Características do coqueiro e do ambiente ideal para seu desenvolvimento

 

Considerada uma das árvores mais importantes do mundo, em função de ser uma atividade que gera emprego e renda em vários países do globo, seus frutos podem ser consumidos in natura ou industrializados na forma de mais de 100 produtos e subprodutos

O coqueiro é considerada uma das mais importantes árvores do país

Considerada uma das árvores mais importantes do mundo, em função de ser uma atividade que gera emprego e renda em vários países do globo, seus frutos podem ser consumidos in natura ou industrializados na forma de mais de 100 produtos e subprodutos. O coqueiro é uma palmeira perene, originária do Sudeste Asiático,  que foi introduzida no Brasil em 1553 pelos portugueses. É uma planta que precisa de muita água, temperatura alta e muita radiação solar.

 

O ideal é que a área escolhida para o plantio apresente uma precipitação média anual superior a 1.500 mm. Em regiões com chuvas abaixo de 1.000 mm/ano, é necessária a instalação de sistema de irrigação a fim de obter uma boa produção. A temperatura anual média deve ser em torno de 25ºC. Baixas temperaturas causam modificações na morfologia da planta. A radiação solar ou insolação deve permanecer acima de 2.000 horas/ano, com o mínimo de 120 horas/mês.

Quanto aos solos, os profundos são ideais (cerca de 1 m de profundidade), argilosos e sílico-argilosos, bem drenados, ricos em matéria orgânica, com lençol freático entre 1 a 4 m de profundidade. O preparo do solo deve ser feito de forma convencional com uma aração e duas gradagens. Recomenda-se fazer a análise química do solo para avaliação da necessidade de calagem e adubação.

A melhor época para plantio é o inicio da estação chuvosa. Em cultivo irrigado, o plantio pode ser realizado em qualquer época do ano. As mudas devem, preferencialmente, ser adquiridas de viveiristas idôneos que apresentem o certificado de origem destas.

Da mesma forma, devem ser eretas, ter entre quatro e seis folhas, altura de 50 cm a 70 cm, com idade entre cinco e seis meses. Além disso, devem apresentar bom aspecto, com ausência de sintomas de deficiência nutricional e de ataque de pragas e doenças. No ato do plantio, recomenda-se a poda das raízes, ao limite de 2 cm de comprimento,  bem como colocar as mudas no centro da cova, com uma leve compactação da terra ao redor para melhor fixar a planta.

Principais pragas e doenças do coqueiro

Como qualquer outra árvore, o coqueiro é atacado por pragas e doenças. A Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária listou algumas das principais pragas, seus danos e como controlar.

1) Ácaro (Eriophyes guerreronis) - Atacam folhas novas de plantas no viveiro, causando seca total destas e morte do broto da planta. A flecha, após secar, não se destaca da planta. Causam necroses na superfície dos frutos, estes podem ficar imprestáveis para a comercialização.
Controle: Em plantas jovens, deve-se eliminar e queimar as plantas atacadas, aplicar acaricida em todo o viveiro/coqueiral.
Usar: Vamidothion (Kilval 300) ou Aldicarb (Temik 100 ou Temik 150)

2) Barata do coqueiro (Coraliomela brunnea ) - A larva se aloja na flecha das plantas, alimentando-se dos folíolos ainda fechados, causando redução foliar, prejudicando o desenvolvimento do coqueiro.
Controle: Eliminação de adultos por meio da catação manual. Pulverização, com produtos químicos, dirigida às folhas centrais nos primeiros sintomas.
Usar: Carbaryl (Sevin 480 SC ou Agrivin 850 PM) ou Triclorfon (Dipterex 500 ou Triclorfon 500 Defensa).

3) Broca do estipe do coqueiro, broca do tronco do coqueiro, rhina (Rhinostomus barbirostris )
- No interior da planta, a larva forma inúmeras galerias, que podem causar quebra de folhas e morte da planta. O dano também pode causar enfraquecimento da planta, que pode tombar pela ação de ventos.
Controle: Catação e eliminação das posturas e das larvas. Eliminação e destruição das plantas muito atacadas. Injeção de produtos nos orifícios recém - abertos pelas larvas.
Usar: Malation (Malatol 1000 CE) ou Triclorfon (Dipterex 500 ou Triclorfon 500 Defensa).

4) Broca do olho do coqueiro (Rhynchophorus palmarum ) - É vetor da doença Anel Vermelho do Coqueiro. O inseto faz a oviposição no broto da planta. As larvas se alimentam da parte interna do estipe e fazem galerias em todas as direções, culminando com a morte da planta. O sintoma externo é a má formação de folhas novas.
Controle: Deve-se cortar e queimar as plantas atacadas. Para os insetos adultos, confeccionar armadilhas com iscas atrativas. Não cortar as folhas ainda verdes. Evitar o consórcio com mamão, abacaxi e banana, que também atraem o inseto.

5) Broca do pedúnculo floral (Homalinotus coriaceus ) - Sulcos superficiais no estipe. O inseto adulto provoca a queda de flores e frutos novos.
Controle: Limpeza da copa (folhas e cachos secos). Pulverizações com Malation(Malatol 1000 CE).

6) Cochonilha transparente do coqueiro (Aspidiotus destructor ) - Os folíolos vão ficando amarelos pela ação sugadora do inseto, secando em seguida.
Controle: Realizar o controle quando verificar se  5 a 10% das plantas possuírem 3 folhas muito atacadas.
Usar: Dimethoato ou Aldicarb (Temik 100 ou Temik 150).

7) Lagarta das folhas (Brassolis sophorae ) - Pode causar desfolhamento total da planta.
Controle: Localização e destruição das lagartas.

8) Pulgão preto do coqueiro (Cerataphis lataniae
) - Em coqueiros jovens, causa retardo do início de produção. Em coqueiros adultos, provoca abortamento de flores femininas, queda de frutos pequenos e/ou frutos em desenvolvimento.
Controle: Pulverização das plantas infestadas com produtos sistêmicos. Carbosulfan – (Marshal 200 SC).


Por Natália Mayrink De Lazzari

Fonte: Embrapa


O CPT - Centro de Produções Técnicas, possui o curso Controle de Pragas e Doenças do Coqueiro que orienta nessa atividade.
Sugerimos também que leia os seguintes artigos:

- Pragas e doenças do coqueiro, identifique-as e elimine-as;
- Como prevenir e combater algumas pragas do coqueiro;
- Efeito do controle cultural e químico sobre o ácaro da necrose do coqueiro, em coco anão irrigado;
- Características do solo são determinantes no cultivo de coqueiro-anão.

Este conteúdo foi desenvolvido com base nas dúvidas do leitor Gilmar Vidal, postadas no artigo Pragas e doenças no coqueiro têm particularidades para o controle.

Faça você também seu comentário. A partir dele, poderão ser desenvolvidos novos artigos.

Faça já o Download Grátis
Faça já o Download Grátis As Principais Pragas do Coqueiro

Basta preencher os campos abaixo para receber o material por e-mail:

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

Cursos Relacionados

Curso Controle de Pragas e Doenças do Coqueiro Curso Controle de Pragas e Doenças do Coqueiro

Com Prof. José Inácio e Prof. Mário Lúcio

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Industrialização do Coco - Processo Artesanal Curso Industrialização do Coco - Processo Artesanal

Com Prof. Raimundo Mororó

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Adubação do Coqueiro Anão Curso Adubação do Coqueiro Anão

Com Prof. Dr. Ângelo Mirisola

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Produção de Mudas de Coqueiro Anão e Híbrido Curso Produção de Mudas de Coqueiro Anão e Híbrido

Com Prof. Dr. Ângelo Mirisola

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Alan lucio da silva costa

24 de mar de 2018

Eu queria saber qual região do brasil não nasce o coqueiral

Resposta do Portal Cursos CPT

26 de mar de 2018

Olá Alan,

Agradecmeos sua visita e comentário em nosso site. Ele não predomina em regiões como: o semiárido nordestino, Centro-Oeste e até o norte do Paraná.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

reginaldo

12 de jul de 2014

tenho um plantio de coco anão em Carbonita - MG gostaria de ter informações sobre adubação e combate a pragas.

