Reprodução de tilápia em viveiro: saiba mais sobre o assunto

A reprodução da tilápia pode ser feita pelo sistema de desova e reprodução natural, pois é um peixe que reproduz durante boa parte do ano nas regiões de clima mais quente

Reprodução de tilápia em viveiro: saiba mais sobre isso   Artigos Cursos CPT

 

A reprodução da tilápia pode ser feita pelo sistema de desova e reprodução natural, pois é um peixe que reproduz durante boa parte do ano nas regiões de clima mais quente. “Se a temperatura da água estiver entre 23°C e 28°C, uma mesma matriz é capaz de reproduzir até oito vezes durante um ano, sendo que o ciclo de reprodução dura em média de 21 a 24 dias”, afirma Manoel Braz, professor do Curso a Distância CPT, Produção de Alevinos, em Livro+DVD e Curso Online.

Apesar de ser um peixe que atinge a maturidade sexual com três a quatro meses de vida, para ser considerada matriz para produção de alevinos, o ideal é que tenha pelo menos oito meses, quando possui condições de produzir até 1.000 ovos por desova. Recomenda-se utilizar duas fêmeas para cada macho em acasalamento constante, com densidade de um peixe para cada dois metros quadrados de área alagada de viveiro.

A diferença entre machos e fêmeas de tilápia pode ser verificada mediante observação atenta da região ventral, onde os machos possuem dois orifícios, e as fêmeas, três orifícios. Os machos constroem uma espécie de ninho no fundo do viveiro, em formato circular, com diâmetro em torno de 30 a 70 cm. É nesse local que acontecerá o acasalamento e a fêmea depositará os ovócitos e o macho o sêmen para haver a fecundação quando passarão a ser chamados de ovos. Após a fecundação, a fêmea coloca todos os ovos na boca e assim ficará por um período de três a seis dias.

Esta é uma espécie de incubação natural, pois os ovos ficarão na sua boca até a eclosão e o nascimento das larvinhas. Quando nascem, as larvas saem da boca da fêmea e começam a nadar na água do viveiro e serão alimentadas pelas reservas existentes no saco vitelínico. Essas reservas são suficientes para mantê-las nutridas por um período de três a quatro dias, quando começarão a alimentarem-se do plâncton do viveiro. Nessa fase, passam a ser chamadas de pós-larvas.

A coleta das larvas deve ser feita diariamente, por meio da passagem de uma tela fina de náilon presa a duas hastes de madeira, no viveiro. São necessários dois colaboradores nesse processo que é conhecido como sistema de coleta de nuvem.

Com o uso de uma peneira de náilon, as larvas são transferidas para uma sacola plástica contendo água do viveiro ou para um balde, também contendo água do viveiro. Elas deverão ser classificadas por tamanho e, para isso, devem ser transferidas para um classificador. Observe que o classificador possui dois compartimentos, um interno feito com tela de malha maior, 4 mm, e outro externo, que possui tela mais fina, com 2 mm de malha.

As pós-larvas que passarem através da tela de malha maior (4 mm) serão transferidas para o viveiro de larvicultura e posteriormente para o de alevinagem. Já as que ficarem retidas no compartimento interno deverão ser descartadas.

Na fase inicial, as pós-larvas de tilápia desenvolvem muito rapidamente e o fato de submetê-las a um processo de classificação por tamanho visa uniformizar o lote de alevinos que será formado a partir das pós-larvas coletadas. Parte-se do pressuposto de que as maiores são mais velhas; que pertencem a desovas anteriores e que não conseguiram ser captadas e, por isso, precisam ser descartadas.

Apesar de o descarte criar uma impressão de prejuízo, na verdade, o sistema de coleta em nuvem é econômico, pois dispensa a necessidade de estrutura de incubação artificial e carece de menos atenção no controle da qualidade da água, caso se utilize reprodução artificial em laboratório. Por outro lado, requer maior número de viveiros, para fazer a transferência das pós-larvas.

No viveiro, para o qual foram transferidas as pós-larvas, começam a receber ração farelada e devidamente preparada para o processo de reversão sexual, o que é obtido pela adição de hormônio de reversão.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Carpa japonesa comum: reprodução natural em viveiro
- Produção de alevinos: como desinfetar o viveiro de manutenção

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT, em Livros+DVDs e Cursos Online, da área Piscicultura.
Por Silvana Teixeira.

Cursos Relacionados

Curso Criação de Peixes - Como Implantar uma Piscicultura Curso Criação de Peixes - Como Implantar uma Piscicultura

Com Prof. Dr. Giovanni Resende

R$ 586,00 à vista ou em até 12x de R$ 48,83 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Nutrição e Alimentação de Peixes Curso Nutrição e Alimentação de Peixes

Com Prof. Dr. Giovanni Resende

R$ 586,00 à vista ou em até 12x de R$ 48,83 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Produção de Alevinos Curso Produção de Alevinos

Com Prof. Dr. Manuel Braz, Prof. Guido Salardani, Dr...

R$ 586,00 à vista ou em até 12x de R$ 48,83 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Outros artigos relacionados à área Piscicultura

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade