uma solução que garanta um desenvolvimento máximo com custo mínimo depende de inúmeros fatores que influenciam a absorção

tomate hidropônico

Um dos segredos para o sucesso do cultivo hidropônico é a formulação da solução nutritiva.

Um dos segredos para o sucesso do cultivo hidropônico é a formulação da solução nutritiva.  A formulação de uma solução que garanta um desenvolvimento máximo com custo mínimo depende de inúmeros fatores que influenciam a absorção. Entre eles, destacam-se: espécie, variedade ou cultivar, estádio de desenvolvimento, parte da planta a ser colhida, fotoperíodo, temperatura e intensidade luminosa a que a planta está submetida.

As diferentes espécies e variedades de plantas têm diferentes necessidades de nutrientes, particularmente nitrogênio, fósforo e potássio. A alface e outros vegetais, em que a parte comerciável são as folhas, geralmente, necessitam de maior quantidade de nitrogênio que aqueles em que se comercializam os frutos.

“Esses últimos, normalmente, exigem maiores quantidades de fósforo, de potássio e de cálcio”, afirma o professor Fabrício Rossi, do curso Hidroponia: cultivo de tomates, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

A absorção de íons do meio nutritivo é um processo dinâmico e seletivo, destacando-se a proporção relativa entre os nutrientes na solução, o pH e a pressão osmótica, entre outros fatores, os quais podem interferir na absorção ou provocar a precipitação de compostos insolúveis.

A concentração de um determinado nutriente nos tecidos afeta a sua absorção e de tal forma, que a solução nutritiva deve apresentar as mesmas proporções entre Ca2+:K+:Mg2+ e entre NO3-:H2PO4-:SO42- encontradas nos tecidos vegetais, em suas diversas fases de crescimento.

Nutrientes necessários
São 16 os elementos essenciais às plantas. Três são nutrientes não-minerais: C (Carbono), H (Hidrogênio) e O (Oxigênio) e são incorporados pelas plantas através da água (H2O) e da atmosfera (CO2).

Treze são nutrientes minerais, absorvidos pelas raízes das plantas. São divididos em dois grupos, os macronutrientes (absorvidos em maior quantidade): N (Nitrogênio), P (Fósforo), K (Potássio), Ca (Cálcio), Mg (Magnésio) e S (Enxofre); e os micronutrientes (não menos importantes, somente absorvidos em menores quantidades): B (Boro), Cl (Cloro), Cu (Cobre), Fe (Ferro), Mn (Manganês), Mo (Molibidênio) e Zn (Zinco).

Além de água potável e de poço artesiano, pode-se utilizar água da superfície e água recolhida das chuvas. Um importante parâmetro da água que deve ser considerado é a sua condutividade elétrica. Ela deve ser inferior a 0,5 mS/cm.

Para o tomate, após pronta a solução nutritiva, o valor de condutividade elétrica deve ser de no máximo 4,0 mS/cm, sendo que, acima desse valor, a planta pode ser prejudicada pelo excesso da salinidade da solução.

Existem várias fórmulas de solução nutritiva para tomate. Abaixo são dados os valores recomendados para composição nutricional em tomateiros, cultivados em sistema NFT:

PROCESSAMENTO DO TOMATE

Para o tomate, após pronta a solução nutritiva, o valor de condutividade elétrica deve ser de no máximo 4,0 mS/cm

Macronutrientes
Nitrogênio (N) - 150 a 200 ppm
Fósforo (P)  - 40 a 60 ppm
Potássio (K) - 250 a 350 ppm
Cálcio (Ca) - 150 a 250 ppm
Enxofre (S) - 50 a 130 ppm
Magnésio (Mg)
- 40 a 60 ppm

Micronutrientes

Ferro (Fe) - 1,5 a 2,0 ppm
Manganês (Mn) - 0,5 a 0,8 ppm
Boro (B) - 0,5 a 0,6 ppm
Zinco (Zn) - 0,1 a 0,2 ppm
Cobre (Cu) - 0,1 a 0,2 ppm
Molibdênio (Mo) - 0,01 ppm

Sais e fertilizantes
que podem ser utilizados para compor a solução nutritiva

Nitrato de Potássio -  K 36%   e   N 13%
Nitrato de Cálcio Hydro  -  Ca 19%   e   N 15,5%
Nitrato de Magnésio - Mg 9,5%   e   N 11%
Sulfato de Amônio - N 21%   e   S 24%
Monoamôniofosfato (MAP)  - N 11%   e   P 21%
Diamôniofosfato (DAP) - N 18%  e  P 20%
Nitrato de Amônio - N 33%
Fosfato Monobásico de Potássio - K 29%  e  P 23%
Cloreto de Potássio - K 52%  e  Cl 47%
Sulfato de Potássio - K 41%  e  S 17%
Sulfato de Magnésio - Mg 10%  e  S 13%
Cloreto de Cálcio - Ca 22%  e  Cl 38%
Sulfato ferroso - Fe 20%  e  S 11%
EDTA - dissódico complexante para ferro
Ácido Bórico - B 17%
Bórax - B 11%
Sulfato de Cobre - Cu 24%  e  S 12%
Sulfato de Manganês - Mn 25%  e  S 21%
Cloreto de Manganês - Mn 27%  e  Cl 35%
Sulfato de Zinco - Zn 22%  e  S 11%
Cloreto de Zinco - Zn 45%  e  Cl 52%
Molibdato de Sódio - Mo 39%
Molibdato de Amônio - Mo 54%
Trióxido de Molibdênio - Mo 66%

Preparo da solução nutritiva

1- O primeiro passo é determinar a quantidade de solução nutritiva que será preparada. Para isto, faça o cálculo, baseando-se no volume de solução que será utilizada por planta. Para tomate, recomenda-se utilizar de 4 a 7 L de solução nutritiva por planta.

2- Quando se utilizam substratos para o crescimento das raízes (areia, cascalho, vermiculita, entre outros), a solução nutritiva deve ser aplicada com uma frequência que não permita nunca a secagem do substrato ou seu encharcamento prolongado. Para o preparo da solução nutritiva, siga os passos a seguir:
- Preencha metade do recipiente onde ficará a solução nutritiva com água.
- Dissolva os sais, um a um, em um balde com água.
- Adicione um a um ao reservatório.
- Prepare uma solução estoque de Micronutriente, dissolvendo-os um a um, em um balde com água, menos o Ferro, que deverá ser queletizado.
- Adicione os micronutrientes à solução nutritiva.
- Utilize a relação de 1:1,20 g de Sulfato Ferroso para Na2 EDTA.
- Dilua 10 g de Sulfato Ferroso (Fe2SO4 . 7 H2O ) em 1L de água quente
- Dilua 12 g de EDTA dissódico (Na2 EDTA) em 1 L de água quente
- Verta lentamente. A solução de EDTA dissódico na solução de Sulfato Ferroso
- Agite bem a mistura.
- Adicione os dois litros da solução Fe-EDTA para cada 1.000 L de solução nutritiva.
- Complete o volume do recipiente com água.

tomate hidropônico

A solução nutritiva, ou o substrato sólido que a recebe, deve ficar protegida da luz para evitar o desenvolvimento de algas 

A solução nutritiva, ou o substrato sólido que a recebe, deve ficar protegida da luz para evitar o desenvolvimento de algas, as quais competirão por nutrientes com as plantas e, ou exsudarão substâncias nocivas a elas.

O pH da solução nutritiva também é extremamente importante. Ele deve ser verificado logo após o preparo da solução e, posteriormente, com certa frequência. O aconselhável é que ele situe-se entre 5,5 e 7,0. Caso o pH esteja acima de 7,0, pode-se diminuí-lo, acrescentando Ácido Fosfórico (H3PO4) ou Ácido Sulfúrico (H2SO4). Para aumentá-lo, pode-se utilizar Hidróxido de Potássio (KOH). O produto deve ser adicionado diluído em água em pequena quantidade e medido o pH novamente. Procede-se desta maneira até o pH atingir o valor adequado.

Confira mais informações, acessando os cursos da área Hidroponia.

Por Silvana Teixeira

 

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Sebastião Osmar Cinquini

26 de abr. de 2020

Aposentei, gostaria de conhecer melhor o plantio de tomates em vasos.

Resposta do Portal Cursos CPT

28 de abr. de 2020

Olá,Sebastião 

Como vai?

Como é bom ver pessoas que se interessam em aprimorar seus conhecimentos!

Uma de nossas consultoras entrará em contato com você para lhe passar maiores detalhes sobre nossos cursos.

Atenciosamente,

Erika Lopes

Vera

5 de jan. de 2019

Olá....como sei que a solução está com os nutrientes corretos, depois de dias de absorção?

Resposta do Portal Cursos CPT

7 de jan. de 2019

Olá Vera,

Agradecemos a visita e comentário em nosso site. Cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

carlos alberto

30 de mar. de 2018

Seria ótimo que vocês publicassem em pdf, ademais está tudo ótimo

Resposta do Portal Cursos CPT

2 de abr. de 2018

Olá Carlos Alberto,

Agradecemos sua sugestão e ficamos felizes que tenha gostado do nosso conteúdo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Tainá da Cunha de Oliveira

25 de fev. de 2018

Estou incrivelmente apaixonada por esse site!! Eu e meu namorado pretendemos começar uma horta hidropônica e esperamos que possamos usar esse site como guia! Iremos ser gratos ❤️

Resposta do Portal Cursos CPT

26 de fev. de 2018

Olá Tainá,

Ficamos felizes que tenha gostado do nosso conteúdo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Eliezer Ferraz de Almeida

29 de out. de 2017

Gostei muito das instruções, queria aprender mais, obrigado.

Resposta do Portal Cursos CPT

30 de out. de 2017

Olá, Eliezer.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Nosso site é atualizado diariamente com artigos, notícias e outras matérias. Fique ligado, é um prazer receber você aqui!

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

celso paladino

8 de nov. de 2015

gostaria de saber se para acelerar um plantio de solo pode se usar fertilizante de plantio hidropônico??pois eu só tenho uma laje e vou plantar em vasos grandes.no aguardo obrigada.

Resposta do Portal Cursos CPT

9 de nov. de 2015

Olá, Celso!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações recomendamos que procure um engenheiro agrônomo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

sergio amaro teruel

18 de fev. de 2015

Olá boa tarde!! Gostaria muito de cultivar alguns tipos de hortaliças, em estufa, pois possuo uma pequena chácara, gostaria de plantar pepino e tomate em estufas, preciso de ajuda, pois não conheço muita coisa, gostaria de saber se pode me enviar uma receita passo a passo como nutrir pepino e tomate na estufa, o que passar nas folha. Fico agradecido, um abraço

Resposta do Portal Cursos CPT

19 de fev. de 2015

Olá, Sérgio!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Os seguintes artigos podem ser de grande ajuda: Tomate hidropônico - o sucesso do cultivo nesse sistema; Tomate hidropônico - o ambiente protegido e controlado; Tomate hidropônico - sistema aberto, fechado e NFT; Produção de pepinos em estufa - salinização do solo; Produção de pepinos em estufa - transplante, condução, polinização e irrigação das mudas.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

José paulo

1 de out. de 2014

Eu gosto muito de trabalhar com hidroponia. Eu trabalho e uma organização de plantação de pimenta cem por 100% hidropônica. Conhecida como vinagrete de pimenta da tapera. Em Maceió no sertão de Alagoas.

Resposta do Portal Cursos CPT

3 de out. de 2014

Olá, José Paulo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Ficamos felizes que tenha gostado do nosso artigo sobre hidroponia.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

marcelo ciantelli

11 de jul. de 2014

Boa noite, tenho uma pequena horta hidropônica (60) mudas: cultivo alface, rúcula, almeirão, cheiro verde, entre outros e uso nutrientes pra rúcula, estão bonitas, agora quero colocar tomate também, perguntas: Posso plantar o tomate junto? Se puder que nutrientes devo adicionar? Se adicionar outros nutrientes vai afetar minha minha produção de alface , rúcula , almeirão , cheiro verde etc...?

Resposta do Portal Cursos CPT

15 de jul. de 2014

Olá, Marcelo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Para mais informações recomendamos que consulte um especialista em hidroponia para mais informações de como proceder.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Cristiano Luiz Menzen

20 de mar. de 2014

Olá! Antes de mais nada e um prazer em escreve-los , dentre estes cursos à algum que se encaixe em produção semi hidropônica . Possuo uma grande área produtiva de tomates em vasos com substrato , mas o custo benefício por adubação pronta não o faz jus, e a baixa concorrência nos leva a pouco distribuidores, a adubação é básica,( fósforo, potássio, molibdênio , enxofre...) e os micronutrientes quase sempre não existem, ou e em pequena quantidade, ou seja o básico para as três ou quatro floradas de arranque. E outra coisa importantíssima, a salinização e um problema grande. Se eu fizer esta adubação como acima posso incorporar algum produto para a mesma, pois a cada 2 ou 3 adubações feitas, tenho que irrigar mais água , assim acabando por dessalinizar e também lavando a adubação já feita tendo como condutividade de 3,0 a 4,0 mS/cm, mesmo tendo em vista da condutividade, o substrato não deixa a planta absorver todos os nutrientes, por isso a causa do excesso de sal. Meu engenheiro agrônomo diz que é normal salinizar, mas as vezes e em excesso . Não sei se estou certo, ou ele esta certo. Desde já agradeço, e desculpe-me por ser extensivo na minha lógica. Abraço Att : Cristiano Luis Menzen

Resposta do Portal Cursos CPT

24 de mar. de 2014

Olá, Cristiano!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Para mais informações sobre os Cursos CPT da área Hidroponia nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!