WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Conheça nossos Cursos Profissionalizantes (combos) com 40% de DESCONTO

Vai criar peixes ornamentais para comércio? Aprenda a formular rações

Nas rações para a criação comercial de peixes ornamentais é fundamental encontrar à disposição um bom número de ingredientes ricos em proteína e outros ricos em energia

Vai criar peixes ornamentais para comércio? Aprenda a formular rações   Artigos CPT

As rações para a criação comercial de peixes ornamentais devem ser formuladas para atender as exigências nutricionais com o menor custo possível. “Mas é fundamental ter à disposição um bom número de ingredientes ricos em proteína e outros ricos em energia”, explica Manuel Vazquez Vidal Junior, professor do Curso CPT Produção de Peixes Ornamentais.

Os ingredientes ricos em proteína mais utilizados em rações para peixe são o farelo de soja, a farinha de carne, a farinha de peixe e o farelo de algodão. O farelo de algodão contém substâncias antinutricionais (gossipol), por isso, deve ser utilizado em pequena quantidade. A farinha de sangue também é um excelente alimento, mas sua qualidade varia muito em função da forma com que o sangue foi desidratado, por isso é aconselhável que seu uso seja orientado por um técnico.

As fontes de energia mais utilizadas nas rações são o fubá de milho, os óleos brutos vegetais, principalmente o óleo de soja, o sebo bovino, a farinha de mandioca e o sorgo, sendo que este último, por conter tanino, deve ser usado em pequena quantidade.

Os fabricantes fornecem tabelas que trazem a composição desses alimentos, e com esses mesmos dados pode-se calcular outras rações de menor custo. A eficiência de aproveitamento da ração para o máximo crescimento depende principalmente de sua composição. Quando a ração é deficiente em qualquer nutriente essencial para o crescimento, como aminoácidos, vitaminas ou minerais, é necessário adicionar maior quantidade de alimento para satisfazer essa exigência. Isso traz como consequência menor eficiência alimentar e pode resultar em deposição excessiva de gordura, o que compromete a eficiência reprodutiva.

Embora seja aconselhável adicionar à ração um suplemento vitamínico, as necessidades de vitaminas nas criações de peixes em regime semi-intensivo podem ser supridas pela ingestão de plâncton; um alimento vivo. Nas criações em sistema semi-intensivo, o uso de adubos favorece a produção, no próprio tanque de cultivo, de organismos planctônicos como rotíferos, cladóceros e copépodos, larvas de mosquito e outros pequenos animais que servem de alimento para os peixes ornamentais, complementando sua necessidade de proteína e vitaminas, além de ácidos graxos essenciais. Quando isto acontecer, a produção específica de alimentos vivos pode não ser essencial.

Gostou da matéria? Saiba mais sobre o Curso. Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da área Piscicultura.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!