Resposta do Portal Cursos CPT

14 de jul de 2014

Olá, Reginaldo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

O uso de corretivos e fertilizantes para a cultura do coqueiro pode ser dividido, na prática, em 3 fases: plantio, formação e adubação.

Qualquer que seja a fase da cultura, o importante é determinar quanto, quando e como adubar, levando-se ainda em consideração o aspecto econômico.

As plantas de coqueiros apresentam respostas às adubações a médio e longo prazo, assim, torna-se necessário um programa de adubação através do planejamento das operações de aplicações. Essa atividade deverá ser constantemente monitorada e acompanhada por meio de análises de solo e de folhas, a fim de correlacionar o nível de nutrientes e produtividade.

Duas adubações de cobertura deverão ser efetuadas: uma, no início, e outra, após o período chuvoso (em regiões em que não são utilizados sistemas de irrigação). De maneira geral, as adubações constituem-se de uréia, fósforo e potássio.

Em propriedades com adoção de maior grau tecnológico, verifica-se o uso da fertirrigação, onde os fertilizantes são aplicados de forma conjugada ao sistema de irrigação.

Além da adubação mineral, recomenda-se, também, uma cobertura orgânica, extremamente importante ao desenvolvimento do coqueiro.

A adubação é indispensável para a boa produção dos coqueiros. São necessários quatro adubações básicas ao ano (uma a cada 3 meses) com 700 g de nitrocálcio e 250 g de cloreto de potássio por planta. Os produtos podem ser adquiridos em lojas de produtos agropecuários. Recomanda-se aplicar anualmente 40 L de esterco de curral, 200 g de superfosfato simples, 100 g de cloreto de potássio e 50 g de cloreto de sódio por planta.

Os fertilizantes devem ser espalhados em volta da planta e incorporados ao solo dentro de uma faixa circular, cuja área é crescente em função da idade e da projeção da copa da planta. Nos primeiros três anos de idade da planta, deve-se adubar numa faixa entre 30 cm e 100 cm da estipe da planta. Em coqueiros entre quatro e dez anos em diante, a faixa fica entre 50 e 100 cm e, finalmente, em coqueiros adultos, a faixa deve ficar entre 150 cm e 200 cm.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Apolo Abreu

20 de ago de 2013

Olá amigos, Eu gostaria de saber se podem ser tiradas as palhas e restos de cachos de cocos que estiverem secos no pé de coco, se não causa algumas interferências no desenvolvimento do coqueiro? Obrigado,

Resposta do Portal Cursos CPT

20 de ago de 2013

Olá, Apolo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

A toalete refere-se à técnica que deverá ser realizada em todas as fases da cultura, na qual todas as folhas secas ou mortas deverão ser retiradas e, para localizá-las, será necessário percorrer, mensalmente, o coqueiral. Quando se tratar de coqueirais adultos, em plena fase de produção, os frutos não-vingados e o excesso de palha seca também deverão ser retirados das plantas.

O material retirado das plantas devem ser utilizados como cobertura morta, colocando-os ao redor do caule para sombrear o solo. Isso fará com que as perdas de água por evaporação sejam diminuídas e, também, servirá de matéria orgânica para o solo.

Já o processo de seleção dos frutos para desbaste deve ser iniciado bem cedo, quando eles encontram-se em desenvolvimento, ou seja, quando os frutos estiverem com tamanho aproximadamente igual ao de uma laranja. Essa seleção será obtida, fazendo-se o desbaste, que se refere à retirada do excesso de frutos, de tal maneira que cada planta permaneça com, no máximo, 20 frutos por cacho.

Isso será feito com o objetivo de padronizar o tamanho dos frutos produzidos e, ao mesmo tempo, evitar que a planta seja muito exigida.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

José Hermínio Brandão

17 de ago de 2013

Gostei muito de toda explanação a respeito. E estou muito interessado dar início ao plantio desse fruto espetacular.

Resposta do Portal Cursos CPT

19 de ago de 2013

Olá, José Hermínio!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Cultivo e Processamento de Coco

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade