WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Torne realidade o sonho de viver do que você ama! 20% OFF nos cursos online + 5% OFF pagando no cartão

Criação de tilápias - um negócio rentável e promissor

A tilápia preferida dos piscicultores é a Tilápia do Nilo, pois ela tem mais aceitação comercial devido à sua carne tenra, saborosa e com baixas calorias

Criação de tilápias - um negócio rentável e promissor

 

Originária do Nilo, famoso rio do Egito, a tilápia disseminou-se pelo mundo. Entretanto, sua criação comercial alcançou o auge a partir dos anos 50. Atualmente, foram encontradas mais de 20 espécies de tilápias, classificadas quanto ao comportamento reprodutivo. Dentre elas, temos a Tilápia spp., cuja incubação dos ovos se dá em substratos; e a Tilápia do Nilo, cuja incubação se dá na boca da fêmea.

As preferidas dos piscicultores de todo o mundo são as tilápias de nome científico Oreochromis niloticus, pois sua carne é tenra, saborosa, com baixas calorias e poucos espinhos, tendo ótima aceitação no mercado consumidor, principalmente, nos Estados Unidos. Este é um dos principais importadores de filés de tilápia do Brasil.

Uma outra excelente fonte de renda para os piscicultores produtores de tilápia, em especial a Tilápia do Nilo, é o curtimento do couro deste magnífico peixe (alto valor comercial no mercado externo). Mas não somente isso, no Brasil, a pesca esportiva vem ganhando espaço, possibilitando ao criador de tilápias um outro mecanismo para  escoar sua produção.

Como as tilápias possuem fácil adaptabilidade a diversas condições ambientais, além de serem resistentes a doenças, geralmente, podem ser criadas tanto em lagos naturais e açudes como também em represas artificiais ou tanques-rede.

Além disso, as tilápias não requerem água com grande quantidade de oxigênio, resistindo muito bem a alterações bruscas de temperatura. Da mesma forma, são consideravelmente fáceis de alimentar e se reproduzem com bastante facilidade.

Enfim, tais características tornam a criação de tilápias um negócio rentável e promissor.

A preferida dos piscicultores é a Tilápia do Nilo, pois sua carne é tenra, saborosa, com baixas calorias e poucos espinhos.

A preferida dos piscicultores é a Tilápia do Nilo, pois sua carne é tenra, saborosa, com baixas calorias e poucos espinhos. 

Principais espécies de tilápia criadas no Brasil

TILÁPIA DO NILO
Nome científico: Oreochromis niloticus
Morfologia: Possui listras verticais escuras e regulares na nadadeira caudal e na lateral do corpo. Sua coloração é verde-prateada em toda a extensão corporal.

TILÁPIA AZUL OU ÁUREA
Nome científico: Oreochromis aureus
Morfologia:  Possui leves listras escuras verticais na lateral. Sua coloração é azul-acinzentada no corpo e branca no ventre.

TILÁPIA MOÇAMBIQUE
Nome científico: Oreochromis mossambicus
Morfologia: Possui a lateral comprimida, com longas barbatanas dorsais. Sua coloração é levemente esverdeada ou amarelada.

TILÁPIA DE ZANZIBAR
Nome científico: Oreochromis urolepis hornorum
Morfologia: Os machos maduros podem apresentar a coloração quase negra. Suas nadadeiras dorsais podem apresentar leves tons de vermelho, laranja ou rosa.

Temperatura da água

Por serem pecilotérmicos (sangue frio), a temperatura corporal dos peixes (tilápias) varia conforma a temperatura da água. Por isso, controlar a temperatura ambiente da água onde estão as tilápias é fator decisivo para o seu pleno desenvolvimento. Além disso, as tilápias se desenvolvem melhor dentro de uma determinada faixa de temperatura, já que se alimentam mais. Essa faixa se encontra entre 26 e 30°C.

Sintomas da alteração de pH

Na criação de tilápias, o pH ideal da água deverá ser neutro, ou seja, deverá aproximar-se de 7,0. Caso contrário, se o pH estiver abaixo de 4,0 ou acima de 11,0, o ambiente aquático será desfavorável para as tilápias, podendo até ser fatal. Para medir o pH da água, os piscicultores utilizam um aparelho chamado peagâmetro. Dessa forma, podem controlar melhor o ambiente onde vivem os peixes.

pH BAIXO (ÁCIDO)
Com o pH da água baixo, as tilápias sofrem asfixia, além de apresentarem excesso de muco tanto no corpo como nas brânquias. Quando morrem, as tilápias permanecem com a boca aberta e os olhos saltados,  sinais típicos de morte por falta de oxigênio. Outro sintoma bastante característico do pH ácido da água é a inibição do consumo de alimentos, o que afeta o crescimento ponderal dos peixes.

pH ALTO (ALCALINO)
Quando o pH da água aumenta, sua alcalinidade também aumenta, favorecendo a formação de amônia, que pode intoxicar os peixes. Outro fator prejudicial ao pleno desenvolvimento dos peixes é o aumento da susceptibilidade a doenças, ao manuseio e ao transporte, já que as tilápias tornam-se fragilizadas com a alteração do pH.

As tilápias são classificadas como peixes omnívoros, herbívoros zooplanctófagos ou fitoplanctófagos, alimentando-se de inúmeros organismos vegetais e animais.

As tilápias são classificadas como peixes omnívoros, herbívoros zooplanctófagos ou fitoplanctófagos, alimentando-se de inúmeros organismos vegetais e animais.

Alimentação natural das tilápias

As tilápias são classificadas como peixes omnívoros, herbívoros zooplanctófagos ou fitoplanctófagos, alimentando-se de inúmeros organismos vegetais (algas, plantas aquáticas, frutos, sementes, raízes, entre outros) e pequenos animais (microcrustáceos, larvas e ninfas de insetos, vermes, moluscos, anfíbios, peixinhos, entre outros). Algumas espécies de tilápia, em particular a Tilápia do Nilo, alimentam-se de fito e zooplâncton, principalmente, em seu estágio inicial de crescimento (do nascimento aos 3,5 cm de tamanho).

Ração: principais características

Quando as rações são lançadas ao meio aquático, algumas perdem nutrientes importantes, principalmente os compostos mais solúveis. Sendo assim, o processamento adequado da ração é fundamental na alimentação das tilápias. Além disso, uma boa ração balanceada deverá ser de fácil metabolismo e boa conversão alimentar, ter boa flutuabilidade, apresentar uma boa velocidade de imersão, além de considerável absorção e solubilidade (deixar pouco resíduo na água).

Reprodução das tilápias

A reprodução das tilápias ocorre dos três aos seis meses de idade dependendo da espécie. Quanto à desova, esta poderá ocorrer mais de quatro vezes por ano, se os peixes estiverem bem nutridos e saudáveis, vivendo em um ambiente favorável à procriação. Como a tilápia apresenta cuidado parental, ou seja, protege a prole (na boca), o índice de sobrevivência da espécie é bastante elevado.

PRODUÇÃO DE SUPER-MACHOS
Para produzir os super-machos, o primeiro passo é reverter alevinos normais com hormônios feminilizantes, transformando os machos presentes em fêmeas (XY). Essas fêmeas (XY) são cruzadas com machos normais (XY). Desse cruzamento, teoricamente, ¼ da população será de super machos (YY). Os super-machos (YY), ao serem cruzados com fêmeas normais (XX) geram 100% de alevinos machos.

PROCESSO DE SEXAGEM
Por meio da observação da papila genital dos alevinos de tilápia, é feita a seleção manual (sexagem). A diferenciação dos sexos é a seguinte: a fêmea apresenta dois orifícios, um para saída da urina (uretra) e outro para saída dos óvulos (oviducto); enquanto o macho apresenta somente a uretra. Mesmo sendo uma técnica trabalhosa, pessoas bem treinadas conseguem uma precisão de 95% na seleção dos machos. Entretanto, como para a sexagem os peixes já são mais velhos, as fêmeas levadas ao tanque (5%) desovarão mais cedo, aumentando o a população do tanque.

PROCESSO DE HIBRIDAÇÃO
No processo de hibridação, o macho da Tilápia de Zanzibar (Oreochromis hornorum) cruza com a fêmea da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), gerando 100% de alevinos machos. Entretanto, os machos (XZ) não são estéreis, não podendo ser criados junto às fêmeas, pois podem reproduzir-se e superpovoar os tanques.

VANTAGENS DA HIBRIDAÇÃO
Não há necessidade de utilizar hormônios na alimentação das pós-larvas e ocorre aumento do vigor hibrido sobre o crescimento. Além disso, em algumas espécies de tilápia, ocorre maior tolerância ao frio e à salinidade.

No processo de reversão sexual, são fornecidos hormônios masculinizantes às pós-larvas, gerando em torno de 95 a 99% de machos.

No processo de reversão sexual, são fornecidos hormônios masculinizantes às pós-larvas, gerando em torno de 95 a 99% de machos.

PROCESSO DE REVERSÃO SEXUAL

No processo de reversão sexual, são fornecidos hormônios masculinizantes às pós-larvas. Isso faz com que as gônadas das fêmeas se transformem em tecido testicular, produzindo indivíduos que se desenvolvem reprodutivamente como machos. Esse método é prático e eficiente, pois gera em torno de 95 a 99% de machos. Entretanto, os produtores de alevinos de tilápias para comercialização deverão optar por fornecedores idôneos, primando pela padronização do plantel.

VANTAGENS DA REVERSÃO SEXUAL
Os machos de tilápia apresentam maior taxa de crescimento (em torno de 30% a mais). Sendo assim, o processo de reversão sexual em mais de 95% dos alevinos de tilápia para o sexo masculino permite que os peixes atinjam o peso ideal em menor espaço de tempo. E melhor, se as condições do ambiente e do manejo forem satisfatórias, em apenas seis meses, a tilápia se encontrará no ponto de comercialização. Além disso, em um mesmo tanque, se houver um número considerável de machos e fêmeas, a capacidade de suporte dos tanques será ultrapassada em pouco tempo.

Confira os Cursos CPT, da área Piscicultura.

Entre eles, destacam-se:

Curso CPT Criação de Tilápias
 
Curso CPT Criação de Tilápias em Tanques-Rede
 
Curso CPT Criação de Peixes
 
Curso CPT Nutrição e Alimentação de Peixes
 
Curso CPT Criação de Pacu e Tambaqui
 
Curso CPT Produção de Alevinos

Por Andréa Oliveira.

Pensando em você, cliente CPT, o Centro de Produções Técnicas disponibiliza gratuitamente um manual prático sobre criação de tilápias, com especificações sobre as principais espécies, a temperatura e o o pH mais adequados para a sua criação, bem como os tipos de alimentação e as formas de reprodução. Tudo elaborado em linguagem simples e ilustrações para melhor exemplificar o conteúdo.

Portanto, não perca tempo!

 

Faça já o Download Grátis
Faça já o Download Grátis Manual sobre Criação de Tilápias

Basta preencher os campos abaixo para receber o material por e-mail:

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

sergio antoniosouza

17 de mai de 2018

obrigado palas informações

Resposta do Portal Cursos CPT

18 de mai de 2018

Olá Sergio,

Ficamos felizes que tenha gostado do nosso conteúdo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Rodrigo Silva

10 de mai de 2018

Tenho um terreno parado e gostaria iniciar uma criação de Tilápia. Qual o mínimo para iniciar uma criação?

Resposta do Portal Cursos CPT

11 de mai de 2018

Olá Rodrigo,

Para mais informações cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo sobre piscicultura.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

wilson

29 de ago de 2017

Posso usar água de chuva para criar tilapia em tanques de concreto?

Resposta do Portal Cursos CPT

29 de ago de 2017

Olá, Wilson.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. O ideal é que você use água tratada.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Siderlei Augusto

11 de jul de 2017

Achei ótimo o conteúdo sobre criação de tilapia, mas tenho uma dúvida, tenho pouco espaço, qual o melhor cativeiro caixa da água, tanques de cimento ou tanques no solo?

Resposta do Portal Cursos CPT

12 de jul de 2017

Olá, Siderlei.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. De acordo com a matéria, como as tilápias possuem fácil adaptabilidade a diversas condições ambientais, além de serem resistentes a doenças, geralmente, podem ser criadas tanto em lagos naturais e açudes como também em represas artificiais ou tanques-rede. Cabe a você escolher qual cativeiro será o mais viável e seguir as demandas de cada um.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

elizabeth almeida pinto joviano

6 de abr de 2017

gostaria de uma informação, qual produto devo usar para a agua ficar mais clara do meu tanque (cx dagua), tenho uma pequena criaçâo,

Resposta do Portal Cursos CPT

7 de abr de 2017

Olá Elizabeth,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. A água para abastecimento de tanques e viveiros de piscicultura deve ser examinada sob os aspectos qualiquantitativos.

a) Qualidade da água

No exame da qualidade da água deve-se levar em conta suas características físicas e químicas. Entre as primeiras, as mais importantes são:

Temperatura: Tem grande influência sobre a reprodução, sobrevivência e crescimento dos peixes, bem como sobre a produtividade natural das águas, ou seja, a produção dos alimentos naturais para os peixes. Ela deve se manter dentro dos limites compatíveis com a vida normal da(s) espécie(s) criada(s). Lembra-se que dentro desses limites quanto mais alta a temperatura maior a produtividade natural e, consequentemente, maior a produção de peixe. No entanto, temperaturas baixas ou muito elevadas influenciam negativamente na alimentação dos peixes. Estes limites máximos e mínimos, bem como suas variações, são atenuados nas partes mais profundas dos viveiros.

As temperaturas das águas nos tanques e viveiros de piscicultura devem ser medidas na superfície e no fundo, usando-se termômetro de imersão com escala de 0 a 50°C. A água de fundo é retirada com um frasco com tampa, o qual é destampado quando atinge a profundidade desejada. Então, o mesmo é levado rapidamente para a superfície e a temperatura da água em seu interior medida.

Transparência e a cor: A luz é um dos fatores mais importantes para a produtividade dos tanques e viveiros de piscicultura, pois os seres produtores da matéria orgânica na água (fitoplâncton, bactérias fotossintéticas e macrófitas aquáticas) utilizam a energia luminosa na fotossíntese.

Deste modo, quanto mais transparente é a água maior será a penetração da luz e, consequentemente, mais espessa será a coluna onde se processará a produção orgânica.

As águas turvas, isto é, que contêm argilas ou outros materiais em suspensão, não são favoráveis ao cultivo de peixes, principalmente, larvas, pós-larvas e alevinos, pois a argila adere as suas guelras, impedindo as trocas gasosas, podendo até matá-los. Portanto, deve-se evitar abastecer tanques e viveiros com águas de cores vermelha, amarela ou cinzenta, bem como, impedir que pessoas e animais penetrem nos viveiros, pois causam turbidez da água.

As águas negras ou escuras das florestas ou aquelas alaranjadas de ambientes ricos de matéria orgânica em decomposição não são boas para o abastecimento de tanques e viveiros, vez que são geralmente ácidas (pH < 7,0) e trazem gases tóxicos (sulfídrico, metano, amônia etc.), além de não permitirem boa penetração de luz e possuirem baixos teores de oxigênio dissolvido, necessário para respiração dos peixes.

As melhores águas para abastecer tanques e viveiros de piscicultura são as claras, ligeiramente azuladas ou esverdeadas. Quando estas instalações são bem adubadas, suas águas apresentam cor verde escura sinal de boa produtividade orgânica, pois reflete a grande incidência de algas clorofíceas nas mesmas.

A transparência da água pode ser medida com o disco de SECCHI, que é um disco metálico, com mais ou menos 0,25 m de diâmetro, contendo quatro faixas brancas e pretas, alternadamente, sendo o mesmo mergulhado na água, com o auxílio de cabinho de náilon de 3/16", até que não seja mais visto. Mede-se então, no cabinho, a profundidade em que se extinguiu a luz na coluna d'água. A transparência da água dos viveiros deve ser menor do que 0,30 m.

As características químicas das águas para abastecimento de tanques e viveiros de piscicultura são importantes: Poucas águas não podem ser utilizadas para tal, mas a produção dos alimentos naturais para os peixes está ligada a sua qualidade. Torna-se necessária a presença do nitrogênio, fósforo, cálcio, magnésio, enxofre e ferro, assim como dos chamados oligoelementos (boro, manganês, cobre e zinco). É em contato com o solo que a água se enriquece pela dissolução dos sais que pele se encontram. Deste modo, quanto mais rico o solo em minerais mais rica será a água.

Lembra-se, contudo, que parte desses sais pode provir da decomposição orgânica dos animais e vegetais mortos no viveiro ou, ainda, serem cólocados através dos adubos.

Pode-se apreciar a qualidade de uma água medindo-se o seu pH. Este deve ser neutro ou ligeiramente alcalino. Valores inferiores a 5 e superiores a 9 são indícios de água não recomendável para a piscicultura.

Outros indicadores da qualidade da água para a criação de peixes são dados pelas suas dureza e alcalinidade. Águas com dureza acima de 15 mg/l em seu equivalente em CaCO3 e com alcalinidade superior a 40 mg/l também em seu equivalente em CaCO3 são boas para aquele fim.

Torna-se necessário, ainda, a presença de gases dissolvidos na água, principalmente o oxigênio, imprescindível à respiração dos peixes, e o gás carbônico, essencial à fotossíntese.

No entanto, gases oriundos da decomposição da matéria orgânica (sulfídrico, amônia, metano etc.) são tóxicos e fatores de depleção na taxa do oxigênio dissolvido. Nesta situação, as águas exalam mau cheiro. Deve-se, pois, evitar o acúmulo de matéria orgânica nos viveiros.

De uma maneira geral, as águas poluídas por esgotos industriais e/ou domésticos e por defensivos agrícolas não se prestam para a piscicultura.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Denis de Oliveira Camargo

16 de mar de 2017

Boa tarde, estou trabalhando em um projeto para criação de tilápias em tanques de geomembranas de polietileno ou de cimento. Portanto quero adquirir conhecimentos em piscicultura.

Resposta do Portal Cursos CPT

17 de mar de 2017

Olá Denis,

Para mais informações sobre piscicultura cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo. O CPT também possui Cursos a Distância na área Piscicultura que podem ser de grande ajuda.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

robson rodrigues da silva

14 de mar de 2017

entrar no ramo

Resposta do Portal Cursos CPT

15 de mar de 2017

Olá Robson,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações sobre os Cursos a Distância na área de Piscicultura, nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Ademar dos Santos Ferreira

19 de jan de 2017

Bom dia, por gentileza gostaria de explicações sobre a venda desses peixes (tilápias) tem frigoríficos que compra toda a minha produção na minha região Fernandópolis SP. como posso entrar em contato com essas pessoas, pois pretendo ingressar nesse ramo o mais rápido possível.

Resposta do Portal Cursos CPT

20 de jan de 2017

Olá Ademar,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações sobre estratégias de negócio, cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

josé milton costa

13 de jan de 2017

Gostaria de informações, sobre criação de tilápia que se adapte em região mais fria no paraná cidade de São Mateus do Sul PR

Resposta do Portal Cursos CPT

16 de jan de 2017

Olá José Milton,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Francisco vulola

6 de nov de 2016

valeu pessoal

Resposta do Portal Cursos CPT

7 de nov de 2016

Olá Francisco,

Ficamos felizes que tenha gostado do nosso conteúdo.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!