WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Alevinagem intensiva, semi-intensiva e semiextensiva

Para que a produção de alevinos prospere, é imprescindível que o piscicultor opte pelo melhor sistema (intensivo, semi-intensivo ou extensivo) para que os alevinos tenham o pleno desenvolvimento

Alevinagem intensiva, semi-intensiva e semiextensiva

 

A alevinagem é a produção dos alevinos, ou seja, os filhotes dos peixes que já se assemelham aos adultos da sua espécie, os quais, quando atingem o tamanho e o peso ideal, serão comercializados para outras pisciculturas, que se encarregarão de fazer a recria e a engorda destes. Essa etapa é realizada em criatórios especializados que são responsáveis, exclusivamente, pela produção dos alevinos de forma eficiente. Daí a importância de se conhecer os tipos de sistemas de criação de alevinos: intensiva, semi-intensiva e semiextensiva. Principalmente porque, nessa fase, utilizam-se matrizes selecionadas e de alto potencial genético e reprodutivo, fruto de investimentos.

“Os alevinos estarão prontos para serem comercializados, quando atingirem o peso ideal, depois de passarem por um treinamento alimentar que os deixa aptos a se alimentarem com ração farelada ou balanceada, dependendo da espécie. Isso facilitará o início da recria e a condução da engorda, proporcionando a obtenção de um elevado potencial de desenvolvimento dos peixes”, afirmam os professores Dálcio Ricardo de Andrade e Manuel Vasquez Vidal Junior, do Curso Produção de Alevinos, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

Além da escolha certa do sistema de criação para a produção de alevinos, o sucesso de uma criação está na qualidade do produto oferecido, no preço competitivo, na localização do criatório, que deverá estar próximo aos mercados consumidores, na facilidade e na rapidez da distribuição, na oferta diversificada de espécies e o mais importante de tudo, na qualidade sanitária do produto, pois os alevinos deverão estar saudáveis.

Mas tudo isso não é tarefa fácil! Isso só é conseguido com um manejo adequado das instalações, por meio de cuidados veterinários oferecidos à criação de alevinos, da limpeza dos tanques e da qualidade da alimentação oferecida a eles.

Sistemas de alevinagem

Sistema intensivo


Embora o sistema intensivo de criação de alevinos ainda esteja em desenvolvimento tecnológico em nosso país, a maioria dos piscicultores o vem adotando devido à sua viabilidade. Principalmente quanto às altas taxas de sobrevivência, o que ocasionalmente aumenta a produção. E melhor! Sem que sejam necessários novos viveiros ou aumento de áreas alagadas na propriedade. Por outro lado, requer muita mão de obra e alimentos vindos do exterior, como é o caso da Artêmia, o que encarece um pouco o sistema. Outro aspecto bastante interessante é que o sistema intensivo somente é possível em laboratórios, onde os alevinos são criados em espaço e água reduzidos, alimentando-se de uma dieta rica em Artêmia, além de rações com vitaminas e proteínas.

Sistema semi-intensivo

O sistema semi-intensivo de criação de alevinos requer cuidados específicos, principalmente quanto à manutenção dos viveiros-berçários. Estes obrigatoriamente devem conter dispositivos hidráulicos para que a vazão seja controlada e, consequentemente, o manejo dos alevinos torne-se efetivo e adequado, como a retirada da água e da lama dos tanques, o combate aos predadores, a correção da acidez da água, por meio do calcário, a aplicação constante de fertilizantes, além da aplicação de adubos. Entretanto, para que o sistema não sofra contaminação, devido ás inúmeras manipulações, deve-se realizar frequentemente a análise físico-química da água. Por outro lado, devido às inúmeras dificuldades quanto à logística e à falta de capacitação dos agentes fiscais, algumas falhas podem ocorrer durante o processo.

Sistema semiextensivo

O sistema semiextensivo de criação de alevinos ainda está em desenvolvimento em nosso país. Na verdade, os piscicultores colocam nos viveiros pós-larvas, com a principal função de controlar prováveis predadores, antes da alevinagem e durante a alevinagem. Nesse sistema, o povoamento, o repovoamento e a estocagem de alevinos ocorrem de forma crescente e sucessiva, mas com variações. Nesse sistema de criação, há incidência de canibalismo conforme as pós-larvas e alevinos vão se desenvolvendo. Entretanto, o grande aumento na estocagem compensa a mortalidade por canibalismo. Tudo isso devido à seletividade alimentar dos que já estavam estocados no viveiro. Em outras palavras, no sistema semiextensivo, somente os mais fortes sobrevivem. Por outro lado, há grande viabilidade em se implantar esse sistema, pois ele não requer alimentos do exterior, as pós-larvas são fáceis de transportar e os alevinos produzidos possuem alta qualidade genética.

Aprimore seus conhecimentos, acessando os Cursos CPT, da área Piscicultura.

Por Andréa Oliveira.

Fontes: Wikipédia e Socioambiental.

 

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!